Ar­te e des­ti­no

Correio da Bahia - - Vida -

Os ar­tis­tas vi­su­ais ho­je pas­sam por imen­sas di­fi­cul­da­des pa­ra mos­trar su­as pro­du­ções ao pú­bli­co. O ar­tis­ta tra­ba­lha na so­li­dão do seu ate­li­er, pa­ra apre­sen­tar à co­mu­ni­da­de seu fa­zer. Ba­si­ca­men­te pa­ra tor­nar seu tra­ba­lho co­nhe­ci­do, uma es­pé­cie de pres­ta­ção de con­tas e a pos­si­bi­li­da­de de cons­truir um mer­ca­do e vi­ver com dig­ni­da­de de su­as pro­du­ções. Na­da mais sau­dá­vel do que fa­zer e ser con­su­mi­do, ga­ran­tin­do a so­bre­vi­vên­cia. A gran­de mai­o­ria dos ar­tis­tas bra­si­lei­ros vi­ve aju­da­da por fon­tes al­ter­na­ti­vas de ren­da: dão au­las, tra­ba­lham em agên­ci­as de pro­pa­gan­da, são pro­fis­si­o­nais li­be­rais co­mo ar­qui­te­tos, mé­di­cos, ad­vo­ga­dos, jor­na­lis­tas, psi­có­lo­gos en­tre ou­tros.

As­sim, reu­nin­do a pro­fis­são de ar­tis­ta e agre­gan­do ou­tras, o re­sul­ta­do dá pa­ra vi­ver. Na re­a­li­da­de, ho­je a pro­fis­são de ar­tis­ta vi­su­al não é re­co­nhe­ci­da por lei. Nun­ca se viu no Bra­sil um ar­tis­ta tor­nar-se ri­co, tra­ba­lhan­do só com ar­te. Al­guns bem-su­ce­di­dos no mer­ca­do têm vi­da con­for­tá­vel, vi­a­jam, são com­pra­do­res con­tu­ma­zes de li­vros de ar­te, li­vros de in­te­res­se pró­prio, usam ma­te­ri­al de qua­li­da­de no seu fa­zer, pa­gam se­gu­ro de saú­de, INSS co­mo autô­no­mo e se dão a cer­tos lu­xos co­mo fre­quen­tar bons res­tau­ran­tes, be­ber um bom vi­nho, ter um car­ro de boa mar­ca, ca­sa pró­pria, fi­lhos (se os ti­ver) es­tu­dan­do em co­lé­gi­os de qua­li­da­de, ves­tir-se com cer­to cui­da­do. De­pois de mor­tos, dei­xan­do uma boa quan­ti­da­de de obras, po­dem dar a seus her­dei­ros pos­si­bi­li­da­des fi­nan­cei­ras, se a bri­ga pe­lo es­pó­lio não fi­car em­bar­ga­da por dé­ca­das, pa­ra de­ci­são ju­di­ci­al.

As ar­tes plás­ti­cas têm, den­tro das ou­tras ar­tes, o me­nor es­pa­ço em jor­nais e re­vis­tas, fi­can­do a mú­si­ca, o ci­ne­ma, a te­le­vi­são, o fu­te­bol, por exem­plo, com uma fa­tia mui­to mai­or. Ape­nas três jor­nais no Bra­sil man­tém es­pa­ço se­ma­nal pa­ra a crí­ti­ca de ar­te. Nas re­vis­tas de­sa­pa­re­ce­ram. Fi­ca di­fí­cil pa­ra o ar­tis­ta co­me­çan­te a pos­si­bi­li­da­de de ter seu tra­ba­lho ana­li­sa­do por um es­pe­ci­a­lis­ta da área. Pa­tro­ci­na­do­res de­sa­pa­re­ce­ram. O co­le­ci­o­na­dor fi­el que in­ves­tia no mer­ca­do de ar­te, acom­pa­nhan­do ex­po­si­ções e car­rei­ras, min­guou. O gran­de pú­bli­co fre­quen­ta­dor dos ver­nis­sa­ges di­mi­nuiu con­si­de­ra­vel­men­te. Fa­to­res co­mo po­der aqui­si­ti­vo em de­ca­dên­cia e até coi­sas co­mo a se­gu­ran­ça, a vi­o­lên­cia das ru­as, aco­mo­dam as pes­so­as. Al­guns só vão a inau­gu­ra­ções de ex­po­si­ções em lu­ga­res aber­tos, se­gu­ros e com ma­no­bris­tas.

Ao jo­vem ar­tis­ta, se es­tu­dan­te de ins­ti­tui­ções en­con­tra as es­co­las de ar­te sem ver­bas pa­ra fun­ci­o­nar a con­ten­to, man­ter bons pro­fes­so­res, ma­te­ri­al pa­ra en­si­no e ma­té­ri­as mais es­pe­ci­a­li­za­das, co­mo es­ti­mu­lá-lo?

Os ar­tis­tas emer­gen­tes, mes­mo com gran­de ta­len­to, so­frem com o pre­con­cei­to de não ter uma car­rei­ra con­so­li­da­da, mas co­mo ter car­rei­ra, se es­tão co­me­çan­do? Co­mo pa­gar por uma cu­ra­do­ria que aju­da mui­to, es­pe­ci­al­men­te aos emer­gen­tes, co­mo pa­gar tex­tos crí­ti­cos e to­do um apa­ra­to pa­ra ex­por, co­mo con­vi­tes, ca­tá­lo­gos, mon­ta­do­res, ilu­mi­na­do­res? Mas não se de­ve de­sis­tir, bus­ca-se fa­zer o que se po­de na sim­pli­ci­da­de de mei­os. O que va­le é o ta­len­to do ar­tis­ta, que é ina­to, mas po­de se apri­mo­rar com in­for­ma­ções. No cur­so do tem­po é que se faz uma car­rei­ra bem-su­ce­di­da e mais no cur­so do tem­po um ar­tis­ta ta­len­to­so po­de não acon­te­cer. Nis­so po­dem es­tar en­vol­vi­dos mui­tos fa­to­res, des­de o lu­gar on­de nas­ceu e não emi­gra­ram pa­ra os gran­des cen­tros, até es­tar adi­an­te no tem­po. Tu­do po­de ca­ber nes­ses fa­to­res. Se­rá que Al­de­mir Mar­tins, nas­ci­do em In­ga­zei­ras, no Va­le do Ca­ri­ri, no Ce­a­rá, se não ti­ves­se mu­da­do pa­ra o “sul ma­ra­vi­lha” te­ria a mes­ma no­to­ri­e­da­de? Car­los Scli­ar, nas­ci­do em San­ta Ma­ria, no Rio Gran­de do Sul, te­ria chan­ces lá? An­to­nio Maia (fo­to), nas­ci­do em Car­mó­po­lis–Ser­gi­pe, con­se­gui­ria ser um dos ar­tis­tas mais pre­mi­a­dos e fes­te­ja­dos do Bra­sil? An­to­nio Ban­dei­ra (For­ta­le­za–CE), Ro­sân­ge­la Ren­nó (Be­lo Ho­ri­zon­te-MG) e mui­tos mais. Ho­je as coi­sas mu­da­ram um pou­co, mas a he­ge­mo­nia Rio–São Pau­lo con­ti­nua. Co­mo po­de um no­vo ar­tis­ta olhar o fu­tu­ro sem ator­men­ta­men­to?

crc.ro­me­ro@hot­mail.com

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.