Va­mos avan­te, Es­qua­drão!

Correio da Bahia - - Front Page -

Que fi­nal de se­ma­na! A tão es­pe­ra­da fes­ta. O triun­fo tão so­fri­do. Triun­fo, sim, pois es­ta­mos fa­lan­do não ape­nas de um jo­go, mas de um cam­pe­o­na­to. E ape­sar de nos­so ad­ver­sá­rio ter si­do o cam­peão, nós tam­bém fo­mos vi­to­ri­o­sos.

A vol­ta pa­ra ca­sa foi ain­da me­lhor. Era im­pos­sí­vel dor­mir de­pois da­que­le aces­so e, ace­sos, che­ga­mos ao ae­ro­por­to de Sal­va­dor pou­co de­pois do meio dia pa­ra ser­mos re­ce­bi­dos pe­la Na­ção Tricolor e, co­mo bons bai­a­nos, co­me­mo­rar com o trio elé­tri­co.

Po­de­ria fa­lar mais so­bre es­se re­sul­ta­do, so­bre es­sa es­pe­cí­fi­ca fes­ta, so­bre a úl­ti­ma ro­da­da. Mas há uma da­ta que me­re­ce ser lem­bra­da: 19 de no­vem­bro de 2016! Re­cor­de de pú­bli­co da Are­na Fon­te No­va, fes­ta lin­da da Na­ção Tricolor co­ro­a­da com mais um triun­fo no apa­gar das lu­zes, co­mo vi­rou tra­di­ção nas ro­da­das fi­nais da com­pe­ti­ção!

Na­que­le dia a at­mos­fe­ra não se res­trin­giu ao es­tá­dio! Con­ta­gi­ou to­da a ci­da­de, se­não o es­ta­do. E, cer­ta­men­te, che­gou a to­do can­ti­nho do mun­do em que um tricolor se en­con­tras­se, por­que é cer­to: to­do “Bahêa”, de al­gu­ma for­ma, deu seu jei­to de acom­pa­nhar aque­la par­ti­da.

A se­ma­na foi um mis­to de an­si­e­da­de com ani­ma­ção.

E os pre­sen­tes na Are­na le­va­ram jus­ta­men­te es­ses sen­ti­men­tos: a ân­sia pe­lo aces­so e a ani­ma­ção pe­la imi­nên­cia da con­quis­ta. Mis­to de sen­ti­men­tos que cul­mi­nou na ex­plo­são eu­fó­ri­ca após o api­to fi­nal.

O aces­so veio, mas nós não sa­bía­mos. Não pu­de­mos co­me­mo­rar ple­na­men­te.

Mais uma se­ma­na de an­si­e­da­de. Di­as cu­jas ho­ras pa­re­ci­am du­rar sé­cu­los. Di­fi­cul­da­de de se con­cen­trar em qual­quer ou­tro as­sun­to que não fos­se o Es­qua­drão.

Pen­san­do bem, não ti­nha co­mo ser di­fe­ren­te: di­an­te de uma tra­je­tó­ria tão cheia de per­cal­ços, ha­via de se ima­gi­nar que o re­sul­ta­do ne­ces­sá­rio só vi­ria na úl­ti­ma ro­da­da. E veio!

Fi­nal­men­te! Con­se­gui­mos! Foi uma con­quis­ta di­fí­cil! So­fri­da! Mas foi uma jor­na­da que re­vi­veu a mís­ti­ca tricolor. Pe­lo ca­mi­nho, vi­mos a Estrela bri­lhar al­gu­mas ve­zes. E, mais im­por­tan­te, con­se­gui­mos fa­zer a jun­ção “ti­me/tor­ci­da” que nos tor­na qu­a­se im­ba­tí­veis.

Há quem di­ga que clu­be gran­de não fes­te­ja aces­so.

O Bahia é um clu­be enor­me! Te­mos mui­to or­gu­lho de nos­sa his­tó­ria. E de­ve­mos mes­mo ter. Mas não é por­que te­mos du­as es­tre­las que de­ve­mos dei­xar de va­lo­ri­zar o aces­so à Sé­rie A. Te­mos que co­me­mo­rar, sim!

É pre­ci­so ter hu­mil­da­de. Pa­ra se con­se­guir gran­des con­quis­tas não bas­ta vi­são de on­de se al­me­ja che­gar. É pre­ci­so ter o dis­cer­ni­men­to de se sa­ber on­de es­tá. Só as­sim po­de­mos tra­çar o ca­mi­nho que de­ve­mos tri­lhar.

O Bahia, hoje, não é o clu­be que um dia já foi. Não so­mos o mes­mo clu­be que ven­ceu o San­tos de Pe­lé em 1959. Não so­mos tam­bém o que foi bi­cam­peão bra­si­lei­ro de 1988 con­tra o In­ter. Mas o Bahia tam­bém não é mais o ti­me que vi­si­tou a sé­rie C em 2006 e 2007. Não so­mos mais um ti­me sem cre­di­bi­li­da­de e de­sor­ga­ni­za­do que per­de jo­ga­do­res por fal­ta de pa­ga­men­to de FGTS, não, se­nhor!

Es­ta­mos, pas­so a pas­so, re­cons­truin­do o Bahia que ama­mos. A as­cen­são foi um pas­so. Co­mo an­tes ha­via si­do a De­mo­cra­ti­za­ção do clu­be e co­mo foi tam­bém a pro­fis­si­o­na­li­za­ção que con­se­gui­mos im­ple­men­tar.

En­tre os clu­bes de fu­te­bol, o Bahia é uma das re­fe­rên­ci­as ad­mi­nis­tra­ti­vas do Bra­sil. Trans­pa­rên­cia não é só pre­ga­da, é pra­ti­ca­da.

Mas, co­mo bem sa­be­mos, pa­ra que to­do es­se tra­ba­lho pos­sa ser bem de­sen­vol­vi­do den­tro de uma ins­ti­tui­ção co­mo o Es­por­te Clu­be Bahia, é pre­ci­so que o ti­me de fu­te­bol dê re­sul­ta­dos.

E vai dar.

Su­bi­mos, mas que­re­mos mais. To­do tricolor quer mais. Me­re­ce mais.

E, jun­tos, po­de­mos mais! Bem or­ga­ni­za­do e com re­co­nhe­ci­men­to no mer­ca­do, o Bahia vol­ta à Sé­rie A com con­di­ções de fa­zer cam­pa­nhas dig­nas. E, com o pas­sar do tem­po, nos­sas am­bi­ções irão se re­ve­lar ca­da vez mai­o­res.

Nos­sos so­nhos são gran­des. Mas pa­ra al­can­çá-los há mui­tos pas­sos a se­rem da­dos.

No úl­ti­mo dia 19 mos­tra­mos ao Bra­sil que jun­tos so­mos for­tes. Com es­sa for­ça va­mos ba­ta­lhar pa­ra al­can­çar ca­da um dos nos­sos so­nhos.

Po­de não ser ime­di­a­to, mas te­nho cer­te­za que, bem ge­ri­do, es­te clu­be vai dar mui­to or­gu­lho a Na­ção Tricolor!

Por­que uni­dos, ti­me e tor­ci­da, são for­tes de­mais!

Jun­tos vol­ta­mos e, jun­tos, te­mos mui­ta his­tó­ria pa­ra fa­zer!

Va­mos avan­te, Es­qua­drão!

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.