A cu­ri­o­sa emo­ção ra­ci­o­nal

Correio da Bahia - - Esporte - El­ton Serra

O fu­te­bol é um es­por­te que en­vol­ve vá­ri­os sen­ti­men­tos. A ra­zão, que faz com que a aná­li­se se­ja fria, ba­se­a­da em nú­me­ros, de­sem­pe­nho, ges­tão e ou­tros ele­men­tos, fi­ca por con­ta da­que­les que tra­ba­lham e vi­vem de­le. A emo­ção, que esquenta o co­ra­ção e ati­va a pas­si­o­na­li­da­de, ig­no­ran­do te­ses e ba­ten­do de fren­te com a ra­ci­o­na­li­da­de dos es­pe­ci­a­lis­tas, é de propriedade do tor­ce­dor. E é do tor­ce­dor que eu que­ro fa­lar.

O Bahia vol­tou à Sé­rie A no sá­ba­do e, lo­go de­pois do jo­go, mui­tos tri­co­lo­res re­cla­ma­vam do de­sem­pe­nho do ti­me, da tei­mo­sia de Guto Fer­rei­ra, da le­tar­gia de Her­na­ne, da dependência de ou­tros re­sul­ta­dos, das fa­ses da lua, do mo­vi­men­to ro­ta­ci­o­nal da Ter­ra. Te­o­ri­as cons­pi­ra­tó­ri­as, mes­mo que in­cons­ci­en­tes, pa­ra di­mi­nuir o ta­ma­nho do fei­to do ti­me, que ti­nha a obri­ga­ção téc­ni­ca e his­tó­ri­ca de re­tor­nar à eli­te do fu­te­bol bra­si­lei­ro. O sen­ti­men­to tor­cer, pa­ra mui­tos, fi­cou em se­gun­do pla­no.

É di­rei­to do tor­ce­dor que­rer ser ra­ci­o­nal num mo­men­to de eu­fo­ria, cla­ro. Mas não é nor­mal. O Bahia é um pa­trimô­nio de sua tor­ci­da, que o abra­ça em qual­quer cir­cuns­tân­cia. Aliás, há dez anos, a an­ti­ga Fon­te No­va vi­via abar­ro­ta­da pa­ra ver uma equi­pe que se­quer con­se­guiu su­bir pa­ra a Sé­rie B do Cam­pe­o­na­to Bra­si­lei­ro. A pai­xão in­con­di­ci­o­nal é a prin­ci­pal ca­rac­te­rís­ti­ca de uma na­ção que sa­be tor­cer. Nem as sur­ras que o tricolor lhe deu nos úl­ti­mos anos fo­ram ca­pa­zes de di­mi­nuir es­se amor – mas con­se­gui­ram dar mais ca­pa­ci­da­de de ra­ci­o­na­li­zar os fa­tos.

Do pon­to de vis­ta frio da aná­li­se, o di­ag­nós­ti­co é sim­ples: o Bahia me­re­ceu re­to­nar à pri­mei­ra di­vi­são na­ci­o­nal, pois fez mais pon­tos que ou­tras 16 equi­pes. Num cam­pe­o­na­to de pon­tos cor­ri­dos, ob­tém êxi­to aque­les que têm me­lho­res apro­vei­ta­men­tos. O ti­me de Guto Fer­rei­ra ter­mi­nou o pri­mei­ro tur­no na 10ª po­si­ção, a oi­to pon­tos do G4. No se­gun­do, fez a ter­cei­ra me­lhor cam­pa­nha, ven­ceu to­dos os jo­gos em ca­sa e su­biu com mé­ri­tos. Pos­so até dis­cu­tir o de­sem­pe­nho, co­mo fiz di­ver­sas ve­zes nes­ta co­lu­na, que foi abai­xo do que o tricolor po­de­ria ter apre­sen­ta­do, já que seu elen­co, no pa­pel, foi um dos mais com­pe­ti­ti­vos da Sé­rie B. Po­rém, o re­sul­ta­do foi su­pe­ri­or, e

É di­rei­to do tor­ce­dor que­rer ser ra­ci­o­nal num mo­men­to de eu­fo­ria, cla­ro. Mas não

é nor­mal. O Bahia é um pa­trimô­nio de sua tor­ci­da, que o abra­ça em qual­quer cir­cuns­tân­cia. Aliás, há dez anos, a an­ti­ga Fon­te No­va vi­via abar­ro­ta­da pa­ra ver uma equi­pe que se­quer

su­biu pa­ra a Sé­rie B

is­so é o que fi­ca­rá na his­tó­ria.

Do pon­to de vis­ta pas­si­o­nal do tor­ce­dor, é o mo­men­to de ex­tra­va­sar. Di­an­te de tan­tos pro­ble­mas que a vi­da te im­põe no dia-a-dia, se dê ao lu­xo de re­la­xar e ce­le­brar o seu ti­me. Foi com der­ro­ta? Pou­co im­por­ta: o Bahia es­tá no­va­men­te en­tre os me­lho­res ti­mes do Bra­sil. Co­me­ce a se­ma­na com o sen­ti­men­to de alí­vio e sa­tis­fa­ção em ver o tricolor fi­gu­rar na pra­te­lei­ra mais co­bi­ça­da do fu­te­bol bra­si­lei­ro. Li­ber­te a sua al­ma das tra­vas que as der­ro­tas lhe im­põem e cur­ta um mo­men­to que só o es­por­te é ca­paz de pro­por­ci­o­nar.

De­pois da eu­fo­ria jus­ti­fi­cá­vel e per­mi­ti­da, to­dos vol­ta­rão a ser ra­ci­o­nais. Co­brar um ti­me mais com­pe­ti­ti­vo à di­re­to­ria, já que 2017 se­rá bem mais di­fí­cil. O fu­te­bol subs­ti­tui­rá Tu­pi por Atlé­ti­co Mi­nei­ro, Bra­gan­ti­no por Co­rinthi­ans, Bra­sil de Pe­lo­tas por Grê­mio, Oes­te por Palmeiras, e por aí vai. É pre­ci­so se pre­o­cu­par com de­sem­pe­nho nu­ma Sé­rie A, pois é com atuações con­sis­ten­tes que os re­sul­ta­dos vi­rão. É ne­ces­sá­rio me­lho­rar o re­la­ci­o­na­men­to do clu­be com a tor­ci­da den­tro da Are­na Fon­te No­va, já que fi­cou cla­ro nos úl­ti­mos jo­gos o per­fil de tor­ce­dor que vai ao es­tá­dio. É de bom tom co­brar que a fi­lo­so­fia exi­gi­da por Mar­ce­lo Sant’Ana, de um ti­me pro­po­si­ti­vo e que pri­o­ri­ze o bom fu­te­bol, se­ja co­lo­ca­da em prá­ti­ca no pró­xi­mo ano. É di­rei­to le­gí­ti­mo exi­gir al­go me­lhor. Mas, até lá, cur­ta. Per­mi­ta-se ser mais le­ve. Se­ja tor­ce­dor.

el­ton.serra@re­de­bahia.com.br

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.