S.O.S: re­si­dên­ci­as de lu­xo em área de pre­ser­va­ção

Correio da Bahia - - Mais -

Den­tro da lo­ca­li­da­de de Arem­be­pe, a uns 300 m da praia, em uma re­gião cha­ma­da San­gra­dou­ro, a in­va­são tem o mes­mo per­fil. Com a di­fe­ren­ça que, nes­se ca­so, já há ca­sas cons­truí­das no lo­cal, bem pró­xi­mo da Al­deia Hip­pie. Al­guns dos imó­veis, co­mo o da fo­to abai­xo, são be­los ca­sa­rões. To­dos cons­truí­dos den­tro da APA do Rio Ca­pi­va­ra. “Tem ca­sas até com pis­ci­na”, nar­ram os na­ti­vos.

A pro­du­ção de imó­veis em ple­na área pro­te­gi­da não pa­ra. Ope­rá­ri­os tra­ba­lham na cons­tru­ção de ou­tras tan­tas ca­sas. No ca­so do San­gra­dou­ro, que tem es­se no­me jus­ta­men­te por­que es­ta­ria lo­ca­li­za­do per­to da nas­cen­te, on­de o rio “san­gra”, in­va­di­ram não só uma APA, mas tam­bém uma Área de Pre­ser­va­ção Per­ma­nen­te (APP). Dois anos atrás, após ater­rar par­te da la­goa que re­ce­be água do Rio Ca­pi­va­ra, os in­va­so­res co­me­ça­ram a cons­truir.

“A mai­o­ria de­les ater­rou área de la­goa. Eles en­tram, to­mam con­ta e ven­dem por qual­quer va­lor”, dis­se um am­bi­en­ta­lis­ta da re­gião, que pre­fe­re não se iden­ti­fi­car. As in­va­sões mo­ti­va­ram uma cam­pa­nha dos na­ti­vos da re­gião. O S.O.S Arem­be­pe tem se es­pa­lha­do pe­las re­des so­ci­ais. As­sim co­mo na área to­ma­da à bei­ra da pis­ta, a po­pu­la­ção nos ar­re­do­res do San­gra­dou­ro es­tá com me­do.

Is­so por­que, di­zem eles, o lo­cal é do­mi­na­do por po­li­ci­ais e por tra­fi­can­tes.

“Eu não en­tro aí de jei­to ne­nhum. A la­goa era nos­so la­zer. Ago­ra a gen­te vê ela sen­do to­ma­da pe­la cri­mi­na­li­da­de”, dis­se um dos mo­ra­do­res res­pon­sá­veis pe­lo S.O.S Arem­be­pe. “Os ca­ras se apro­vei­tam da con­di­ção de se­rem po­li­ci­ais pa­ra to­car o ter­ror. Aí tam­bém tem ban­di­do, tra­fi­can­te, é tu­do mis­tu­ra­do”, de­nun­cia ou­tro.

Mes­mo de­sa­con­se­lha­da a en­trar na área, a re­por­ta­gem do COR­REIO fla­grou, além da cons­tru­ção de imó­veis e do lo­te­a­men­to de ter­re­nos, ru­as sen­do aber­tas no meio do ma­to, pos­tes im­pro­vi­sa­dos com ga­tos de luz e di­ver­sas áre­as de quei­ma­das. “Os ca­ras es­tão pu­xan­do ga­to de água e luz na ca­ra du­ra. Li­guei pa­ra Co­el­ba e Em­ba­sa, mas nin­guém tem co­ra­gem de fa­zer na­da”, re­vol­ta-se um am­bi­en­ta­lis­ta da re­gião.

“A gen­te es­tá ven­do Arem­be­pe cair na mão des­ses ca­ras. Uma área des­sa sen­do de­vas­ta­da”, dis­se uma na­ti­va, que tam­bém pre­fe­riu não se iden­ti­fi­car. Mas, após uma ação do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co, San­gra­dou­ro po­de se li­vrar das in­va­sões. “Arem­be­pe es­tá apa­vo­ra­da. Ali é fo­co de cri­mi­na­li­da­de. Mas a Jus­ti­ça, após nos­sa ação, es­tá pres­tes a de­ci­dir pe­la re­ti­ra­da. Es­tá pres­tes a sair a sen­ten­ça”, ga­ran­te Pit­ta. O pro­ces­so de re­ti­ra­da das ca­sas de San­gra­dou­ro cor­re na 1ª Va­ra da Fa­zen­da Pú­bli­ca. Pro­cu­ra­do, o Tri­bu­nal de Jus­ti­ça da Bahia (TJ-BA) in­for­mou que uma au­di­ên­cia so­bre o ca­so vai acon­te­cer ain­da es­te mês.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.