24h

Correio da Bahia - - Vida -

No pri­mei­ro domingo sem Fi­del Cas­tro, Ha­va­na si­len­ci­ou, pa­re­cen­do res­pi­rar fun­do pa­ra a in­ten­sa se­ma­na de ho­me­na­gens ao lí­der que go­ver­nou Cu­ba por 49 anos e im­plan­tou o re­gi­me co­mu­nis­ta ain­da vi­gen­te. Até mes­mo as Da­mas de Blan­co, co­nhe­ci­do gru­po dis­si­den­te for­ma­do por mu­lhe­res de pre­sos po­lí­ti­cos, can­ce­lou sua mar­cha se­ma­nal pe­la pri­mei­ra vez em 13 anos. Mas o freio não era ape­nas es­pon­tâ­neo. Du­ran­te o lu­to de no­ve di­as, o go­ver­no proi­biu a ven­da de be­bi­da al­cóo­li­ca e de even­tos pú­bli­cos. Até os res­tau­ran­tes pre­ci­sam fe­char mais ce­do.

Na ho­me­na­gem mais im­por­tan­te no fim de se­ma­na, cen­te­nas de es­tu­dan­tes da Uni­ver­si­da­de de Ha­va­na fi­ze­ram uma vi­gí­lia ao lon­go do fim de se­ma­na. Na ma­nhã des­te domingo, ocu­pa­ram a es­ca­da­ria prin­ci­pal em si­lên­cio ab­so­lu­to. O lo­cal foi pal­co de um dos úl­ti­mos dis­cur­sos de Fi­del, em 2010. Seu re­tra­to ro­de­a­do por ve­las foi pos­to exa­ta­men­te on­de fa­lou por ho­ras, co­mo de cos­tu­me.

Por de­ter­mi­na­ção do go­ver­no, os mei­os de co­mu­ni­ca­ção es­ta­tais te­rão a pro­gra­ma­ção to­ma­da por ho­me­na­gens du­ran­te os di­as ofi­ci­ais de lu­to. Em al­guns pon­tos de Ha­va­na, fun­ci­o­ná­ri­os pre­pa­ra­vam a ci­da­de pa­ra o cor­te­jo fú­ne­bre, co­mo pin­tu­ra de meio-fio. No ór­gão es­ta­tal pa­ra a im­pren­sa, uma gran­de fi­la de cor­res­pon­den­tes in­ter­na­ci­o­nais se for­mou pa­ra bus­car cre­den­ci­a­men­to.

Mes­mo com Fi­del afas­ta­do for­mal­men­te do po­der des­de 2008 e aos 90 anos, mui­tos cu­ba­nos se sur­pre­en­de­ram com a anún­cio da sua mor­te, na ma­dru­ga­da de sex­ta-fei­ra pa­ra sá­ba­do. Pa­ra eles, era co­mo se o lí­der da Re­vo­lu­ção de 1959 es­ti­ves­se con­ge­la­do na sua apa­rên­cia frá­gil, es­po­ra­di­ca­men­te ex­pos­ta em fo­tos ao la­do de vi­si­tan­tes ilus­tres. A úl­ti­ma, no dia 15, foi com o lí­der má­xi­mo vi­et­na­mi­ta, Tran Dai Qu­ang.

A pri­mei­ra das ho­me­na­gens pre­vis­tas vai acon­te­cer na ma­nhã de hoje, na icô­ni­ca pra­ça da Re­vo­lu­ção, on­de as cin­zas de Fi­del fi­ca­rão ex­pos­tas por dois di­as pa­ra o pú­bli­co em ge­ral - seu cor­po foi cre­ma­do no sá­ba­do, em ce­rimô­nia pri­va­da. Na quar­ta, co­me­ça uma gran­de ca­ra­va­na de Ha­va­na até San­ti­a­go de Cu­ba, on­de ocor­re o se­pul­ta­men­to no pró­xi­mo domingo.

COMEMORAÇÃO

En­quan­to o im­pac­to da mor­te de Fi­del é uma in­cóg­ni­ta, exi­la­dos cu­ba­nos em Mi­a­mi co­me­mo­ra­ram a mor­te do li­der po­lí­ti­co, can­tan­do e dan­çan­do, mais uma vez na ma­nhã de on­tem. Pa­re­cia até Car­na­val em Lit­tle Ha­va­na, re­du­to da opo­si­ção cu­ba­na, on­de to-

O domingo foi de si­lên­cio im­pos­to em Ha­va­na, ca­pi­tal de Cu­ba: go­ver­no proi­biu even­tos pú­bli­cos, ven­da de be­bi­da al­cóo­li­ca e re­a­li­za­ção de jo­gos

On­tem, em Lit­tle Ha­va­na, bair­ro de Mi­a­mi on­de ha­bi­tam cen­te­nas de cu­ba­nos exi­la­dos, hou­ve fes­ta pe­lo se­gun­do dia por con­ta da mor­te de Fi­del

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.