Su­per­com­pu­ta­do­res

Correio da Bahia - - Brasil -

Se de­pen­der do pre­si­den­te da Fi­eb, Ri­car­do Al­ban, a Bahia vai abri­gar em bre­ve uma cen­tral de su­per­com­pu­ta­do­res do Se­nai Ci­ma­tec mui­to em bre­ve. Além do equi­pa­men­to que já es­tá ope­ran­do, o se­gun­do mais po­de­ro­so do Bra­sil, a Fi­eb es­tá em con­ver­sa­ções pa­ra a im­plan­ta­ção de no­vas má­qui­nas no cen­tro tec­no­ló­gi­co da Ave­ni­da Or­lan­do Go­mes. Se­gun­do ele, o Ci­ma­tec inau­gu­ra em bre­ve um su­per­com­pu­ta­dor de me­nor ca­pa­ci­da­de que o atu­al, ne­go­cia ou­tro, com a Rep­sol, mai­or que o im­plan­ta­do no Ci­ma­tec, além de ter con­ver­sas pa­ra se tor­nar apoi­a­dor tec­no­ló­gi­co do Cam­po de Li­bra, o que vai de­man­dar mais um su­per­com­pu­ta­dor. “Va­mos fa­zer um hub na Bahia”, dis­se. PO­LÊ­MI­CA O ex-mi­nis­tro da Cul­tu­ra Mar­ce­lo Ca­le­ro dis­se, em entrevista ao Fan­tás­ti­co on­tem, que gra­vou uma con­ver­sa te­lefô­ni­ca com o pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Mi­chel Te­mer, mas que o seu con­teú­do foi “bu­ro­crá­ti­co” e “pro­to­co­lar”. Ele ne­gou ter gra­va­do qual­quer ou­tra con­ver­sa com Te­mer.

Ca­le­ro pe­diu de­mis­são do car­go ale­gan­do que so­freu pres­são de Te­mer, do ago­ra ex-mi­nis­tro Ged­del Vi­ei­ra Li­ma (Se­cre­ta­ria de Go­ver­no) e do mi­nis­tro Eli­seu Pa­di­lha (Ca­sa Ci­vil) a fim de que atu­as­se pa­ra que o Ins­ti­tu­to de Pa­trimô­nio His­tó­ri­co e Ar­tís­ti­co Na­ci­o­nal (Iphan) re­ver­tes­se de­ci­são que bar­rou a obra de um pré­dio em uma re­gião tom­ba­da de Sal­va­dor, on­de Ged­del com­prou um apar­ta­men­to na plan­ta. O epi­só­dio le­vou à saí­da de Ged­del do go­ver­no. Ele ad­mi­tiu que pro­cu­rou Ca­le­ro pa­ra li­be­rar o em­pre­en­di­men­to, mas que não o pres­si­o­nou. “Eu fiz al­gu­mas gra­va­ções te­lefô­ni­cas. Ou se­ja, de pes­so­as que me li­ga­ram. En­tre es­sas gra­va­ções, exis­te uma gra­va­ção do pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, mas uma gra­va­ção ab­so­lu­ta­men­te bu­ro­crá­ti­ca. In­clu­si­ve, eu fiz ques­tão de que es­sa con­ver­sa fos­se mui­to pro­to­co­lar, que é a con­ver­sa da mi­nha de­mis­são. Eu ti­ve a pre­o­cu­pa­ção in­clu­si­ve de não in­du­zir o pre­si­den­te a en­trar em qual­quer te­ma pra não cri­ar pro­va con­tra si”, afir­mou Ca­le­ro. Na ma­nhã de on­tem, em entrevista co­le­ti­va, Te­mer dis­se que con­si­de­ra­va “in­dig­no” e “gra­vís­si­mo” um mi­nis­tro gra­var o pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca. “Uma in­dig­ni­da­de ab­so­lu­ta”, re­a­giu Te­mer, em co­le­ti­va so­bre a pos­si­bi­li­da­de de uma de su­as con­ver­sas com o ex-ti­tu­lar ter si­do gra­va­da. “Com to­da fran­que­za, gra­var clan­des­ti­na­men­te é de­sar­ra­zoá­vel. Um mi­nis­tro gra­var o pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca é gra­vís­si­mo, qu­a­se in­dig­no”, emen­dou. E dis­se que ja­mais te­ria a co­ra­gem de gra­var uma con­ver­sa com al­guém. Na entrevista, Te­mer dis­se que ar­bi­trar con­fli­tos é uma ta­re­fa in­dis­pen­sá­vel pa­ra o pre­si­den­te e foi is­so que fez nas con­ver­sas com Ca­le­ro. Mais de uma vez, ele dis­se que de­se­ja que ve­nha à pú­bli­co a gra­va­ção de sua con­ver­sa com Ca­le­ro “pa­ra mos­trar que não pa­tro­ci­nei ne­nhum in­te­res­se pri­va­do”. Ain­da so­bre Ca­le­ro, Te­mer dis­se que se tal gra­va­ção vi­er a pú­bli­co, fi­ca­rá evi­den­te que ele é cui­da­do­so com as pa­la­vras.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.