Uma dor para sem­pre

Correio da Bahia - - Front Page -

A dor de per­der um en­te que­ri­do nun­ca pas­sa. A gen­te só se acos­tu­ma com ela. E, após nos ti­rar um pe­da­ci­nho, es­sa dor nos mu­da, nos for­ta­le­ce. Mas des­de on­tem, o que o Bra­sil me­nos quer é ser for­te.

O fu­te­bol é uma pai­xão na­ci­o­nal. Im­pos­sí­vel não ima­gi­nar que a que­da do avião da Cha­pe­co­en­se po­de­ria ter acon­te­ci­do com nos­so ti­me do co­ra­ção. Que os com­pa­nhei­ros de im­pren­sa po­de­ri­am ser nos­sos co­le­gas de me­sa. É a em­pa­tia que uniu o país to­do lo­go aos pri­mei­ros rai­os da ma­nhã.

Para ou­tros, co­mo eu, co­me­çou an­tes. No iní­cio da ma­dru­ga­da che­ga­ram as pri­mei­ras no­tí­ci­as, no Twit­ter, do de­sa­pa­re­ci­men­to do avião, lo­go lo­ca­li­za­do. Com o ou­vi­do li­ga­do nu­ma rá­dio co­lom­bi­a­na, mui­tos se vi­ra­ram no es­pa­nhol e na es­pe­ran­ça. No co­me­ço, fa­la­va-se em mui­tos so­bre­vi­ven­tes. E com es­se sen­ti­men­to de que “tu­do vai fi­car bem daqui a pou­co”, não con­se­gui mais des­gru­dar da in­ter­net. Um resgatado, dois res­ga­ta­dos. O fi­nal fe­liz pa­re­cia cer­to.

Mas a mes­ma es­pe­ran­ça ver­de, co­mo a Cha­pe­co­en­se, que nos en­cheu foi sen­do di­la­ce­ra­da a ca­da gol­pe em es­pa­nhol que saía dos ra­di­a­lis­tas, vo­lun­tá­ri­os e au­to­ri­da­des que par­ti­ci­pa­vam do res­ga­te. O gol­pe fi­nal, em meio à chu­va tor­ren­ci­al que caía no Cer­ro Gor­do, foi de­vas­ta­dor.

A Cha­pe­co­en­se é co­mo o mas­co­te de to­do tor­ce­dor bra­si­lei­ro, é co­mo o ir­mão mais no­vo. Clu­be pe­que­no, com re­des so­ci­ais bem-hu­mo­ra­das e uma ges­tão im­pe­cá­vel. O Ín­dio Con­dá mos­trou que sa­ber co­mo gas­tar é mais im­por­tan­te do que ter o que gas­tar.

Com um or­ça­men­to pe­que­no, mas mui­to pro­fis­si­o­na­lis­mo, saiu da Sé­rie D para a Sé­rie A em seis anos. Des­de 2014, quan­do che­gou à eli­te, sem­pre é apon­ta­da co­mo can­di­da­ta ao re­bai­xa­men­to, mas che­ga às úl­ti­mas ro­da­das sal­va.

Nes­te ano, con­tra qual­quer prog­nós­ti­co, che­gou à fi­nal da Co­pa Sul-Ame­ri­ca­na. Seus jo­gos nas fa­ses ini­ci­ais nem eram trans­mi­ti­dos. A clas­si­fi­ca­ção he­roi­ca para a fi­nal con­ta­gi­ou não só os cer­ca de 210 mil ha­bi­tan­tes de Cha­pe­có, co­mo to­do o país.

A re­cei­ta do clu­be é sim­ples, ape­sar de pou­cos ti­mes con­se­gui­rem co­lo­cá-la em prá­ti­ca. Te­to sa­la­ri­al res­pei­ta­do, pa­ga­men­tos em dia, res­pei­to ao tor­ce­dor e pro­fis­si­o­na­lis­mo na ges­tão.

Não im­por­ta o ta­ma­nho do ti­me de ca­da um. To­dos que­ri­am ser co­mo a Cha­pe. En­vol­ver uma ci­da­de in­tei­ra, um país. Sur­pre­en­der, ser po­pu­lar e que­ri­do. Ser exem­plo. A Cha­pe tem a emoção e a ra­zão do fu­te­bol jun­tas.

E é por is­so que o país in­tei­ro cho­ra e se cons­ter­na com a tra­gé­dia. De fa­to, um pe­da­ço de ca­da um de nós, apai­xo­na­do pe­lo fu­te­bol, fi­cou no Cer­ro Gor­do na ma­dru­ga­da de on­tem. Que a dor da tra­gé­dia nos una para, jun­tos, apren­der­mos a con­vi­ver com ela. Para sem­pre.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.