Vi­vos su­por­ta­ram frio e mui­ta chu­va

Correio da Bahia - - Especial - Ale­xan­dre Ly­rio e Agên­ci­as ale­xan­dre.ly­rio@re­de­bahia.com.br

“Não me dei­xe mor­rer… não sin­to as per­nas, não me dei­xe mor­rer”. Se­gun­do o si­te da re­vis­ta Épo­ca, fo­ram es­sas as pa­la­vras que o go­lei­ro Jack­son Foll­mann re­pe­tia à equi­pe da De­fe­sa Ci­vil da Colôm­bia, quan­do en­con­tra­do pre­so en­tre as pol­tro­nas do avião da LaMia CP2933. Jack­son foi lo­ca­li­za­do gra­ças aos seus ge­mi­dos, na par­te tra­sei­ra do avião. É um dos seis so­bre­vi­ven­tes da tra­gé­dia que dei­xou 71 mor­tos.

Além de­le, so­bre­vi­ve­ram o la­te­ral-es­quer­do Alan Rus­chel, o za­guei­ro Ne­to, o jor­na­lis­ta Ra­fa­el Hen­zel e os tri­pu­lan­tes bo­li­vi­a­nos Xi­me­na Suá­rez e Erwin Tu­mi­ri. O lo­cal do aci­den­te fi­ca a 1h30 de car­ro de Me­del­lín e a cin­co mi­nu­tos de voo da pis­ta do ae­ro­por­to Jo­sé Ma­ría Cór­do­va. Jack­son foi o pri­mei­ro a ser resgatado. “É um mi­la­gre que es­te­jam vi­vos”, dis­se o so­cor­ris­ta Jor­ge Res­tre­po. O Hos­pi­tal San Vi­cen­te Fun­da­ción de Ri­o­ne­gro in­for­mou que a per­na di­rei­ta de Jack­son te­ve de ser am­pu­ta­da.

LUZ DE LANTERNAS

As pri­mei­ras equi­pes de res­ga­te que, no to­tal, en­vol­ve­ram mais de 150 pes­so­as, con­se­gui­ram che­gar ao pon­to da que­da qua­se uma ho­ra de­pois, já que só é possível o aces­so a pé. As­sim que avis­ta­ram os des­tro­ços, as equi­pes tra­ba­lha­ram com luz de lanternas. Em se­gui­da, che­ga­ram re­fle­to­res que re­ve­la­ram um ce­ná­rio te­ne­bro­so: pol­tro­nas, pe­da­ços de tur­bi­nas, ca­bos, vi­dros, ár­vo­res, la­ma, ma­las e cor­pos des­pe­da­ça­dos.

A re­por­ta­gem da

Épo­ca afir­ma que, na clí­ni­ca San Juan de Díos, em Me­del­lín, Alan Rus­chel che­gou a fa­zer um pe­di­do an­tes de pas­sar por uma ci­rur­gia: que os mé­di­cos guar­das­sem sua ali­an­ça de ca­sa­men­to. No Bra­sil, a mais de 7 mil quilô­me­tros da­li, sua es­po­sa, Aman­da, pos­ta­va um tex­to emo­ci­o­na­do nas re­des so­ci­ais. “Gra­ças a Deus o Alan es­tá no hos­pi­tal, es­ta­do es­tá­vel. Es­ta­mos oran­do por to­dos que ain­da não fo­ram so­cor­ri­dos, e for­ça para to­dos os fa­mi­li­a­res. Si­tu­a­ção com­pli­ca­da, di­fí­cil. Só Deus para dar for­ça mes­mo”, es­cre­veu.

No iní­cio da tar­de, o di­re­tor mé­di­co da Clí­ni­ca San Juan de Di­os, Guil­ler­mo Mo­li­na Me­sa, fa­lou para o ca­nal co­lom­bi­a­no Te­le­me­del­lín so­bre a si­tu­a­ção de Ne­to. “Pa­ci­en­te com he­ma­to­ma cra­ni­a­no, não sa­be se é fra­tu­ra, e no abdô­men e tó­rax. O es­ta­do de­le é crí­ti­co. Va­mos es­pe­rar a evo­lu­ção. No ca­so de­le, foi en­con­tra­do vi­vo na ma­dru­ga­da, quan­do di­zi­am que não ha­via mais so­bre­vi­ven­tes. É um jo­ga­dor com gran­de por­te fí­si­co, aguen­tou o im­pac­to, o in­ver­no, o agua­cei­ro”, ci­tou o mé­di­co. Ne­to pas­sou por ci­rur­gia com in­ter­ven­ções de neu­ro­lo­gis­ta, otor­ri­no­la­rin­go­lo­gis­ta, ci­rur­gia-ge­ral e or­to­pe­dia.

O jor­na­lis­ta Ra­fa­el Hen­zel, da Rá­dio Oes­te Ca­pi­tal, tam­bém pas­sou por ci­rur­gia e seu es­ta­do ins­pi­ra cui­da­dos.

Já o bo­li­vi­a­no Erwin Tu­mi­ri re­ve­lou que es­ca­pou da mor­te por­que se­guiu um pro­to­co­lo de se­gu­ran­ça re­co­men­da­do para aci­den­tes aé­re­os. Um dos tri­pu­lan­tes, ele de­ci­diu per­ma­ne­cer em po­si­ção fe­tal com uma ma­la en­tre as per­nas, en­quan­to a mai­o­ria en­tra­va em desespero. “So­bre­vi­vi por­que se­gui to­dos os pro­to­co­los de se­gu­ran­ça. Com a si­tu­a­ção de pâ­ni­co, mui­tos se le­van­ta­ram dos as­sen­tos e co­me­ça­ram a gri­tar. Co­lo­quei umas ma­las en­tre as per­nas e fi­quei na po­si­ção fe­tal”, con­tou.

‘É um mi­la­gre que es­te­jam vi­vos’, dis­se so­cor­ris­ta após res­ga­te

So­cor­ris­tas res­ga­tam za­guei­ro Ne­to do lo­cal do aci­den­te

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.