Ananias: um tri­co­lor para a eter­ni­da­de

Correio da Bahia - - Especial -

“Mes­mo não sen­do bai­a­no, é um clu­be que pas­sei a amar des­de que che­guei aqui. O Bahia é a mi­nha vi­da”. Des­sa for­ma, em 2011, Ananias fa­lou so­bre o seu sen­ti­men­to pe­lo tri­co­lor. Aos 27 anos, o ma­ra­nhen­se de São Luís, mor­to no trá­gi­co aci­den­te com o avião da Cha­pe­co­en­se na ma­dru­ga­da de on­tem, vai dei­xar mui­ta sau­da­de, prin­ci­pal­men­te no mun­do do fu­te­bol. Religioso, se­re­no e de­di­ca­do à fa­mí­lia, mas, ao mes­mo tempo, gai­a­to. As­sim é possível de­fi­nir o per­fil do ata­can­te, re­ve­la­do no Fa­zen­dão e que fez 123 par­ti­das com a ca­mi­sa azul, ver­me­lha e bran­ca, mar­can­do 13 gols.

Ananias che­gou ao Es­qua­drão na tem­po­ra­da 2004, ain­da para as ca­te­go­ri­as de ba­se. Tal­vez te­nha vi­vi­do o pe­río­do mais di­fí­cil da his­tó­ria do clu­be, que pas­sou se­te anos en­tre as sé­ri­es B e C, an­tes de su­bir para a eli­te em 2010, ano em que ele, bas­tan­te ver­sá­til, che­gou a atu­ar co­mo la­te­ral-di­rei­to, meia e ata­can­te, sen­do mui­to im­por­tan­te para a gló­ria fi­nal di­an­te da Por­tu­gue­sa, no dia 13 de no­vem­bro da­que­la tem­po­ra­da.

En­tre­tan­to, o so­nho de se tor­nar jo­ga­dor de fu­te­bol não foi fá­cil. Em entrevista ao fil­me Bahêa Mi­nha Vi­da, Ananias con­tou co­mo con­se­guiu con­ven­cer a mãe, do­na Ro­sá­lia, a lar­gar tu­do em sua ci­da­de na­tal para mo­rar em Sal­va­dor. “Para eu sair de São Luís foi uma di­fi­cul­da­de, mi­nha mãe não que­ria, pois eu era no­vo, ti­nha ape­nas 14 anos. Ela cho­ra­va mui­to e eu tam­bém, mas era o que eu que­ria e ela acei­tou. Só que eu con­se­gui ter uma fa­mí­lia no Bahia, os fun­ci­o­ná­ri­os me apoi­a­ram bas­tan­te e co­me­cei a me ape­gar nis­so”, dis­se, na épo­ca.

Ao la­do do ami­go-ir­mão Ávi­ne, o bai­xi­nho de 1,69 m cos­tu­ma­va dar tra­ba­lho a do­na Mi­ra, co­zi­nhei­ra do Bahia. “Ela é nos­sa mãe no Fa­zen­dão”, fa­lou ele. Em entrevista con­ce­di­da a mim, no COR­REIO, con­fes­sou sen­tir mui­ta fal­ta do Cu­xá, co­mi­da tí­pi­ca ma­ra­nhen­se que le­va ar­roz, abó­bo­ra e al­gu­mas er­vas. “Por is­so que eu cor­ro mui­to. A co­mi­da é boa e dá sus­tan­ça!”, di­ver­tiu-se. Ape­sar dos bons mo­men­tos no Fa­zen­dão, Ananias dei­xou o Bahia sem con­quis­tar um tí­tu­lo. Na despedida, não es­con­deu a de­cep­ção e pro­me­teu vol­tar para con­ti­nu­ar a his­tó­ria no clu­be. In­fe­liz­men­te, não te­ve tempo. Mas, no in­ter­va­lo até ir bri­lhar na se­le­ção dos an­jos, dei­xou seu no­me mar­ca­do em clu­bes co­mo Por­tu­gue­sa e Sport, com pas­sa­gens tam­bém por Cru­zei­ro e Pal­mei­ras.

Na Por­tu­gue­sa, em 2011, foi cam­peão da Sé­rie B e o prin­ci­pal jo­ga­dor do ti­me, que fi­cou co­nhe­ci­do co­mo “Bar­ce­lu­sa”, em re­fe­rên­cia ao fa­mo­so clu­be es­pa­nhol. Mar­cou 12 gols no cam­pe­o­na­to e aju­dou o ti­me a fa­zer in­crí­veis 81 pon­tos em 38 ro­da­das. O ape­li­do de Ana­ni­es­ta ga­nhou for­ça, prin­ci­pal­men­te por cau­sa da se­me­lhan­ça fí­si­ca com Ini­es­ta, do Bar­ça.

Dois anos de­pois, vol­tou a ga­nhar a Sé­rie B, des­ta vez com o Pal­mei­ras, atu­an­do em 20 par­ti­das. No Sport, em 2014, pa­pou os tí­tu­los do Per­nam­bu­ca­no e do Nor­des­tão. De qu­e­bra, dei­xou o no­me para sem­pre gra­va­do na his­tó­ria do Al­li­anz Par­que, no­va are­na pal­mei­ren­se. Na inau­gu­ra­ção, dia 19 de no­vem­bro, fez o pri­mei­ro gol ofi­ci­al do es­tá­dio, aos 31 mi­nu­tos do se­gun­do tempo. E olha que ele saiu do ban­co de re­ser­vas. Pre­des­ti­na­do. O ata­can­te es­ta­va na Cha­pe des­de 2015 e, nes­te ano, foi cam­peão ca­ta­ri­nen­se. Na Sul-Ame­ri­ca­na, fez o gol his­tó­ri­co do em­pa­te por 1x1 di­an­te do San Lo­ren­zo, na pri­mei­ra par­ti­da da se­mi­fi­nal. Na vol­ta, a Cha­pe em­pa­tou por 0x0 na Are­na Con­dá e ga­ran­tiu va­ga para a de­ci­são con­tra o Atlé­ti­co Na­ci­o­nal. Ananias dei­xa a es­po­sa Bár­ba­ra, o fi­lho En­zo, 3 anos, e uma le­gião de fãs. Ao to­do, co­mo pro­fis­si­o­nal, fo­ram 309 jo­gos e 43 gols.

Ti­ve a opor­tu­ni­da­de de con­vi­ver com ele du­ran­te um bom tempo, quan­do fui se­to­ris­ta do Bahia pe­lo jor­nal. Sem­pre edu­ca­do, dis­pen­sa­va a entrevista co­le­ti­va na sa­la de im­pren­sa e não se in­co­mo­da­va de fi­car al­guns mi­nu­tos sen­ta­do no ban­qui­nho para um bom ba­te-pa­po. Gen­te boa, cur­tia um hip-hop, mas tam­bém era ad­mi­ra­dor do reg­gae, que to­ca mui­to no Ma­ra­nhão. Por fim, não me es­que­ço do re­ca­do que Ananias dei­xou a es­te jor­na­lis­ta que vos es­cre­ve, no dia 20/1/2012, da­ta do seu ani­ver­sá­rio e da despedida do Bahia de for­ma de­fi­ni­ti­va. “Sem­pre vou amar es­se clu­be”, afir­mou, en­quan­to po­sa­va para a úl­ti­ma fo­to que fez no Fa­zen­dão, ti­ra­da por mim. Vá em paz, Ananias!

mi­ro.pal­ma@re­de­bahia.com.br

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.