‘Ele era es­tou­ra­do. Era meio ama­lu­ca­do. Mas vi­nha para cam­po e da­va con­ta’

Correio da Bahia - - Especial -

Era um ata­que de ca­be­lu­dos. Ca­be­lu­dos e cra­ques. In­te­gra­vam o ti­me mais ce­le­bra­do da his­tó­ria do Es­por­te Clu­be Vi­tó­ria, cam­peão bai­a­no de 1972. An­dré Ca­tim­ba, Os­ni e Má­rio Sér­gio. Que trio! Três dos mai­o­res ído­los da his­tó­ria do Leão. On­tem, Ca­tim­ba la­men­ta­va o aci­den­te que vi­ti­mou o co­le­ga. Mas, co­mo sem­pre, não o pou­pou. Igual­men­te tem­pe­ra­men­tal e sem pa­pas na lín­gua, An­dré lem­bra do “ama­lu­ca­do” Má­rio Sér­gio, que ul­ti­ma­men­te era co­men­ta­ris­ta es­por­ti­vo do ca­nal Fox Sports. Co­mo uma das es­tre­las da­que­la con­quis­ta, An­dré pa­re­ce não dar o bra­ço a tor­cer a pon­to de con­si­de­rar o ex-com­pa­nhei­ro um cra­que. E con­ta co­mo jun­tos, na­que­le ano, re­ver­te­ram a van­ta­gem do ri­val em dois Ba-Vis his­tó­ri­cos. O Bahia ti­nha a van­ta­gem de dois em­pa­tes. Ven­ce­mos a pri­mei­ra lo­go com dois gols de Má­rio Sér­gio. Na­que­le ano, as fi­nais acon­te­ce­ram de­pois do Bra­si­lei­ro, que atro­pe­lou o Bai­a­no. O Bra­si­lei­ro nos aju­dou a dar rit­mo à equi­pe.

Tí­nha­mos um gru­po mui­to bom, mui­to bem for­ma­do, deu mui­to tra­ba­lho aos gran­des no bra­si­lei­ro. Pau­li­nho de Al­mei­da tam­bém era um gran­de trei­na­dor. Aí na ho­ra de de­ci­dir a gen­te ta­va nos cas­cos.

Só fo­ra de cam­po. A mim ele nun­ca deu tra­ba­lho. Até por­que fo­ra de cam­po eu não me me­tia na vi­da de­le. Sem­pre te­ve a vi­da de­le. Den­tro de cam­po sem­pre deu con­ta do re­ca­do. Era um ca­ra fe­cha­do com o gru­po. Is­so é ver­da­de. Fo­ra de cam­po sem­pre te­ve uma vi­da con­tur­ba­da, mas den­tro de cam­po nin­guém po­dia fa­lar na­da de­le. Ele era es­tou­ra­do. Era meio ama­lu­ca­do. Não ti­nha a ca­be­ça mui­to cer­ta, não. Ti­nha mo­men­tos que se al­te­ra­va e se com­pli­ca­va. Mas vi­nha para den­tro de cam­po e da­va con­ta. No clu­be ele só ti­nha pro­ble­ma do­na Ti­di­nha, a co­zi­nhei­ra. Ela se via doi­da com as brin­ca­dei­ras de Má­rio. O fu­te­bol de­le era um fu­te­bol de ní­vel téc­ni­co mui­to bom. Mui­to de­di­ca­do. Ele jo­ga­va, da­va tra­ba­lho, um jo­ga­dor mui­to cri­a­ti­vo e mui­to com­pe­ten­te. Um po­der téc­ni­co mui­to bom.

Não ti­nha mais aque­le con­ta­to for­te. A gen­te se fa­la­va pou­co. Não ti­nha mais aque­la apro­xi­ma­ção. Mas lem­bro da­que­le tempo com mui­to ca­ri­nho. Uma gran­de per­da.

O ex-jo­ga­dor atu­a­va co­mo co­men­ta­ris­ta no ca­nal Fox Sports des­de 2012

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.