DE­POI­MEN­TO - PAU­LO LEANDRO

Correio da Bahia - - Especial - Pau­lo Leandro é prof.dr. e jor­na­lis­ta

O mun­do tem uma ina­cre­di­tá­vel, ir­re­me­diá­vel, in­ven­cí­vel ca­pa­ci­da­de de nos en­tris­te­cer. Es­ta é to­da a im­por­tân­cia de nos agar­rar­mos às pe­que­nas ale­gri­as, co­mo náu­fra­gos, e ten­tar­mos ver, mes­mo na pé­ta­la ar­ran­ca­da de uma flor, um na­co de vi­da e po­tên­cia.

A vi­tó­ria so­bre o Co­ri­ti­ba ale­grou. Me­re­ceu sor­ve­te de mo­ran­go e cho­co­la­te, só pra sen­tir sa­bor de ver­me­lho-e-pre­to. Na ma­nhã se­guin­te, o mun­do, uma vez mais, mos­trou o quan­to é ta­len­to­so na con­di­ção de car­ras­co. Mor­re Má­rio Sér­gio Pontes de Pai­va.

Sem a ar­te, es­ta­mos ao léu. A re­a­li­da­de, a ob­je­ti­vi­da­de, a von­ta­de de ver­da­de po­dem nos der­ro­tar, de­fi­ni­ti­va­men­te, a qual­quer mo­men­to. Seu fu­te­bol re­sis­tia à ine­xis­tên­cia que o pas­sa­do im­põe. Bas­ta ver no YouTu­be, Grê­mio 2x1 Ham­bur­go, pe­la fi­nal mun­di­al de 1983.

No co­me­ci­nho, pe­lo Vi­tó­ria, res­ta a nos­tal­gia – lem­bran­ças que nos ale­gram. Meião ar­ri­a­do, ca­mi­sa fei­to ves­ti­do, bar­bão, di­ri­gia nu seu fus­qui­nha e as­sus­ta­va a co­zi­nhei­ra, do­na Ti­di­nha. O di­a­bo era o pai do rock e des­te pon­ta-es­quer­da imar­cá­vel.

Não im­por­ta se foi tri­cam­peão bra­si­lei­ro in­vic­to – o úni­co -, nem cam­peão mun­di­al; seus shows em ti­mes su­lis­tas e su­des­ti­nos, para nós, bair­ris­tas bai­a­nos, não amar­ram a chu­tei­ra do que ele apron­tou na pon­ta es­quer­da do Vi­tó­ria: in­ve­ja eter­na dos ini­mi­gos.

Fran­ça rou­ba­va a bo­la na ra­ça e pas­sa­va para o Ves­go – ele olha­va prum la­do e to­ca­va pro ou­tro, de­sar­ru­man­do a de­fe­sa ad­ver­sá­ria. Ao vis­gar a bo­la no pé, po­dia-se ou­vir o cre­pi­tar dos os­sos dos mar­ca­do­res tre­men­do de me­do da hu­mi­lha­ção dos dri­bles.

Que ele ia avan­çar, sem dú­vi­da. O de­sa­fio de la­te­rais, vo­lan­tes, za­guei­ros, etc. etc. era ten­tar não ter o es­que­le­to des­man­te­la­do, pas­sar me­nos ver­go­nha, mes­mo dri­bla­do, uma, du­as, três, quan­tas ve­zes ele cur­tis­se aque­la fes­ti­nha de ma­lu­co ex-ju­ve­nil do Flamengo.

A ele, Os­ni e An­dré de­di­quei meu li­vro so­bre as tor­ci­das bai­a­nas. De tan­to ale­grar o Vi­tó­ria, e al­can­çar a es­ca­la pla­ne­tá­ria com o tí­tu­lo pe­lo Grê­mio, o Ves­go ter­mi­nou no Bahia – en­cer­rou a car­rei­ra tris­te, no in­ter­va­lo de jo­go con­tra o Goiás, ca­mi­sa no chão.

Sem a aisthé­sis gre­ga, al­go co­mo ‘ca­pa­ci­da­de de sen­tir’, a vi­da per­de o do­ce, a fan­ta­sia, a beleza: a tristeza to­ma con­ta – é a mor­te em vi­da. Má­rio Sér­gio, cra­que tam­bém co­mo co­men­ta­ris­ta, ago­ra é ti­tu­lar no ti­me de Olim­po: al­guém du­vi­da, em sã cons­ci­ên­cia?

Ima­gi­ne o ata­que com Po­sei­don, Zeus, Jú­pi­ter e o Ves­go se­gu­ran­do a on­da da har­mo­nia do cos­mo. O so­nho: to­do fu­te­bo­lis­ta não pas­sa de uma cri­an­ça. A sen­sa­ção de per­der­mos nos­so má­gi­co per­mi­te uma cer­te­za: a ca­mi­sa nú­me­ro 11, ago­ra, é en­can­ta­da.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.