Fal­ta agenda

Correio da Bahia - - Economia -

No dia em que o Bra­sil fi­ca­rá de fren­te com mais um nú­me­ro ruim, da co­le­ção que tem des­fi­la­do di­an­te dos nos­sos olhos nos úl­ti­mos me­ses — a sé­ti­ma que­da do PIB —, é pre­ci­so lem­brar que fal­ta um pro­je­to para sair da cri­se. O go­ver­no Te­mer tem pro­pos­tas que são di­fí­ceis de se­rem apro­va­das e são de­mo­ra­das na tra­mi­ta­ção. Mas a po­lí­ti­ca econô­mi­ca não po­de se re­su­mir a is­so.

Um eco­no­mis­ta que tem cha­ma­do a aten­ção para a fal­ta de idei­as e ação do go­ver­no é o ex-pre­si­den­te do Ban­co Cen­tral Gus­ta­vo Fran­co. Ele lem­bra que nem só de pro­pos­tas de emen­da cons­ti­tu­ci­o­nal po­de vi­ver a re­or­ga­ni­za­ção da eco­no­mia. Há mui­tas me­di­das que não pre­ci­sam pas­sar pe­lo Con­gres­so e que po­dem ser ado­ta­das pe­la equi­pe econô­mi­ca para ten­tar re­a­ti­var a eco­no­mia.

É cla­ro que ele não es­tá fa­lan­do em al­go que fa­ça par­te do re­cei­tuá­rio que le­vou ao co­lap­so da eco­no­mia, co­mo as isen­ções fis­cais para em­pre­sá­ri­os, os pro­je­tos de in­ter­ven­ção nas re­gras econô­mi­cas. Quer ape­nas que o go­ver­no te­nha uma agenda. O ex-pre­si­den­te do Ban­co Cen­tral Ar­mí­nio Fra­ga em entrevista ao “Va­lor” tam­bém aler­tou que a di­nâ­mi­ca da dí­vi­da es­tá “avas­sa­la­do­ra” e que por is­so é pre­ci­so re­pen­sar o mix de po­lí­ti­cas, com mais ajus­te fis­cal, mes­mo que se­ja pe­lo la­do da re­cei­ta, para que ha­ja me­nos pe­so so­bre a po­lí­ti­ca mo­ne­tá­ria.

Os ju­ros no­mi­nais ca­em mui­to len­ta­men­te, en­quan­to a ta­xa de ju­ros re­al su­biu nos úl­ti­mos me­ses, co­mo lem­brou re­cen­te­men­te o eco­no­mis­ta Jo­sé Ro­ber­to Men­don­ça de Bar­ros. Ele aler­ta que a len­ti­dão com que as me­di­das são to­ma­das no go­ver­no é mui­to gran­de. Ain­da que con­si­de­re que elas es­te­jam na di­re­ção cer­ta. O eco­no­mis­ta Ar­man­do Cas­te­lar, do Ibre/FGV, acha que o go­ver­no es­tá ten­tan­do fa­zer uma agenda mi­cro, co­mo a pro­pos­ta das con­ces­sões em in­fra­es­tru­tu­ra, os pro­je­tos do PPI e “uma no­va pos­tu­ra do BNDES”. De fa­to, no BNDES e na Pe­tro­bras há cla­ra­men­te no­va di­re­ção. O ban­co mu­dou re­cen­te­men­te a ori­en­ta­ção dos fi­nan­ci­a­men­tos na área de ener­gia, atu­a­li­zan­do seu pa­pel de ban­co de de­sen­vol­vi­men­to. A ins­ti­tui­ção não fi­nan­ci­a­rá pro­je­tos de al­ta emis­são de car­bo­no, co­mo usi­nas a car­vão e a óleo com­bus­tí­vel, ao mes­mo tempo em que am­pli­a­rá o fi­nan­ci­a­men­to de ener­gia so­lar. Is­so sim é um mo­vi­men­to de po­lí­ti­ca in­dus­tri­al mo­der­ni­za­dor. O pro­ble­ma é que o go­ver­no é con­tra­di­tó­rio em ou­tras par­tes. A de­ci­são de de­fen­der o sub­sí­dio à in­dús­tria au­to­mo­bi­lís­ti­ca, que ge­ra cus­tos ao go­ver­no pe­la re­nún­cia fis­cal, mes­mo após sua con­de­na­ção na OMC, é um to­tal des­pro­pó­si­to. É a acei­ta­ção do lobby em­pre­sa­ri­al mais ve­lho, e a ma­nu­ten­ção de uma po­lí­ti­ca equi­vo­ca­da do go­ver­no pas­sa­do.

Cas­te­lar aler­ta que não é fá­cil ter uma agenda de au­men­to da com­pe­ti­ti­vi­da­de quan­do se tem um cus­to de ca­pi­tal tão al­to quan­to no Bra­sil. Por is­so ele acha im­por­tan­te que as me­di­das de ajus­te fis­cal se­jam apro­va­das para que o ris­co pos­sa cair e, por­tan­to, o cus­to. O pro­ble­ma é que apro­var uma PEC nas du­as vo­ta­ções na Câ­ma­ra mais du­as no Se­na­do le­va me­ses, e os efei­tos da pro­pos­ta do te­to de gas­tos, por exem­plo, não são ime­di­a­tos. Co­mo não se­rão os da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia. O país pre­ci­sa to­car as gran­des re­for­mas, ao mes­mo tempo em que faz al­te­ra­ções re­gu­la­tó­ri­as ou bu­ro­crá­ti­cas que me­lho­rem o am­bi­en­te de ne­gó­ci­os. Não tem que ha­ver uma es­co­lha. A ne­go­ci­a­ção do pacto fis­cal com os es­ta­dos exi­ge do go­ver­no cen­tral mais li­de­ran­ça e de­fi­ni­ção do que não se po­de tran­si­gir. Os em­pre­sá­ri­os es­tão bom­bar­de­an­do a pro­pos­ta de cri­a­ção do Fun­do de Es­ta­bi­li­za­ção Fis­cal a ser mon­ta­do com 10% dos in­cen­ti­vos fis­cais con­ce­di­dos. A pro­pos­ta é mais do que razoável. Ima­gi­ne que uma em­pre­sa te­nha 80% de des­con­to nos im­pos­tos es­ta­du­ais, mes­mo com o FEF fi­ca­rá com 72% de aba­ti­men­to. Ain­da as­sim, as em­pre­sas be­ne­fi­ci­a­das es­tão pres­si­o­nan­do os go­ver­na­do­res com ar­gu­men­to de que é qu­e­bra de con­tra­to.

O Bra­sil vi­ve uma emer­gên­cia. Não faz sen­ti­do li­mi­tar gas­tos com edu­ca­ção e saú­de, con­ge­lar sa­lá­rio de fun­ci­o­ná­ri­os, au­men­tar a con­tri­bui­ção pre­vi­den­ciá­ria e dei­xar al­gu­mas em­pre­sas com be­ne­fí­ci­os in­to­ca­dos. Es­sa agenda, de re­du­ção de abu­si­vos sub­sí­di­os ao ca­pi­tal, é não ape­nas ne­ces­sá­ria para o mo­men­to de cri­se, mas fun­da­men­tal para o fu­tu­ro do país.

mi­ri­am­lei­tao@oglo­bo.com.br

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.