13º sa­lá­rio: pa­gar dí­vi­das, usar no fim de ano ou pou­par?

Correio da Bahia - - Front Page -

A pri­mei­ra par­ce­la do 13º sa­lá­rio co­me­çou a ser pa­ga on­tem (dia 30). Sua che­ga­da coin­ci­de com o au­men­to de gas­tos tí­pi­cos de fi­nal de ano, co­mo tro­ca de pre­sen­tes, ceia de Na­tal e vi­a­gens. Mas é pre­ci­so con­si­de­rar as des­pe­sas pre­vis­tas pa­ra o iní­cio do pró­xi­mo ano, além de olhar pa­ra a vida fi­nan­cei­ra e usar es­sa ren­da ex­tra de for­ma cons­ci­en­te, res­pei­tan­do o pa­drão de vida da fa­mí­lia.

É im­por­tan­te en­ten­der que o 13º sa­lá­rio foi cri­a­do pa­ra ser uma gra­ti­fi­ca­ção de fim de ano, al­go a ser re­ce­bi­do pe­la po­pu­la­ção co­mo um pre­sen­te. Hoje, mui­tos con­tam com ele pa­ra pa­gar as dí­vi­das que já têm ou pa­ra co­me­çar no­vas, uma evi­dên­cia de que gas­tam mais do que a sua ren­da per­mi­te.

Di­nhei­ro ex­tra não de­ve­ria ser uti­li­za­do pa­ra qui­tar dí­vi­das, afi­nal de con­tas, o cor­re­to é pla­ne­jar e ter dí­vi­das que cai­bam no or­ça­men­to men­sal. O 13º, en­tão, de­ve­ria ser pou­pa­do, in­ves­ti­do (pa­ra ren­der) e des­ti­na­do pa­ra a re­a­li­za­ção de so­nhos/ob­je­ti­vos de cur­to (até um ano), mé­dio (de um a dez anos) e lon­go pra­zos (aci­ma de dez anos).

O que mui­ta gen­te tem em men­te tam­bém é de uti­li­zar par­te de­le pa­ra fa­zer as com­pras de Na­tal, o que não é er­ra­do, des­de que is­so já te­nha si­do pro­gra­ma­do com an­te­ce­dên­cia. Uma ma­nei­ra de fa­zer is­so é es­co­lher uma épo­ca do ano (ge­ral­men­te no iní­cio), pa­ra já pla­ne­jar to­dos os gas­tos pre­vi­sí­veis, e um de­les é com da­tas co­me­mo­ra­ti­vas, co­mo o Na­tal. Se pu­der in­se­rir as des­pe­sas com os pre­sen­tes já no or­ça­men­to fi­nan­cei­ro e pou­par o 13º in­tei­ra­men­te pa­ra os so­nhos, me­lhor ain­da.

Pa­ra aque­les que es­tão en­di­vi­da­dos e ve­em es­se di­nhei­ro ex­tra co­mo a so­lu­ção dos pro­ble­mas, sai­ba que ele não é e es­se pen­sa­men­to só faz com que es­sa si­tu­a­ção con­ti­nue acon­te­cen­do ano após ano. É cla­ro que li­vrar-se das dí­vi­das po­de – e de­ve ser um so­nho –, mas não o úni­co. An­tes de sair pa­gan­do as dí­vi­das, ana­li­se to­das elas, sai­ba o to­tal, os ju­ros, os pra­zos, en­fim, reú­na to­das as in­for­ma­ções pos­sí­veis. A par­tir daí, ten­te re­ne­go­ci­ar es­ses va­lo­res com o cre­dor, só en­tão ve­ja a pos­si­bi­li­da­de de usar o 13º pa­ra pa­gar par­te ou tu­do o que de­ve.

Ago­ra, ain­da têm aque­les que es­tão em uma “zo­na de con­for­to”, ou se­ja, não de­vem, mas tam­bém não pou­pam. A es­ses, fa­ço um aler­ta pa­ra que ajam com cons­ci­ên­cia, pois um pas­so em fal­so po­de le­vá-los ao en­di­vi­da­men­to e até à ina­dim­plên­cia, uma vez que não pos­su­em re­ser­va fi­nan­cei­ra pa­ra se apoi­ar. É cla­ro que po­de uti­li­zar o 13º sa­lá­rio co­mo bem en­ten­der e jul­gar co­e­ren­te, no en­tan­to, já que não pos­sui dí­vi­das, é im­por­tan­te que se guar­de boa par­te de­le, pa­ra co­me­çar a for­mar es­sa re­ser­va e tam­bém pa­ra re­a­li­zar mais so­nhos, de ago­ra em di­an­te.

Pa­ra os in­ves­ti­do­res, mes­mo que ini­ci­an­tes, a me­lhor op­ção pa­ra uti­li­zar o 13º é con­ti­nu­ar in­ves­tin­do, ten­do sem­pre um ob­je­ti­vo, se­ja ele qual for. A con­clu­são que po­de­mos ti­rar é que di­nhei­ro ex­tra na eco­no­mia, sem dú­vi­da ne­nhu­ma, é mui­to po­si­ti­vo, des­de que uti­li­za­do com edu­ca­ção fi­nan­cei­ra.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.