Pro­gra­ma é lan­ça­do com me­ta de pre­en­cher 4,5 mil vagas até 2017

Correio da Bahia - - Economia -

PRI­MEI­RO EM­PRE­GO Con­se­guir o pri­mei­ro em­pre­go é o ob­je­ti­vo de mui­tos que ter­mi­nam os es­tu­dos. Pa­ra aque­les que saí­ram da Rede Es­ta­du­al de Edu­ca­ção Pro­fis­si­o­nal após 2015, es­se pro­je­to po­de se tor­nar re­a­li­da­de atra­vés do Pro­gra­ma Pri­mei­ro Em­pre­go que vai ofer­tar 9 mil opor­tu­ni­da­des pa­ra es­ses jo­vens. “O pro­gra­ma é um es­tí­mu­lo pa­ra me­lho­rar a qua­li­da­de das nos­sas escolas e pa­ra a ju­ven­tu­de que bus­ca uma opor­tu­ni­da­de, pa­ra que ela pos­sa se des­ta­car pe­lo seu ta­len­to, pe­la sua de­di­ca­ção. Se­rá pe­lo es­for­ço pes­so­al de ca­da jo­vem que eles vão en­trar e per­ma­ne­cer no mer­ca­do de tra­ba­lho, a par­tir des­se pri­mei­ro con­ta­to”, afir­mou o go­ver­na­dor Rui Cos­ta ao lan­çar ofi­ci­al­men­te o pro­gra­ma, on­tem. A me­ta é pre­en­cher, ape­nas no se­tor pú­bli­co, 4,5 mil vagas até no­vem­bro de 2017, e ou­tras 4,5 mil até no­vem­bro de 2018. Até o mo­men­to, se­gun­do o go­ver­no, mais de 80 em­pre­sas pri­va­das tam­bém já ma­ni­fes­ta­ram in­te­res­se em par­ti­ci­par. Con­se­guir uma va­ga vai de­pen­der do com­pro­me­ti­men­to de ca­da um com os seus es­tu­dos, is­so por­que os con­tem­pla­dos são aque­les que ob­ti­ve­rem me­lhor de­sem­pe­nho em sa­la de au­la. Um ran­king de ren­di­men­to foi ela­bo­ra­do pe­la Se­cre­ta­ria de Edu­ca­ção (SEC) e reú­ne uma mé­dia de to­das as no­tas ob­ti­das pe­lo alu­no du­ran­te o cur­so. A clas­si­fi­ca­ção, no en­tan­to, é re­gi­o­na­li­za­da, ou se­ja, ca­da

Co­mo: O in­gres­so no pro­gra­ma é fei­to de for­ma au­to­má­ti­ca. A con­vo­ca­ção é fei­ta por meio de pro­ce­di­men­to pa­drão do Si­ne­bahia, que in­clui te­le­fo­ne­mas e pu­bli­ca­ções no Diá­rio Ofi­ci­al

Áre­as: No pri­mei­ro mo­men­to, as vagas se­rão des­ti­na­das às áre­as da Saú­de, Edu­ca­ção e Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca

Du­ra­ção: O con­tra­to du­ra dois anos re­gião do es­ta­do tem seu pró­prio ran­king. O in­gres­so no pro­gra­ma é fei­to de for­ma au­to­má­ti­ca, des­de que o jo­vem te­nha se for­ma­do de 2015 em di­an­te e a con­vo­ca­ção es­tá sen­do fei­ta atra­vés do pro­ce­di­men­to pa­drão do Si­ne­bahia, que in­clui te­le­fo­ne­mas e pu­bli­ca­ções no Diá­rio Ofi­ci­al do Es­ta­do da Bahia. Ao con­quis­tar a va­ga, os egres­sos da Rede Es­ta­du­al de En­si­no Pro­fis­si­o­nal te­rão car­tei­ra de tra­ba­lho as­si­na­da e to­dos os di­rei­tos tra­ba­lhis­tas ga­ran­ti­dos. O con­tra­to com o Es­ta­do tem du­ra­ção de dois anos, já as em­pre­sas par­ti­cu­la­res têm a prer­ro­ga­ti­va de de­fi­nir a du­ra­ção do vín­cu­lo. A re­mu­ne­ra­ção nas ins­ti­tui­ções pri­va­das é a par­tir de um sa­lá­rio mí­ni­mo, já nos ór­gãos es­ta­du­ais, o be­ne­fi­ci­a­do te­rá sa­lá­rio mí­ni­mo, pla­no de saú­de (Plan­serv) e va­le trans­por­te. Se­gun­do o go­ver­na­dor Rui Cos­ta, os be­ne­fí­ci­os se­rão pa­gos com re­cur­sos do Fun­do de Com­ba­te à Po­bre­za. O go­ver­na­dor da Bahia es­ti­ma que o in­ves­ti­men­to to­tal pa­ra pre­en­cher as 9 mil vagas al­can­ce um to­tal de R$ 150 mi­lhões ao ano.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.