La­va Ja­to: for­ça-ta­re­fa cri­ti­ca mu­dan­ças

Correio da Bahia - - Mais -

A apro­va­ção na ma­dru­ga­da de on­tem de um pa­co­te an­ti­cor­rup­ção com a in­clu­são de emen­das que pre­ve­em pu­ni­ções a ma­gis­tra­dos, pro­cu­ra­do­res e pro­mo­to­res por abu­so de au­to­ri­da­de pro­vo­cou for­te re­a­ção no Ju­di­ciá­rio e en­tre re­pre­sen­tan­tes do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co. Em Cu­ri­ti­ba, re­pre­sen­tan­tes da for­ça-ta­re­fa ame­a­ça­ram aban­do­nar a Ope­ra­ção La­va Ja­to ca­so o tex­to apro­va­do se­ja ra­ti­fi­ca­do pe­lo Se­na­do e san­ci­o­na­do pe­lo pre­si­den­te Mi­chel Te­mer.

O pro­cu­ra­dor-ge­ral da Re­pú­bli­ca, Ro­dri­go Ja­not, fa­lou em “re­ta­li­a­ção” por par­te dos de­pu­ta­dos e dis­se que “as 10 me­di­das contra a cor­rup­ção não exis­tem mais” e o re­sul­ta­do da vo­ta­ção “co­lo­cou o país em mar­cha a ré”. “O Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Bra­si­lei­ro não apoia o tex­to que res­tou, uma pá­li­da som­bra das pro­pos­tas que nos apro­xi­ma­ri­am de bo­as prá­ti­cas mun­di­ais”.

Em co­le­ti­va de im­pren­sa na se­de da Pro­cu­ra­do­ria da Re­pú­bli­ca na ca­pi­tal paranaense, os pro­cu­ra­do­res que in­te­gram a ope­ra­ção afir­ma­ram que os de­pu­ta­dos “ras­ga­ram” a pro­pos­ta e apro­va­ram o que clas­si­fi­ca­ram co­mo “lei da in­ti­mi­da­ção”.

“Não se­rá pos­sí­vel con­ti­nu­ar tra­ba­lhan­do na La­va Ja­to se a lei da in­ti­mi­da­ção for apro­va­da”, afir­mou o co­or­de­na­ção da for­ça-ta­re­fa, pro­cu­ra­dor Del­tan Dal­lag­nol. “A Câ­ma­ra si­na­li­zou o co­me­ço do fim da La­va Ja­to”, dis­se.

Se­gun­do ele, o tex­to apro­va­do po­de ser con­si­de­ra­do in­cons­ti­tu­ci­o­nal em “vá­ri­os pon­tos”. “In­clu­si­ve até o go­ver­no an­te­ri­or, o go­ver­no Dil­ma, avan­çou pro­pos­tas contra a cor­rup­ção mui­to me­lho­res do que aque­las que fo­ram, en­tre as­pas, ‘apro­va­das’ e cons­ti­tu­em na ver­da­de pro­pos­tas com­ple­ta­men­te des­con­fi­gu­ra­das, de­for­ma­das, ras­ga­das e lan­ça­das no li­xo”, ava­li­ou.

O pro­cu­ra­dor Car­los dos San­tos Li­ma tam­bém afir­mou que ha­ve­rá re­nún­cia co­le­ti­va da equi­pe se o tex­to for apro­va­do, fa­zen­do com que os pro­cu­ra­do­res vol­tem às su­as ati­vi­da­de ha­bi­tu­ais. “Apro­vei­ta­ram um pro­je­to de com­ba­te à cor­rup­ção pa­ra se pro­te­ger, por­que nós es­ta­mos in­ves­ti­gan­do e des­co­brin­do os fa­tos. Nós iría­mos che­gar mui­to mais lon­ge do que che­ga­mos hoje”, dis­se Li­ma, que ata­cou o “ins­tin­to de pre­ser­va­ção” dos de­pu­ta­dos

Hou­ve re­a­ção tam­bém das en­ti­da­des dos ma­gis­tra­dos e MP. Pa­ra o pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção dos Juí­zes Fe­de­rais do Bra­sil (Aju­fe), Ro­ber­to Ve­lo­so, a pro­pos­ta é um “aten­ta­do à de­mo­cra­cia”. O pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção Na­ci­o­nal dos Pro­cu­ra­do­res da Re­pú­bli­ca, Jo­sé Ro­ba­li­nho Ca­val­can­ti, dis­se que “foi apro­va­do um tex­to im­pro­vi­sa­do de pro­pos­ta que bus­ca in­ti­mi­dar e dei­xar a atu­a­ção li­vre e in­de­pen­den­te das ma­gis­tra­tu­ras na­ci­o­nais su­jei­ta à vin­gan­ça”.

O pro­cu­ra­dor Del­tan Dal­lag­nol (de gra­va­ta azul) cri­ti­cou as mo­di­fi­ca­ções que fo­ram fei­tas no pro­je­to de lei

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.