Ex-jo­ga­do­res da Cha­pe não con­têm emo­ção em en­tre­vis­tas

Correio da Bahia - - Especial -

li­ci­ais e bom­bei­ros. Eles pla­ne­jam a lo­gís­ti­ca do trans­la­do en­tre ae­ro­por­to e Are­na Con­dá. Den­tro do es­tá­dio, no cam­po, tam­bém já é pos­sí­vel acom­pa­nhar a mon­ta­gem da es­tru­tu­ra que irá aco­mo­dar fa­mi­li­a­res, tor­ci­da e os cor­pos de jo­ga­do­res e jor­na­lis­tas.

Ain­da não há o nú­me­ro exa­to de ví­ti­mas que se­rão ve­la­das na ce­rimô­nia. Mas, se­gun­do a as­ses­so­ria do clu­be, to­dos os cor­pos dos fun­ci­o­ná­ri­os do clu­be se­rão le­va­dos à ci­da­de, on­de ha­ve­rá uma gran­de ho­me­na­gem, e de­pois se­rão con­du­zi­dos pa­ra su­as ci­da­des, se as­sim for o de­se­jo dos fa­mi­li­a­res. São es­pe­ra­das cer­ca de 100 mil pes­so­as pa­ra o ve­ló­rio.

IDEN­TI­FI­CA­ÇÃO DOS COR­POS A ex­pec­ta­ti­va é que a iden­ti­fi­ca­ção de to­dos os cor­pos que es­tão em Me­del­lín se­ja fi­na­li­za­da ain­da hoje. Até o iní­cio da noi­te de on­tem, por vol­ta das 19h, 42 já ha­vi­am si­do iden­ti­fi­ca­dos.

“To­dos os cor­pos e os pas­sa­por­tes fo­ram re­cu­pe­ra­dos. O IML es­tá fun­ci­o­nan­do 24 ho­ras por dia. A em­bai­xa­da do Bra­sil des­lo­cou-se de Bo­go­tá pa­ra Me­del­lín pa­ra agi­li­zar a confecção das cer­ti­dões de óbi­tos e os do­cu­men­tos pa­ra o tras­la­do dos cor­pos”, re­la­tou o se­cre­tá­rio de As­sun­tos In­ter­na­ci­o­nais do go­ver­no de San­ta Ca­ta­ri­na, Car­los Vir­mond Vieira, que es­tá na Colôm­bia. “Ele es­ta­va com um pres­sen­ti­men­to ruim. Dis­se que es­ta­va se sen­tin­do pe­sa­do. Fa­lou até que acha­va que al­gu­ma coi­sa ruim po­de­ria acon­te­cer com ele. Cho­rou por­que pen­sa­va no fu­tu­ro dos fi­lhos”, re­ve­lou Lau­ra Bi­ten­court, 43 anos, mu­lher do che­fe da se­gu­ran­ça do Cha­pe­co­en­se, Adri­a­no Bit­ten­cout - uma das ví­ti­mas da tragédia aé­rea que ma­tou 71 pes­so­as na ma­dru­ga­da de ter­ça, na Colôm­bia.

Lau­ra e os cin­co fi­lhos (La­ris­sa, 19; Ti­a­go, 17; Fer­nan­do, 14; Gi­o­va­na, 9; e Ma­teus, 7 es­ti­ve­ram na Are­na Con­dá pa­ra re­ce­ber ho­me­na­gens e con­for­to de fun­ci­o­ná­ri­os da Cha­pe­co­en­se. “Mi­nha fi­lha se in­co­mo­dou com es­sa con­ver­sa, fa­lou que o pai es­ta­va fa­lan­do bes­tei­ra. En­fim, era o que ele es­ta­va sen­tin­do di­as an­tes do aci­den­te”, afir­ma Lau­ra. Adri­a­no tra­ba­lha­va na Cha­pe há qua­se 3 anos.

O dia na Are­na Con­dá foi mo­vi­men­ta­do. An­tes mes­mo da ho­me­na­gem acon­te­cer du­ran­te a noi­te de on­tem, os por­tões es­ta­vam aber­tos pa­ra os tor­ce­do­res ho­me­na­ge­a­rem o ti­me. “Dei­xa a gra­ma cres­cer, Chi­qui­nho”, gri­tou um tor­ce­dor na ar­qui­ban­ca­da. De pron­to, o res­pon­sá­vel pe­la ma­nu­ten­ção do gra­ma­do, Francisco Lo­ren­zi, de 49 anos, fez ques­tão de res­pon­der: “Não, não, eu vou cui­dar di­rei­ti­nho por­que nes­se lu­gar ain­da irá jo­gar mui­ta gen­te boa. Não po­de­mos de­sis­tir ago­ra”, avi­sou.

As­sim co­mo ou­tros fun­ci­o­ná­ri­os, Chi­qui­nho con­ta que a Cha­pe­co­en­se “era co­mo uma fa­mí­lia” e que “os jo­ga­do­res vi­vi­am fa­zen­do brin­ca­dei­ras com os fun­ci­o­ná­ri­os”, lem­bra. “Es­ta­mos to­dos de lu­to. Foi co­mo se a gen­te ti­ves­se per­di­do os nos­sos fi­lhos”, com­ple­ta.

Ou­tro fun­ci­o­ná­rio, Nel­son Gros­mann, 63 anos, cho­ra ao lem­brar que no dia 29 de no­vem­bro era o seu ani­ver­sá­rio. “Quan­do o meu te­le­fo­ne to­cou às 5h da ma­nhã, achei que era o meu fi­lho me dan­do os pa­ra­béns. Na ver­da­de, era ele di­zen­do que o avião da Cha­pe ti­nha caí­do”, lem­bra.

Na ma­nu­ten­ção do es­tá­dio, tra­ba­lha Mar­cos Adri­a­no Me­di­na, 19 anos, que lem­bra com ca­ri­nho dos atle­tas. “Eles jo­ga­vam água ge­la­da pa­ra me acor­dar, me pu­xa­vam as ore­lhas tam­bém. Mas era tu­do em um cli­ma de ca­ma­ra­da­gem”, con­ta. O dia foi di­fí­cil pa­ra Dai­a­ne Barcelos, 33 anos. Na fa­xi­na, ela se apoi­a­va na pró­pria vas­sou­ra pa­ra cho­rar. “Is­so é hor­rí­vel. A gen­te mor­reu jun­to”. A emo­ção to­mou con­ta da sa­la de im­pren­sa do CT do Co­rinthi­ans on­tem. O za­guei­ro Vil­son pou­co fa­lou so­bre a ro­da­da fi­nal do Cam­pe­o­na­to Bra­si­lei­ro e as am­bi­ções do ti­me. Ao in­vés dis­so, cho­rou a mor­te de seus ami­gos da Cha­pe­co­en­se, on­de atu­ou no ano pas­sa­do e se des­ta­cou, a pon­to de cha­mar a aten­ção do pró­prio clu­be pau­lis­ta.

“Nes­sas ho­ras a gen­te pa­ra pra pen­sar na vida. A pri­mei­ra coi­sa que fiz quan­do sou­be foi dar um abra­ço no meu fi­lho. No co­me­ço do ano me apre­sen­tei lá (na Cha­pe­co­en­se), eu po­de­ria es­tar jun­to nes­sa tragédia”, de­cla­rou.

Du­du, meia do Flu­mi­nen­se que tam­bém atu­ou pe­lo ti­me ca­ta­ri­nen­se, foi ou­tro que se emo­ci­o­nou. “Eu sou mui­to emo­ti­vo, ti­nha gran­des ami­gos lá. Na úl­ti­ma par­ti­da que fi­ze­mos contra eles, con­ver­sei com al­guns jo­ga­do­res com quem atu­ei. É uma dor enor­me, que vai de­mo­rar a pas­sar. Só Deus mes­mo pa­ra con­for­tar os fa­mi­li­a­res”.

Cen­tro de trei­na­men­to da Cha­pe­co­en­se re­ce­be ho­me­na­gens da tor­ci­da

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.