Ti­mes do Bra­sil afi­nam ho­me­na­gens e au­xí­li­os

Correio da Bahia - - Especial -

Exe­cu­ti­vos de mar­ke­ting dos clu­bes da Sé­rie A e do Bahia dis­cu­tem, des­de a ma­nhã de an­te­on­tem, ho­me­na­gens e for­mas de au­xí­lio pa­ra a Cha­pe­co­en­se, e al­guns en­ca­mi­nha­men­tos já fo­ram fei­tos. Um de­les é que to­dos os clu­bes uti­li­zem o es­cu­do da Cha­pe­co­en­se na úl­ti­ma ro­da­da do Cam­pe­o­na­to Bra­si­lei­ro, adi­a­da pa­ra o pró­xi­mo dia 11. A ideia ori­gi­nal, na ver­da­de, era ain­da mais am­bi­ci­o­sa: as 20 equi­pes – e o Bahia, na fi­nal da Co­pa do Bra­sil sub-20 – en­tra­ri­am em cam­po usan­do os uni­for­mes nú­me­ro 1 (ver­de) e 2 (bran­co) da Cha­pe. A pro­cu­ra re­pen­ti­na pe­las ca­mi­se­tas, após o aci­den­te, no en­tan­to, di­fi­cul­tou que is­so fos­se le­va­do adi­an­te.

À Agên­cia Es­ta­do, o di­re­tor de mar­ke­ting do Bahia, Jor­ge Avan­ci­ni, dis­se que a Um­bro, não ga­ran­tiu o for­ne­ci­men­to do ma­te­ri­al. “Va­mos dis­pu­tar a fi­nal do sub-20 e en­tra­ría­mos com ca­mi­sa da Cha­pe, A CBF pe­diu à di­re­to­ria da Cha­pe­co­en­se pa­ra não de­sis­tir do Cam­pe­o­na­to Bra­si­lei­ro e es­ca­lar um ti­me com os atle­tas que não vi­a­ja­ram pa­ra a Colôm­bia e ga­ro­tos das ca­te­go­ri­as de ba­se pa­ra en­fren­tar o Atlé­ti­co-MG, na úl­ti­ma ro­da­da do tor­neio, no pró­xi­mo dia 11. “Con­ver­sei com o (Mar­co Po­lo) Del Ne­ro, (pre­si­den­te da CBF) e ele pe­diu pa­ra que fa­ça­mos um gran­de even­to em Cha­pe­có. Eu fa­lei pa­ra ele que não ti­nha 11 jo­ga­do­res pa­ra co­lo­car em cam­po e ele me pe­diu pa­ra es­ca­lar os jo­ga­do­res que não vi­a­ja­ram e os ga­ro­tos do ti­me de ju­ni­o­res”, dis­se o pre­si­den­te do clu­be, Ivan Toz­zo, à Is­toÉ.

En­tre os atle­tas que po­de­ri­am atu­ar es­tá o go­lei­ro re­ser­va Ni­val­do, que es­tá no clu­be des­de 2007 e, aos 42 anos, pla­ne­ja­va se apo­sen­tar ao fa­zer sua 300ª par­ti­da pe­la Cha­pe. Po­rém, o aci­den­te o aba­lou emo­ci­o­nal­men­te e ele afir­mou que de­ve se apo­sen­tar an­tes mes­mo da par­ti­da fi­nal. “Era mas o for­ne­ce­dor dis­se que não tem ma­te­ri­al pa­ra aten­der to­do mun­do. É fim de ano, en­tão os es­to­ques se es­go­tam”, co­men­tou. O Pal­mei­ras in­for­mou já ter o aval dos pa­tro­ci­na­do­res pa­ra usar o uni­for­me do clu­be ca­ta­ri­nen­se no jo­go contra o Vi­tó­ria, dia 11, pe­la ro­da­da fi­nal do Bra­si­lei­rão.

Além de ho­me­na­gens, pe­lo me­nos qua­tro for­mas de ar­re­ca­da­ções fo­ram dis­cu­ti­das en­tre os exe­cu­ti­vos. A con­clu­são é que o gru­po só po­de­rá avan­çar na me­di­da em que a Cha­pe se re­or­ga­ni­ze pa­ra re­ce­ber do­a­ções. O gru­po de exe­cu­ti­vos tam­bém fa­la so­bre a re­a­li­za­ção de jo­gos co­me­mo­ra­ti­vos pa­ra le­van­tar ren­da. pa­ra eu ir e aca­bei fi­can­do. Tu­do tem um pro­pó­si­to na vida”, dis­se ao Glo­boEs­por­te.com.

À CBF, o clu­be lem­brou que o adi­a­men­to da ro­da­da po­de­ria pro­vo­car pro­ble­mas bu­ro­crá­ti­cos, já que mui­tos con­tra­tos se en­cer­ram em 5 de dezembro. Del Ne­ro, no en­tan­to, dis­se que aler­tou à Di­re­to­ria de Re­gis­tro e Trans­fe­rên­ci­as e es­tes acor­dos de­vem ser pro­lon­ga­dos.

Ain­da so­bre o adi­a­men­to, o vi­ce de fu­te­bol do In­ter­na­ci­o­nal, Fer­nan­do Car­va­lho, cri­ti­cou a de­ci­são da CBF, e men­ci­o­nou uma “tragédia par­ti­cu­lar” pa­ra o clu­be gaú­cho, que luta contra o Vi­tó­ria e o Sport pa­ra não ser re­bai­xa­do. On­tem, ele dis­se ter usa­do a pa­la­vra “tragédia” de for­ma equi­vo­ca­da e pe­diu des­cul­pas. A tragédia com a de­le­ga­ção da Cha­pe­co­en­se fez com que o nú­me­ro de sócios-tor­ce­do­res do clu­be mais do que du­pli­cas­se em pou­co mais de 24 ho­ras após o de­sas­tre aé­reo na Colôm­bia, na ma­dru­ga­da de an­te­on­tem. Até se­ma­na pas­sa­da, o ti­me da Are­na Con­dá ti­nha pou­co mais de 5 mil sócios-tor­ce­do­res, de acor­do com o si­te Fu­te­bol Me­lhor, que faz o ran­king dos ti­mes mais con­cei­tu­a­dos na lis­ta de sócios. Nas úl­ti­mas ho­ras, fo­ram mais de 13 mil no­vos pe­di­dos de tor­ce­do­res que­ren­do ade­rir ao pro­gra­ma.

“Es­ta­mos ten­do pro­ble­mas de na­ve­ga­ção no si­te, ta­ma­nha de­man­da e es­tá acon­te­cen­do tu­do tão rá­pi­do, que ain­da não pa­ra­mos pa­ra ver me­lhor o que es­tá acon­te­cen­do”, con­tou An­drei Co­pet­ti, que era di­re­tor de mar­ke­ting até o co­me­ço do ano no clu­be, mas saiu após di­ver­gên­ci­as com pa­tro­ci­na­do­res. Após a tragédia, foi con­vi­da­do por Ivan Toz­zo, ago­ra o no­vo pre­si­den­te, a re­tor­nar ao car­go. An­drei, que era mui­to ami­go do pre­si­den­te do clu­be, San­dro Pal­la­o­ro, mor­to no aci­den­te, acre­di­ta que o nú­me­ro de sócios é uma de­mons­tra­ção do ca­ri­nho das pes­so­as pe­lo ti­me.

“Ti­ve­mos um cres­ci­men­to ab­sur­do nas re­des so­ci­ais, e tu­do is­so mos­tra o quan­to o fa­to cho­cou o mun­do, mas tam­bém co­mo so­mos que­ri­dos”, dis­se, vi­si­vel­men­te emo­ci­o­na­do. Na Are­na Con­dá, a lo­ja ofi­ci­al do clu­be foi fe­cha­da, por lu­to, e só re­a­bri­rá no dia 5. Mas os res­pon­sá­veis pe­lo mar­ke­ting do clu­be afir­mam que hou­ve um au­men­to ele­va­do no nú­me­ro de pro­du­tos ven­di­dos pe­la in­ter­net, prin­ci­pal­men­te ca­mi­se­tas. “Ain­da não dá pa­ra men­su­rar, pois não con­se­gui­mos com­pi­lar os da­dos, mas sa­be­mos que o nú­me­ro é bem aci­ma do que es­ta­mos acos­tu­ma­dos a ven­der”, dis­se Co­pet­ti.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.