A ho­ra do avan­ço sem re­cu­os

Correio da Bahia - - Front Page -

Os nú­me­ros re­cen­te­men­te di­vul­ga­dos sobre a eco­no­mia bra­si­lei­ra con­fir­mam de ma­nei­ra cla­ra o fim do ci­clo de re­ces­são e re­for­çam a ur­gên­cia de avan­çar ain­da mais nas me­di­das pa­ra re­to­mar o cres­ci­men­to. Re­ve­lam tam­bém que o mer­ca­do es­tá se de­sa­tre­lan­do gra­da­ti­va­men­te da agen­da po­lí­ti­ca, con­ta­mi­na­da, há mais de dois anos, pe­la cri­se nos al­tos es­ca­lões da Re­pú­bli­ca.

Após se­gui­dos cres­ci­men­tos do PIB nos úl­ti­mos dois tri­mes­tres, o Ban­co Cen­tral di­vul­gou, na quar­ta-fei­ra pas­sa­da, uma no­va ele­va­ção no ín­di­ce IBC-BR me­di­do em ju­lho. O in­di­ca­dor apon­ta que o se­gun­do se­mes­tre do ano começou com ati­vi­da­de econô­mi­ca em al­ta de 0,41%, em com­pa­ra­ção com ju­nho, que tam­bém ha­via cres­ci­do 0,55%.

Nos dois ca­sos, os per­cen­tu­ais fi­ca­ram aci­ma das pro­je­ções fei­tas pe­los eco­no­mis­tas das prin­ci­pais ins­ti­tui­ções fi­nan­cei­ras do país. Me­lhor: apon­tam, sem ras­tro de dú­vi­das, que a re­ver­são da que­da é im­pul­si­o­na­da pe­lo con­su­mo das fa­mí­li­as, que vem ga­nhan­do fô­le­go mês a mês, su­pe­ran­do as pre­vi­sões até dos mais oti­mis­tas ana­lis­tas do mer­ca­do.

As ven­das no va­re­jo re­gis­tra­das em ju­lho ti­ve­ram um au­men­to de 0,2% em re­la­ção ao mês an­te­ri­or, que tam­bém ha­via apre­sen­tan­do uma al­ta mais ro­bus­ta, de 2,3%. No mes­mo pe­río­do, a pro­du­ção in­dus­tri­al su­biu 0,8%, fe­chan­do qua­tros me­ses con­se­cu­ti­vos no azul. Al­go que não ocor­ria des­de 2012, quan­do a eco­no­mia bra­si­lei­ra ain­da na­ve­ga­va em mar de al­mi­ran­te.

Nes­se ca­so, o re­sul­ta­do veio igual­men­te pu­xa­do pe­la ex­pan­são do con­su­mo. Em­bo­ra se ve­ri­fi­que sal­do po­si­ti­vo em pra­ti­ca­men­te to­da a ca­deia in­dus­tri­al, o prin­ci­pal sal­to se deu na pro­du­ção de bens de con­su­mo du­rá­veis, com al­ta de 2,7% em ju­lho, per­cen­tu­al im­pres­si­o­nan­te se con­si­de­rar­mos o ce­ná­rio de até pou­co tem­po atrás. No re­cor­te por se­tor, o de ali­men­tos apre­sen­tou o mai­or im­pul­so.

Os ín­di­ces ga­nham im­por­tân­cia por um de­ta­lhe não pre­vis­to pe­la imen­sa mai­o­ria dos es­pe­ci­a­lis­tas: os gas­tos das fa­mí­li­as con­ti­nu­ou a su­bir, mes­mo pas­sa­do os efei­tos da li­be­ra­ção, pe­lo go­ver­no Mi­chel Te­mer, dos re­cur­sos re­ti­dos em con­tas ina­ti­vas do FGTS, me­di­da que deu uma in­je­ção extra de R$ 44 bi­lhões no mer­ca­do.

Is­so se de­ve, pa­ra gran­de par­te dos eco­no­mis­tas, à que­da no pre­ço dos ali­men­tos, efei­to da sa­fra agrí­co­la re­cor­de e à re­tra­ção gra­du­al nos ju­ros bá­si­cos. Am­bos li­be­ra­ram mais di­nhei­ro, tan­to pa­ra os bra­si­lei­ros que ga­nham sa­lá­ri­os mais bai­xos qu­an­to pa­ra os que con­so­mem mui­to. Com mais di­nhei­ro em cai­xa, mai­o­res são os gas­tos da fa­mí­li­as.

Com um ho­ri­zon­te me­nos nu­bla­do, re­for­mas na Previdência e no one­ro­so sis­te­ma tri­buá­rio do país per­mi­ti­ram mul­ti­pli­car o al­can­ce do sal­to em cur­to e mé­dio pra­zos. Pa­ra is­so, o Pla­nal­to tem que man­ter es­for­ço con­cen­tra­do na apro­va­ção de tais me­di­das, sem ce­der a in­te­res­ses não re­pu­bli­ca­nos.

Ain­da mais por­que, ao que tu­do in­di­ca, a se­gun­da de­nún­cia apre­sen­ta­da con­tra Te­mer pe­lo pro­cu­ra­dor-ge­ral Ro­dri­go Ja­not de­ve nau­fra­gar na Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos. Se qui­ser ter su­ces­so, o go­ver­no de­ve­ria ado­tar co­mo man­tra a ne­ces­si­da­de de avan­çar sem­pre, sem re­cu­ar ja­mais.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.