Mi­nis­té­rio Pú­bli­co in­ter­di­ta gal­pão

Correio da Bahia - - Mais -

fe­cho fun­do das cai­xas, bo­to ca­mi­si­nha nas gar­ra­fas (rótulos), ar­ru­mo no pa­le­te e car­re­go o ca­mi­nhão.” O re­sul­ta­do é sen­ti­do no cor­po. “Sin­to dor nas jun­tas, nas mãos, nos bra­ços, is­so por cau­sa dos mo­vi­men­tos que a gen­te faz. Por­que a gen­te tem que fa­zer for­ça pa­ra en­va­sar. Não tem a má­qui­na ade­qua­da, é uma má­qui­na im­pro­vi­sa­da”, diz ela.

Ao la­do de sa­cos enor­mes com pets pe­que­nas de ca­cha­ça, co­nhe­ci­das co­mo “bom­bi­nhas”, Na­tér­cia é uma das res­pon­sá­veis por en­va­sar o pro­du­to. “É um pou­co di­fí­cil, né? Não ga­nha ho­ra extra. Nun­ca ti­ra fé­ri­as. É mui­to ar­ris­ca­do tra­ba­lhar aqui. A gen­te tem mui­tos pro­ble­mas de saú­de”, afir­mou a fun­ci­o­ná­ria. Na­tér­cia re­cla­mou do tra­ba­lho pe­sa­do. “Sa­be o que é ba­ter mil cai­xas no dia nes­se ca­mi­nhão aí? É mui­to pe­so. Só tem um ho­mem tra­ba­lhan­do aqui. A gen­te mu­lher que faz tu­do.”

An­tes, diz Ni­la, ou­tra fun­ci­o­ná­ria, se­quer ti­nha ba­nhei­ro no gal­pão. O sa­ni­tá­rio que foi im­pro­vi­sa­do re­cen­te­men­te não tem nem por­ta. “Eu mes­ma, que mo­ro aqui per­to, vou fa­zer mi­nhas ne­ces­si­da­des em ca­sa”, afir­ma Ni­la. Quan­do fa­lam do pa­trão, a qu­em cha­mam de Val, as fun­ci­o­ná­ri­as di­zem que ele é “gen­te boa”, a não ser que elas pre­ci­sem de al­go.

“A gen­te con­ver­sa com ele e ele con­ver­sa com a gen­te. Mas se pre­ci­sar ir no mé­di­co, se for re­sol­ver al­gu­ma coi­sa e che­gar de­pois de 9h, ele cor­ta o dia”, dis­se Eli­ze­te. Mas, por que es­sas mu­lhe­res con­ti­nu­am tra­ba­lhan­do em con­di­ções tão ruins? “Qu­em não quer um tra­ba­lho me­lhor, um sa­lá­rio de­cen­te, qu­em não so­nha com is­so? En­quan­to não acho ou­tra coi­sa fi­co aqui, né? Tra­ba­lho tá di­fí­cil. Pa­ra­do é que não po­de fi­car”, ex­pli­ca Na­tér­cia.

BATENTE

Mau­de, a quin­ta mu­lher do gru­po de fun­ci­o­ná­ri­as, é com­pa­nhei­ra do do­no da fá­bri­ca. As ou­tras apon­tam al­guns pri­vi­lé­gi­os con­ce­di­dos a ela. “Po­de ir no mé­di­co, po­de che­gar atra­sa­da.” Mas, di­zem elas, Mau­de tam­bém pe­ga no batente. “Não pe­ga co­mo a gen­te, mas sa­be o que a gen­te so­fre.”

Se­gun­do a pró­pria Mau­de dis­se, por se­ma­na, a em­pre­sa pro­duz, em mé­dia, 1,2 mil cai­xas com 12 pets de 500 ml de ca­cha­ça. Ca­da cai­xa é ven­di­da a R$ 20. “Quan­do com­pra uma quan­ti­da­de mai­or, a gen­te faz por R$ 1 8 ou R$ 17. O pes­so­al de Fei­ra com­pra mui­to”.

Além do gal­pão e do ma­qui­ná­rio im­pro­vi­sa­do, a em­pre­sa pos­sui um ca­mi­nhão, diz Mau­de, pa­ra fa­zer en­tre­gas. Ela ain­da afir­ma que par­te da ca­cha­ça crua, an­tes de ser mis­tu­ra­da à água com açú­car pro­ces­sa­dos em Ilha Ama­re­la, vem de Fei­ra. O COR­REIO en­trou em con­ta­to com Ge­ni­val Cin­tra Pinheiro, apon­ta­do co­mo o do­no da fá­bri­ca. Val che­gou a aten­der uma de nos­sas li­ga­ções, mas pre­fe­riu não dar en­tre­vis­ta.

“Qui­e­ta! Aca­ba com es­sa con­ver­sa. Li­gue pa­ra o meu ad­vo­ga­do. Tá bom? Um bom dia pra vo­cê. Tchau!”, li­mi­tou-se a di­zer. O ad­vo­ga­do de Val, Ger­son San­tos, afir­mou que só vai se ma­ni­fes­tar sobre a ques­tão de­pois que tu­do for re­gu­la­ri­za­do. “Creio que da­qui a dez di­as vai es­tar tu­do cer­to. Ele vai re­gu­la­ri­zar a vi­da de to­das elas”, dis­se o ad­vo­ga­do, re­fe­rin­do-se ape­nas aos pro­ble­mas de re­gis­tro na car­tei­ra de tra­ba­lho.

Sobre o am­bi­en­te in­sa­lu­bre, as má­qui­nas im­pro­vi­sa­das e a pro­du­ção re­ple­ta de ris­cos à saú­de e à vi­da das mu­lhe­res, o ad­vo­ga­do dis­se que a fá­bri­ca vai vol­tar a fun­ci­o­nar em um no­vo gal­pão. “Es­se gal­pão es­ta­va fun­ci­o­nan­do de for­ma pro­vi­só­ria. Vai re­a­brir com tu­do cer­ti­nho”, ga­ran­tiu. Após ana­li­sar as ima­gens re­gis­tra­das pe­lo COR­REIO, o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co do Tra­ba­lho (MPT) e a Su­pe­rin­ten­dên­cia Re­gi­o­nal do Tra­ba­lho (SRT-BA) ins­tau­ra­ram pro­ce­di­men­to e con­vo­ca­ram o Gru­po Es­pe­ci­al de Com­ba­te ao Tra­ba­lho Es­cra­vo pa­ra re­a­li­zar uma ope­ra­ção no lo­cal. Ha­via a de­nún­cia de que cin­co mu­lhe­res eram sub­me­ti­das a tra­ba­lho aná­lo­go ao es­cra­vo em Ilha Ama­re­la.

Uma se­ma­na de­pois, no dia 24 de agos­to, acom­pa­nha­dos da Po­lí­cia Fe­de­ral, MPT e SRT-BA fi­ze­ram uma ba­ti­da no gal­pão. A de­nún­cia se con­fir­mou par­ci­al­men­te, já que a clas­si­fi­ca­ção de tra­ba­lho es­cra­vo exi­ge ca­rac­te­rís­ti­cas que não eram la­ten­tes nes­se ca­so. Mas os ór­gãos con­fir­ma­ram que as mu­lhe­res são sub­me­ti­das a con­di­ções pre­cá­ri­as de tra­ba­lho e iden­ti­fi­ca­ram pe­lo me­nos 24 ir­re­gu­la­ri­da­des tra­ba­lhis­tas.

Elas vão des­de o não re­gis­tro dos fun­ci­o­ná­ri­os até gra­ves ris­cos de aci­den­tes co­mo cho­que elé­tri­co, mu­ti­la­ção e mor­te. “Che­ga­mos à con­clu­são que aqui não é o ca­so de ser clas­si­fi­ca­do co­mo tra­ba­lho es­cra­vo. Mas as con­di­ções são pés­si­mas, com ir­re­gu­la­ri­da­des gra­vís­si­mas. Vo­cês es­tão tra­ba­lhan­do de for­ma ir­re­gu­lar, cor­rem ris­co in­clu­si­ve de mor­te. A par­tir des­se mo­men­to, es­tá in­ter­di­ta­do o tra­ba­lho”, dis­se pa­ra as fun­ci­o­ná­ri­as o au­di­tor do tra­ba­lho Ali­son Car­nei­ro.

“São ir­re­gu­la­ri­da­des de meio am­bi­en­te gra­ves, ir­re­gu­la­ri­da­des de re­gis­tro, jor­na­da de tra­ba­lho, frau­de no re­co­lhi­men­to pre­vi­den­ciá­rio e fun­do de ga­ran­tia”, con­fir­mou o pro­cu­ra­dor do tra­ba­lho Luís Car­nei­ro.

Se­gun­do o pro­cu­ra­dor, na In­dus­tria e Co­mér­cio de Vi­nho Ve­lei­ro de Ou­ro há ris­cos imi­nen­tes de aci­den­tes. “Es­sas má­qui­nas são to­tal­men­te ir­re­gu­la­res e fo­ra de qual­quer pa­drão de se­gu­ran­ça.” O au­di­tor Ali­son Car­nei­ro dis­se ain­da que as fun­ci­o­ná­ri­as têm o di­rei­to de con­ti­nu­ar re­ce­ben­do sa­lá­ri­os en­quan­to a si­tu­a­ção não é re­gu­la­ri­za­da.

Se­gun­do o Ob­ser­va­tó­rio Di­gi­tal de Saú­de e Se­gu­ran­ça do Tra­ba­lho, 22.390 aci­den­tes de tra­ba­lho fo­ram co­mu­ni­ca­dos em Sal­va­dor en­tre 2012 e 2016. Em to­da a Bahia, fo­ram mais de 61 mil. De acor­do com o mes­mo ob­ser­va­tó­rio, a ati­vi­da­de econô­mi­ca de pro­du­ção de vi­nho, à qual a Ve­lei­ro de Ou­ro es­tá atre­la­da, co­mu­ni­cou 720 aci­den­tes de tra­ba­lho en­tre 2012 e 2016. No ob­ser­va­tó­rio, não há le­van­ta­men­tos re­fe­ren­tes a in­ter­di­ções ou no­ti­fi­ca­ções de es­ta­be­le­ci­men­tos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.