Es­tu­dan­te de­nun­ci­ou pro­ble­ma ao COR­REIO

Correio da Bahia - - Mais -

A es­tu­dan­te de Jor­na­lis­mo Ana Ca­ro­li­ne Abreu Fer­rei­ra, 23 anos, foi qu­em de­nun­ci­ou ao COR­REIO a ex­plo­ra­ção so­fri­da pe­las mu­lhe­res da fá­bri­ca de ca­cha­ça de Ilha Ama­re­la. An­tes dis­so, ela pro­du­ziu um tra­ba­lho do pri­mei­ro se­mes­tre da Uni­facs em que mos­trou as con­di­ções pre­cá­ri­as às qu­ais as fun­ci­o­ná­ri­as são sub­me­ti­das no es­ta­be­le­ci­men­to.

Uma das cin­co mu­lhe­res, Le­o­ni­ce de Sou­za, é sua tia. “Des­co­bri es­sa his­tó­ria por­que eu an­do aqui des­de pe­que­na. Há mui­to tem­po que ele (Ge­ni­val, pro­pri­e­tá­rio da em­pre­sa) ex­plo­ra es­sas mu­lhe­res”, lem­brou Ana. O tra­ba­lho in­ti­tu­la­do Mi­se­rá­vel Ex­plo­ran­do Mi­se­rá­veis de­ta­lhou as ir­re­gu­la­ri­da­des tra­ba­lhis­tas pra­ti­ca­das pe­la em­pre­sa.

“As con­di­ções de tra­ba­lho são de­su­ma­nas. Lá só tra­ba­lha mu­lher, ago­ra co­lo­cou um ho­mem. Só que elas fa­zem tu­do lá den­tro. Em­ba­lam, en­chem gar­ra­fas, ro­tu­lam, en­cai­xo­tam e fa­zem a car­ga e des­car­ga do ca­mi­nhão”, con­ta Ana Ca­ro­li­ne. A es­tu­dan­te, aliás, re­sol­veu vi­ver na pe­le a ex­plo­ra­ção. Tan­to que che­gou a tra­ba­lhar um dia na fá­bri­ca.

“Tra­ba­lhei um dia lá no Car­na­val do ano pas­sa­do, ro­tu­lan­do. É mui­to can­sa­ti­vo, até por­que não tem ban­co pra sen­tar. A gen­te sen­ta em ci­ma de pa­pe­lões ou sen­ta no chão mes­mo. Não tem equi­pa­men­tos de se­gu­ran­ça. An­ti­ga­men­te, não ti­nha nem ba­nhei­ro.” Ana Ca­ro­li­ne acre­di­ta que a fal­ta de es­tu­do faz com que as mu­lhe­res con­ti­nu­em tra­ba­lhan­do ali. “São se­mi­a­nal­fa­be­tas. Acei­tam is­so, por­que não têm es­tu­do, não co­nhe­cem di­rei­tos.”

Re­pre­sen­tan­tes do MPT e da SRT di­zem aos fun­ci­o­ná­ri­os que eles de­vem con­ti­nu­ar re­ce­ben­do sa­lá­rio

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.