24h Fun­ci­o­ná­rio é con­de­na­do a pa­gar R$ 8,5 mil em ação tra­ba­lhis­ta

Correio da Bahia - - Bahia - GIL SANTOS

ILHÉUS A no­va le­gis­la­ção tra­ba­lhis­ta en­trou em vi­gor no sá­ba­do e nes­se mes­mo dia já foi apli­ca­da em um ca­so na Bahia. Um tra­ba­lha­dor foi con­de­na­do a pa­gar R$ 8,5 mil de­pois de per­der uma cau­sa con­tra a em­pre­sa em que tra­ba­lha­va, do ra­mo agro­pe­cuá­rio. Ele en­trou com pe­di­do de in­de­ni­za­ção na 3ª Va­ra do Tra­ba­lho de Ilhéus, no Sul do es­ta­do, por da­nos mo­rais, exi­gin­do o pa­ga­men­to de di­rei­tos tra­ba­lhis­tas atra­sa­dos por ho­ras tra­ba­lha­das que não te­ri­am si­do re­gis­tra­das. O juiz en­ten­deu que hou­ve má-fé por par­te do tra­ba­lha­dor. O ex-fun­ci­o­ná­rio, que não te­ve o no­me di­vul­ga­do, ale­gou que tra­ba­lhou por um tem­po na em­pre­sa sem ter a car­tei­ra de tra­ba­lho de­vi­da­men­te as­si­na­da, por is­so, pe­diu que a res­ci­são de tra­ba­lho fos­se re­tro­a­ti­va a es­se pe­río­do. Dis­se tam­bém que foi as­sal­ta­do a ca­mi­nho do tra­ba­lho e pe­diu in­de­ni­za­ção por da­nos mo­rais. Ele afir­mou que ti­nha ape­nas 30 mi­nu­tos de in­ter­va­lo na jor­na­da de tra­ba­lho e so­li­ci­tou res­sar­ci­men­to. No to­tal, o pe­di­do era de R$ 50 mil. Mas, se­gun­do o juiz Jo­sé Cai­ro Jú­ni­or, o ex-fun­ci­o­ná­rio não con­se­guiu pro­var o tem­po que tra­ba­lhou na em­pre­sa sem a car­tei­ra as­si­na­da e, por is­so, não con­ce­deu a res­ci­são re­tro­a­ti­va. A in­de­ni­za­ção pe­di­da por con­ta do as­sal­to e da fal­ta da in­tra­jor­na­da tam­bém foi con­si­de­ra­da in­de­vi­da. “A ação foi jul­ga­da im­pro­ce­den­te, pois o fato (as­sal­to) não ocor­reu du­ran­te o exer­cí­cio das fun­ções do re­cla­man­te, se­quer du­ran­te o tra­je­to pa­ra o tra­ba­lho, fato con­fes­sa­do pe­lo au­tor no pró­prio pro­ces­so em ra­zões fi­nais. Em re­la­ção à au­sên­cia de in­ter­va­lo, o ex-em­pre­ga­do tam­bém dis­se em juí­zo que go­za­va re­gu­lar­men­te de uma ho­ra por dia, con­tra­ri­an­do o que es­ta­va di­to na ini­ci­al”, afir­mou o juiz ao COR­REIO. Por con­ta das du­as ações, o fun­ci­o­ná­rio foi con­de­na­do a pa­gar R$ 1 mil re­la­ci­o­na­do aos cus­tos do pró­prio pe­di­do; R$ 5 mil pe­los gas­tos com ho­no­rá­ri­os dos ad­vo­ga­dos da par­te ven­ce­do­ra, além de R$ 2,5 mil por su­pos­ta con­du­ta de má-fé. Ele po­de re­cor­rer da de­ci­são. “O que ge­rou a in­de­ni­za­ção pe­la li­ti­gân­cia de má-fé foi o fato do au­tor al­te­rar a ver­da­de dos fa­tos, quan­do dis­se que não ti­nha in­ter­va­lo mí­ni­mo de uma ho­ra e no seu de­poi­men­to dis­se o con­trá­rio”, dis­se o ma­gis­tra­do. Na de­ci­são, o juiz afir­mou tam­bém que, ape­sar de a lei tra­ba­lhis­ta ter en­tra­do em vi­gor no sá­ba­do (11), ela po­de ser apli­ca­da a pro­ces­sos que ti­ve­ram iní­cio an­tes des­sa data. “Ao con­trá­rio do que ocor­re com as normas de Di­rei­to ma­te­ri­al, as leis pro­ces­su­ais pro­du­zem efei­tos ime­di­a­tos, in­ci­din­do em pro­ces­sos em an­da­men­to”. O juiz Cai­ro to­mou a de­ci­são du­ran­te as fé­ri­as e dis­se que es­se é um pro­ce­di­men­to co­mum. “Es­tou de fé­ri­as, mas já pro­fe­ri de­ze­nas de sen­ten­ças de des­pa­cho du­ran­te o res­pec­ti­vo pe­río­do. É co­mum os juí­zes tra­ba­lha­rem nas fé­ri­as, sá­ba­dos, domingos e fe­ri­a­dos, ca­so con­trá­rio não con­se­guem dar con­ta do ser­vi­ço”, afir­mou o juiz.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.