Aqui se ca­sa

Correio da Bahia - - Mundo - Aman­da Pal­ma e Jú­lia Vig­né re­da­cao@cor­rei­o24ho­ras.com.br

Bai­a­nos ca­sam mais, se­pa­ram mais e têm me­nos fi­lhos em 2016

Ca­sar é coi­sa de bai­a­no. E quem diz is­so - e com­pro­va, com nú­me­ros - é o Instituto Bra­si­lei­ro de Ge­o­gra­fia e Es­ta­tís­ti­ca (IBGE). Na con­tra­mão do Bra­sil, a Bahia re­gis­trou cres­ci­men­to dos ca­sa­men­tos en­tre 2015 e 2016. Se, de um mo­do ge­ral, o bra­si­lei­ro ca­sou me­nos, o nú­me­ro de bai­a­nos que ca­sou de ‘pa­pel pas­sa­do’ sal­tou de 60.039 em 2015 pa­ra 60.734 no ano pas­sa­do, uma al­ta de 1,2%, de acor­do com as Es­ta­tís­ti­cas do Re­gis­tro Ci­vil de 2016, di­vul­ga­das on­tem.

A ofi­ci­a­li­za­ção dos ma­trimô­ni­os cres­ceu tan­to en­tre pes­so­as do mes­mo se­xo co­mo en­tre noi­vos de se­xos di­fe­ren­tes. Os da­dos se re­fe­rem ape­nas aos ca­sa­men­tos re­gis­tra­dos em car­tó­ri­os ci­vis.

O ca­sa­men­to en­tre pes­so­as do mes­mo se­xo foi o que te­ve o mai­or au­men­to, e pas­sou de 117 pa­ra 167. Es­sas 50 uniões a mais re­pre­sen­tam uma ta­xa de cres­ci­men­to de 42,7%. Já en­tre pes­so­as de se­xos di­fe­ren­tes, o cres­ci­men­to foi de 1,1% e pas­sou de 59.922 pa­ra 60.567 645 ma­trimô­ni­os a mais.

Em­bo­ra te­nha mais ca­sais, a no­va fa­mí­lia bai­a­na tam­bém tem me­nos fi­lhos. De acor­do com os da­dos di­vul­ga­dos on­tem, 2016 te­ve a mai­or que­da na ta­xa de na­ta­li­da­de des­de 2006 - 8,8% a me­nos. Em 2015, nas­ce­ram 205.602 no­vos bai­a­nos. Já em 2016, os nas­ci­dos no es­ta­do caí­ram pa­ra 198.005. Dez anos an­tes ti­nham si­do 217.123 nas­ci­men­tos. Mas es­sa ten­dên­cia é na­ci­o­nal: no Bra­sil, a que­da foi de 5,1%, atri­buí­da ao zi­ka ví­rus, à mi­cro­ce­fa­lia e à cri­se.

Ain­da se­gun­do os da­dos do IBGE, ape­sar de o nú­me­ro de nas­ci­men­tos ter caí­do, cres­ceu a quan­ti­da­de de be­bês fi­lhos de mães com 40 anos de ida­de ou mais. De 2006 pa­ra 2016, o au­men­to foi de 15,7%, pas­san­do de 4.543 nas­ci­men­tos pa­ra 5.255. Em con­tra­par­ti­da, caiu 24,4% o nú­me­ro de be­bês fi­lhos de mães ado­les­cen­tes.

POR AMOR E POR DI­REI­TOS Pa­ra a autô­no­ma Ra­fa­e­la Ro­sa, 21 anos, e o pro­fes­sor de Ma­te­má­ti­ca Jed­son Ma­tos, 26, já es­ta­va na ho­ra de vi­ve­ram jun­tos. “Che­gou um mo­men­to que não da­va mais pa­ra ca­da um fi­car em seu can­to. Além dis­so, nós dois so­mos de uma re­li­gião que não per­mi­te que o ca­sal con­vi­va jun­to sem o ca­sa­men­to pe­ran­te os ho­mens e pe­ran­te Deus”, diz a noi­va.

O ca­sa­men­to das psi­có­lo­gas Ra­fa­e­la Ca­ta­bas, 31, e Ali­ne, 36, foi um jei­to de for­ma­li­za­ram o relacionamento das du­as e ain­da ga­ran­tir os di­rei­tos da união ci­vil. “A gen­te quis mui­to mais ofi­ci­a­li­zar por cau­sa do me­do de per­der os di­rei­tos por con­ta do mo­men­to po­lí­ti­co que es­ta­mos vi­ven­do. A gen­te fez uma ce­rimô­nia sim­ples pa­ra for­ma­li­zar”, con­ta Ra­fa­e­la.

Elas já mo­ra­vam jun­tas há qua­tro anos e fi­ze­ram uma ce­rimô­nia mais in­ti­mis­ta pa­ra fa­mi­li­a­res e ami­gos. “Foi bem le­gal, por­que a gen­te atin­giu o ob­je­ti­vo, tan­to pa­ra os ca­sais ho­mos­se­xu­ais que fo­ram, quan­to fa­mi­li­a­res. Mui­ta gen­te fa­lou que es­ta­va fe­liz em nos ver jun­tas. O juiz quis ti­rar até uma sel­fie com a gen­te”, lem­bra.

O ca­sal Roger Al­ban, 28 anos, e Wel­der Cruz, 25 anos, já con­tri­bui pa­ra au­men­tar a lis­ta de ca­só­ri­os es­te ano. A união de dois anos foi ce­le­bra­da em se­tem­bro de 2017. “Qu­an­do per­ce­be­mos, já es­tá­va­mos mo­ran­do jun­tos. A gen­te de­ci­diu por fa­zer es­sa união, es­se ca­sa­men­to, por uma ques­tão de re­co­nhe­ci­men­to e afir­ma­ção. De mos­trar pa­ra os ami­gos e fa­mí­lia que a gen­te tam­bém po­de e tem o di­rei­to de vi­ven­ci­ar is­so”, afir­ma Roger.

MAIS BA­RA­TO

Ape­sar de ca­sa­rem mais, os bai­a­nos vêm eco­no­mi­zan­do na fes­ta. O ce­ri­mo­ni­a­lis­ta Ro­gé­rio Con­dá con­ta que uma fes­ta me­nor e mais in­ti­mis­ta é o de­se­jo atu­al de quem ca­sa na Ba-

Roger e Wel­der ofi­ci­a­li­za­ram a união de­pois de dois anos jun­tos: ‘A gen­te de­ci­diu fa­zer es­se ca­sa­men­to por uma ques­tão de re­co­nhe­ci­men­to’

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.