Di­vór­ci­os com guar­da com­par­ti­lha­da qua­se du­pli­ca­ram

Correio da Bahia - - Mais -

hia. “Mui­tos ca­sais dei­xam de ca­sar na igre­ja, por exem­plo, e pre­fe­rem fa­zer a ce­rimô­nia em um lo­cal que pos­sa reu­nir a re­cep­ção dos con­vi­da­dos com a bên­ção re­li­gi­o­sa”, dis­se.

Mes­mo as­sim, o nú­me­ro de ca­sa­men­tos so­men­te na em­pre­sa de Con­dá au­men­tou 300% de 2015 pa­ra 2017: “Ge­ral­men­te, eles pro­cu­ram uma ce­rimô­nia pa­ra, no má­xi­mo, 200 pes­so­as e até R$ 25 mil”.

O eco­no­mis­ta Matheus La­cer­da e a pe­da­go­ga Lu­di­mi­la La­cer­da es­tão en­tre os ca­sais que ofi­ci­a­li­za­ram a união no ano pas­sa­do. E eles gas­ta­ram me­nos ain­da. Matheus con­ta que não que­ria co­me­mo­ra­ção, ape­nas o re­gis­tro no car­tó­rio, mas a fes­ta era um de­se­jo da noi­va.

“Nós fi­ze­mos uma co­me­mo­ra­ção pa­ra 100 pes­so­as, que aca­bou dan­do me­nos pes­so­as, no nos­so pré­dio. Foi uma fes­ta com o me­nor cus­to pos­sí­vel, mas foi bem le­gal e nós não gas­ta­mos nem R$ 10 mil”, con­ta.

COM­POR­TA­MEN­TO

Pa­ra o pre­si­den­te do Gru­po Gay da Bahia (GGB), Marcelo Cer­quei­ra, o au­men­to no nú­me­ro de ca­sa­men­tos re­pre­sen­ta uma mu­dan­ça de com­por­ta­men­to. “São mui­tos anos em que os hé­te­ros se ca­sam e cons­ti­tu­em su­as vi­das des­sa ma­nei­ra, e ago­ra is­so es­tá mu­dan­do. É mui­to in­te­res­san­te ver que ago­ra os gays de al­gu­ma ma­nei­ra é que sim­bo­li­zam o amor ro­mân­ti­co, do ca­sa­men­to”, opi­na.

Em­bo­ra os ca­sa­men­tos en­tre pes­so­as de mes­mo se­xo te­nham au­men­ta­do na Bahia, en­tre 2015 e 2016, eles ain­da re­pre­sen­tam ape­nas 0,3% do to­tal de uniões re­gis­tra­das no es­ta­do – par­ti­ci­pa­ção abai­xo da mé­dia na­ci­o­nal (0,5%) e ape­nas a 15ª mais al­ta en­tre os 27 es­ta­dos. San­ta Ca­ta­ri­na (1,2%), Dis­tri­to Fe­de­ral (0,7%) e São Pau­lo (0,7%) têm as mai­o­res pro­por­ções.

Ape­sar de ser uma por­cen­ta­gem pe­que­na di­an­te de to­do o uni­ver­so de ca­sa­men­tos, pa­ra Cer­quei­ra, o cres­ci­men­to tam­bém mos­tra que a so­ci­e­da­de es­tá mu­dan­do. “Pa­ra um ca­sal gay to­mar a de­ci­são de se unir, ele já tem uma re­de so­ci­al de apoio, de fa­mí­lia, de tra­ba­lho, de bair­ro e co­mu­ni­da­de. En­tão, is­so re­fle­te tam­bém que, mes­mo com to­dos os pro­ble­mas, a so­ci­e­da­de es­tá mu­dan­do, no sen­ti­do de acei­tar ca­da vez mais es­se ti­po de relacionamento”, ob­ser­va.

Em to­do o país, o mo­vi­men­to foi con­trá­rio e hou­ve uma re­du­ção de 3,7% no to­tal de ca­sa­men­tos re­gis­tra­dos 41.813 uniões ofi­ci­ais a me­nos. Em 2015, fo­ram 1.137.348, e em 2016, 1.095.535 ma­trimô­ni­os. Os es­ta­dos que re­gis­tra­ram mai­or que­da no re­gis­tro de ca­sa­men­to fo­ram Pi­auí (-13,2%), Ala­go­as (-12,5%) e Pa­raí­ba (-11,3%). O Ama­pá te­ve o mai­or au­men­to, de 20%. Na Bahia, os da­dos de di­vór­ci­os tam­bém cha­mam a aten­ção. As se­pa­ra­ções com guar­da com­par­ti­lha­da qua­se du­pli­ca­ram na Bahia de 2015 pa­ra 2016, pas­san­do de 884 pa­ra 1.628. Com es­se da­do, os di­vór­ci­os com guar­da com­par­ti­lha­da re­pre­sen­tam 84,2% dos ca­sos em 2016. Em 2015, es­se per­cen­tu­al era de 19%.

Da mes­ma for­ma que os bai­a­nos se ca­sam mais, eles tam­bém se di­vor­ci­am mais. No ano pas­sa­do, se­gun­do os da­dos do IBGE, fo­ram con­ce­di­dos 19.725 di­vór­ci­os no es­ta­do, um au­men­to de 14,9% em re­la­ção a 2015, que te­ve 17.168 di­vór­ci­os. A guar­da com­par­ti­lha­da, na Bahia, é mai­or do que a mé­dia na­ci­o­nal, de 16,9%. É, tam­bém, a 6ª mai­or en­tre os es­ta­dos.

Ama­zo­nas li­de­ra o ran­king, com 26,8% de ca­sos com guar­da com­par­ti­lha­da, se­gui­do por Dis­tri­to Fe­de­ral (24,2%) e Pa­ra­ná (23,2%). No ou­tro ex­tre­mo, Ser­gi­pe (9,1%), Rio Gran­de do Nor­te (9,0%) e Per­nam­bu­co (8,4%) têm as me­no­res pro­por­ções.

De acor­do com a ad­vo­ga­da Ma­ri­a­na Ré­gis, o au­men­to se dá por con­ta da al­te­ra­ção da Lei do Di­vór­cio, do fi­nal de 2014. A lei ori­gi­nal, de 1977, já pre­via a guar­da com­par­ti­lha­da de fi­lhos me­no­res de 18 anos, mas a no­va lei es­ta­be­le­ceu que a guar­da com­par­ti­lha­da de­ve ser tra­ta­da co­mo re­gra, mes­mo em ca­so de con­fli­tos.

“Com o avan­ço de al­gu­mas pau­tas fe­mi­nis­tas, a guar­da com­par­ti­lha­da pas­sou a ser vis­ta de ou­tra for­ma pe­la so­ci­e­da­de. An­tes, as mu­lhe­res sem­pre fi­ca­vam com a guar­da uni­la­te­ral e aca­ba­vam so­bre­car­re­ga­das. Com a cons­ci­ên­cia do pa­pel do ho­mem na cri­a­ção do fi­lho pa­ra além do la­do fi­nan­cei­ro, co­mo era tra­ta­do an­te­ri­or­men­te, is­so au­men­tou es­sa cons­ci­ên­cia da so­ci­e­da­de”, diz.

Cam­pa­nhas do sis­te­ma ju­di­ciá­rio e do Con­se­lho Na­ci­o­nal de Jus­ti­ça (CNJ), co­mo o Pai Pre­sen­te, bus­cam cons­ci­en­ti­zar a so­ci­e­da­de da im­por­tân­cia de dis­cu­tir o te­ma.

“Os pais, ob­vi­a­men­te, po­dem di­zer que não que­rem com­par­ti­lhar a guar­da. Há si­tu­a­ções, tam­bém, em que um dos ge­ni­to­res não tem con­di­ção emo­ci­o­nal de com­par­ti­lhar ou de as­su­mir a guar­da. Pa­ra além des­ses ca­sos, ain­da há ca­sos de agres­sões, de me­di­das pro­te­ti­vas e de res­tri­ção con­tra um agres­sor, por exem­plo”, com­ple­ta.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.