Em­ba­sa diz que sis­te­ma fun­ci­o­na

Correio da Bahia - - Mais -

A Em­ba­sa afir­mou, em no­ta, que o sis­te­ma de bom­beio de eflu­en­te da Es­ta­ção de Con­di­ci­o­na­men­to Pré­vio (ECP) do Lu­caia pa­ra o emis­sá­rio sub­ma­ri­no do Rio Ver­me­lho es­tá fun­ci­o­nan­do, mas as bom­bas de pe­nei­ra­men­to es­tão ope­ran­do par­ci­al­men­te de­vi­do a um de­fei­to de fa­bri­ca­ção. A em­pre­sa ex­pli­cou que en­trou com uma ação ju­di­ci­al con­tra a for­ne­ce­do­ra, a Haz­tec, e ob­te­ve uma li­mi­nar fa­vo­rá­vel.

“Com is­so (a ação ju­di­ci­al), te­rá o res­ta­be­le­ci­men­to da ope­ra­ção do con­jun­to des­sas bom­bas, que fa­zem par­te de uma das eta­pas de pro­ces­sa­men­to do sis­te­ma. É im­por­tan­te es­cla­re­cer que a es­ta­ção do Lu­caia, em seu con­jun­to, con­ti­nua ope­ran­do e lan­çan­do os eflu­en­tes em pro­fun­di­da­de oceâ­ni­ca con­for­me pro­je­to ori­gi­nal”.

O CORREIO en­trou em con­ta­to com o Instituto Es­ta­du­al do Meio Am­bi­en­te e Re­cur­sos Hí­dri­cos (Ine­ma) pa­ra ques­ti­o­nar so­bre o pa­pel do instituto na fis­ca­li­za­ção da emis­são. O Ine­ma afir­mou que o ór­gão ape­nas mo­ni­to­ra, não fis­ca­li­za a emis­são de po­lu­en­tes no mar. A re­por­ta­gem, en­tão, ques­ti­o­nou se a en­ti­da­de não ha­via re­gis­tra­do um au­men­to de co­li­for­mes fe­cais, se o lan­ça­men­to de es­go­to po­de­ria ter in­flu­en­ci­a­do ou­tras prai­as e qual raio es­sa emis­são ir­re­gu­lar po­de afe­tar no oce­a­no. O Ine­ma não res­pon­deu aos ques­ti­o­na­men­tos até o fe­cha­men­to des­ta re­por­ta­gem.

A Se­cre­ta­ria de In­fra­es­tru­tu­ra Hí­dri­ca e Sa­ne­a­men­to (SIHS), ór­gão do go­ver­no do es­ta­do, tam­bém foi pro­cu­ra­da pa­ra sa­ber de que for­ma é re­a­li­za­da a fis­ca­li­za­ção da emis­são pe­la Em­ba­sa, mas tam­bém não hou­ve re­tor­no.

O pro­fes­sor do Instituto de Bi­o­lo­gia da Uf­ba, Edu­ar­do Men­des, ex­pli­ca que o ma­te­ri­al des­pe­ja­do no mar “não afe­ta di­re­ta­men­te as or­las ma­rí­ti­mas, por­que o emis­sá­rio é po­si­ci­o­na­do pa­ra que o li­xo não che­gue na cos­ta”. “Mas no lo­cal em que o li­xo é des­pe­ja­do, o im­pac­to é mai­or. O tra­ta­men­to pri­má­rio, que eles de­ve­ri­am fa­zer, re­mo­ve só­li­dos gros­sei­ros, co­mo areia, ab­sor­ven­te, plás­ti­cos, en­tre ou­tros. Se is­so não for fei­to, vai pa­ra o emis­sá­rio e, con­se­quen­te­men­te, pa­ra o mar”, ex­pli­cou ele.

O pro­fes­sor dis­se ain­da que a emis­são de re­sí­du­os só­li­dos só afe­ta­ria a or­la ca­so hou­ves­se uma mu­dan­ça na di­re­ção das cor­ren­tes, que ocor­re uma ou du­as ve­zes no ano, qu­an­do há uma en­tra­da de um ven­to na di­re­ção les­te, por exem­plo. “Mas is­so é ra­ro. En­tão não in­flu­en­cia tan­to.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.