Pai­xão na­ci­o­nal e prá­ti­ca de exer­cí­ci­os

Correio da Bahia - - Front Page -

Pa­ra mui­tos bra­si­lei­ros, bas­ta um lu­gar pla­no, uma bo­la e me­tas (gol), mes­mo que im­pro­vi­sa­das, pa­ra acon­te­cer uma par­ti­di­nha de fu­te­bol – o es­por­te nú­me­ro um no Bra­sil. Gran­de par­te do nos­so po­vo já viu, de­ba­teu, trei­nou ou jo­gou uma par­ti­da de fu­te­bol pelo me­nos uma vez na vi­da.

Se­gun­do o Di­ag­nós­ti­co Na­ci­o­nal do Es­por­te (DIESPORTE-2016), no ano de 2013, 51,6% dos pra­ti­can­tes de ati­vi­da­des fí­si­cas do país pra­ti­ca­ram fu­te­bol e 4,1%, fut­sal. Ou se­ja, 55,7% de toda a prá­ti­ca de ati­vi­da­de fí­si­ca no país em 2013 en­vol­veu o fu­te­bol.

Es­sa mo­da­li­da­de es­por­ti­va é uma pe­ça mui­to im­por­tan­te da cul­tu­ra bra­si­lei­ra. O es­cri­tor Gil­ber­to Frey­re (1938) de­fen­dia que o ta­len­to do bra­si­lei­ro pa­ra o fu­te­bol se de­via à gran­de mis­ci­ge­na­ção de po­vos, que deu um es­ti­lo dan­çan­te e di­o­ni­sía­co ao nos­so fu­te­bol.

Tam­bém há al­gu­mas ex­pli­ca­ções pa­ra a pai­xão na­ci­o­nal por es­se es­por­te, como, por exem­plo, o seu uso po­lí­ti­co. Go­ver­nos apoi­a­ram a mo­da­li­da­de pa­ra caí­rem nas gra­ças dos tor­ce­do­res. Al­go pa­re­ci­do à po­lí­ti­ca do pão e cir­co dos ro­ma­nos. Como foi um dos es­por­tes mais apoi­a­dos, foi tam­bém o que te­ve mais vi­si­bi­li­da­de e, por­tan­to, mais re­co­nhe­ci­men­to e ade­são.

Há mui­to que se dis­cu­tir so­bre o fu­te­bol, ain­da mais qu­an­do se apro­xi­ma a Co­pa do Mun­do. Ve­ja­mos, por ora, seus be­ne­fí­ci­os como prá­ti­ca de ati­vi­da­de fí­si­ca: além de ser uma for­ma di­ver­ti­da de se mo­vi­men­tar, se a ati­vi­da­de for pla­ne­ja­da e re­a­li­za­da re­gu­lar­men­te po­de tra­zer di­ver­sos be­ne­fí­ci­os à saú­de, como a re­du­ção do es­tres­se e da an­si­e­da­de, o au­men­to da mas­sa e da re­sis­tên­cia mus­cu­lar, au­men­to da den­si­da­de ós­sea, me­lho­ra da pos­tu­ra e da re­sis­tên­cia car­di­o­vas­cu­lar, es­ti­mu­la­ção da cir­cu­la­ção san­guí­nea, for­ta­le­ci­men­to do sis­te­ma imu­no­ló­gi­co, di­mi­nui­ção dos tri­gli­ce­rí­de­os, do co­les­te­rol ruim e au­xí­lio no con­tro­le do pe­so.

Ali­a­do a há­bi­tos sau­dá­veis, como dor­mir bem e con­su­mir ali­men­tos sau­dá­veis e mui­ta água, o fu­te­bol po­de­rá aju­dar na pre­ven­ção do apa­re­ci­men­to de do­en­ças in­fec­to­con­ta­gi­o­sas, car­día­cas, cir­cu­la­tó­ri­as, or­to­pé­di­cas e, in­clu­si­ve, psi­co­ló­gi­cas.

Es­te­ti­ca­men­te, o fu­te­bol aju­da na de­fi­ni­ção dos mús­cu­los ab­do­mi­nais, das cos­tas, glú­te­os, co­xas e pan­tur­ri­lhas. Com re­la­ção à di­mi­nui­ção da gor­du­ra cor­po­ral e con­tro­le de pe­so, em uma ho­ra de trei­no é pos­sí­vel eli­mi­nar, apro­xi­ma­da­men­te, en­tre 450 e 600 ca­lo­ri­as.

Tec­ni­ca­men­te, a as­so­ci­a­ção de tra­ba­lhos de for­ça, es­ta­bi­li­da­de e alon­ga­men­to po­dem com­ple­men­tar e me­lho­rar o de­sem­pe­nho no fu­te­bol.

Lem­bre-se que pa­ra ob­ter es­tes be­ne­fí­ci­os não bas­ta jo­gar uma par­ti­da vez ou ou­tra. A ati­vi­da­de de­ve ser re­gu­lar e re­a­li­za­da com as­si­dui­da­de. Não de­ve­mos nos es­que­cer de que an­tes de co­me­çar um pro­gra­ma de ati­vi­da­de fí­si­ca de­ve­mos nos sub­me­ter a uma ava­li­a­ção mé­di­ca, prin­ci­pal­men­te de­pois dos 35 anos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.