Pro­con no­ti­fi­ca 14 pos­tos que não bai­xa­ram o di­e­sel

Correio da Bahia - - Mais - Má­rio Bittencourt

Qu­a­tor­ze pos­tos de re­ven­da de com­bus­tí­veis fo­ram no­ti­fi­ca­dos pe­lo Pro­con (ór­gão de de- fe­sa do con­su­mi­dor) da Bahia on­tem por não ven­de­rem o di­e­sel com o pre­ço re­du­zi­do de R$ 0,46. As no­ti­fi­ca­ções ocor­re­ram du­ran­te uma ação de fis­ca­li­za­ção em 21 pos­tos de Sal­va­dor que du­rou o dia in­tei­ro e con­ti­nu­a­rá du­ran­te a semana, tan­to na ca­pi­tal quan­do em ci­da­des do in­te­ri­or, co­mo Vi­tó­ria da Con­quis­ta, Ju­a­zei­ro e Bar­rei­ras.

A fis­ca­li­za­ção é fei­ta com ba­se na Por­ta­ria nº 760, de 5 de ju­nho, do Mi­nis­té­rio da Jus­ti­ça, que “dis­põe so­bre as di­re­tri­zes pa­ra a re­a­li­za­ção das fis­ca­li­za­ções nos pos­tos de com­bus­tí­veis pe­los in­te­gran­tes do Sis­te­ma Nacional de De­fe­sa do Con­su­mi­dor”.

O ob­je­ti­vo das fis­ca­li­za­ções, se­gun­do a por­ta­ria, é que “pa­ra que se­ja res­guar­da­do o di­rei­to ao re­pas­se do re­a­jus­te do va­lor do óleo di­e­sel aos con­su­mi­do­res fi­nais no mo­men­to do abas­te­ci­men­to”.

A re­du­ção de R$ 0,46 no pre­ço do di­e­sel foi anun­ci­a­da pe­lo go­ver­no federal co­mo par­te do acor­do com os ca­mi­nho­nei­ros após a gre­ve que du­rou 10 di­as – de 21 a 30 de maio. Pe­lo acor­do, o va­lor re­du­zi­do se­rá sub­si­di­a­do por 60 di­as, e de­pois dis­so os pre­ços irão va­ri­ar a cada 30 di­as.

Na fis­ca­li­za­ção, o Pro­con avalia se o pre­ço do di­e­sel ho­je é R$ 0,46 me­nor que o pra­ti­ca­do an­tes da gre­ve. Além dis­so, é ve­ri­fi­ca­do tam­bém se a mu­dan­ça de pre­ço es­tá am­pla­men­te vi­sí­vel pa­ra os mo­to­ris­tas, co­mo em pla­cas ou fai­xas na en­tra­da dos es­ta­be­le­ci­men­tos. O Sin­di­com­bus­tí­veis, que re­pre­sen­ta os pos­tos de re­ven­da, ape­sar de não con­cor­dar com a exi­gên­cia de se co­lo­car uma pla­ca ou fai­xa, diz que tem ori­en­ta­do aos do­nos de pos­tos a exi­bir a in­for­ma­ção da for­ma mais cla­ra pos­sí­vel.

A Por­ta­ria nº 735, de 1º de ju­nho de 2018, tam­bém do Mi­nis­té­rio da Jus­ti­ça e que dis­põe so­bre o re­pas­se do re­a­jus­te do pre­ço do óleo di­e­sel pe­los pos­tos de com­bus­tí­veis quan­do da ven­da aos con­su­mi­do­res, exi­ge que o pos­to di­vul­gue a mu­dan­ça.

O pro­ble­ma é que, sem es­pe­ci­fi­car co­mo de­ve ser es­sa co­mu­ni­ca­ção, mui­tos em­pre­sá­ri­os es­ta­vam co­lo­can­do ape­nas có­pi­as em pa­pel ofí­cio da por­ta­ria na pró­pria bom­ba de com­bus­tí­vel, qua­se im­per­cep­tí­vel ao mo­to­ris­ta.

“Os pos­tos que fo­ram no­ti­fi­ca­dos on­tem em Sal­va­dor não es­ta­vam obe­de­cen­do a uma des­sas du­as si­tu­a­ções”, in­for­mou o di­re­tor de fis­ca­li­za­ção do Pro­con-BA Ira­tan Vi­las Bo­as. “Fo­ram en­con­tra­dos até pos­tos que ven­di­am di­e­sel com re­a­jus­te de R$ 0,41”, dis­se.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.