Pe­gou mui­to mal

Correio da Bahia - - Mais - Thais Borges e *Mi­le­na Tei­xei­ra

O vídeo de um se­gu­ran­ça ten­tan­do im­pe­dir um me­ni­no de co­mer o al­mo­ço com­pra­do por um cli­en­te do Shop­ping da Bahia (an­ti­go Igua­te­mi, em Sal­va­dor) ga­nhou re­per­cus­são nas re­des so­ci­ais. Par­te da si­tu­a­ção foi gra­va­da por uma pes­soa que es­ta­va no lo­cal. O vídeo mos­tra a re­vol­ta de vá­ri­os cli­en­tes quan­to à abor­da­gem do pro­fis­si­o­nal. A ocor­rên­cia re­gis­tra­da an­te­on­tem à tar­de vi­ra­li­zou na in­ter­net on­tem e a in­dig­na­ção che­gou até os ór­gãos de de­fe­sa dos di­rei­tos do con­su­mi­dor e da cri­an­ça, en­tre eles Or­dem dos Ad­vo­ga­dos do Bra­sil, Mi­nis­té­rio Pú­bli­co da Bahia (MP-BA) e De­fen­so­ria Pública do Es­ta­do.

Quan­do che­gou para al­mo­çar no shop­ping, o em­pre­sá­rio Kai­que So­fre­di­ne não ima­gi­na­va que iria se to­nar um dos per­so­na­gens da ce­na que re- vol­tou mui­ta gen­te. “Es­tou que­ren­do dar o al­mo­ço ao me­ni­no aqui e o se­gu­ran­ça es­tá me re­jei­tan­do, fa­lan­do que vai me ti­rar do shop­ping à for­ça, que vai ti­rar o me­ni­no”, diz Kai­que no vídeo que ele mes­mo re­gis­trou e pos­tou em seu Fa­ce­bo­ok. Ao lon­go de pou­co mais de cin­co mi­nu­tos de gra­va­ção, é pos­sí­vel ver par­te da dis­cus­são en­tre o em­pre­sá­rio e o se­gu­ran­ça.

Kai­que se­gue di­zen­do que a cri­an­ça – um ga­ro­to ma­gri­nho,

e ou­tras pes­so­as gra­vam tu­do o que aconteceu na pra­ça de ali­men­ta­ção no shop­ping na se­gun­da-fei­ra à tar­de ves­tin­do uma ca­mi­sa de ti­me de fu­te­bol e chi­ne­los – vai, sim, co­mer. Diz que ele pa­ga­ria e se di­ri­ge a um dos res­tau­ran­tes da pra­ça de ali­men­ta­ção do shop­ping.

O se­gu­ran­ça, nes­se mo­men­to, tam­bém car­re­ga um celular. In­dig­na­do, Kai­que se di­ri­ge a ele mais uma vez. “Que­ria ver se fos­se seu fi­lho que ti­ves­se na rua pas­san­do fo­me. Eu que­ria ver. Ele vai co­mer”, afir­ma, em res­pos­ta à ne­ga­ti­va do se­gu­ran­ça.

Ain­da no vídeo, Kai­que diz para o se­gu­ran­ça cha­mar o supervisor. En­quan­to os fun­ci­o­ná­ri­os do res­tau­ran­te aten­dem Kai­que e a cri­an­ça – que es­ta­va acom­pa­nha­da, ain­da, de ou­tro ado­les­cen­te –, o se­gu­ran­ça re­pe­te que o me­ni­no não po­de­ria co­mer ali e ten­ta im­pe­dir a pes­soa do res­tau­ran­te de en­tre­gar o pra­to de co­mi­da, em­pur­ran­do o ga­ro­to para lon­ge. Kai­que in­ter­vém e os três sa­em an­dan­do. No vídeo, é pos­sí­vel es­cu­tar uma mu­lher re­vol­ta­da.. “Não fa­ça is­so, não. Is­so é pa­lha­ça­da”, diz.

“Eu tra­ba­lho aqui e ele não vai co­mer. Ele não vai co­mer. Meu tra­ba­lho é es­se”, afir­ma o funcionário do shop­ping, en­quan­to con­ti­nua ten­tan­do im­pe­dir a apro­xi­ma­ção do me­ni­no e de Kai­que ao res­tau­ran­te. Ou­tros dois se­gu­ran­ças che­gam e cer­cam os dois. Em se­gui­da, um ho­mem que pa­re­ce ser o supervisor dos pro­fis­si­o­nais de se­gu­ran­ça sur­ge e diz que o me­ni­no não po­de­ria ven­der na­da ali – a cri­an­ça se­gu­ra­va uma sa­co­la ama­re­la.

“Cer­to, não po­de (ven­der), mas agre­dir a cri­an­ça tam­bém não po­de, não”, in­ter­vém uma mu­lher que as­sis­te à ce­na. En­quan­to con­ver­sa com o supervisor, Kai­que re­for­ça que vai pa­gar pelo al­mo­ço da cri­an­ça e faz crí­ti­cas à pos­tu­ra do se­gu­ran­ça. “Ele me pe­gou pelo bra­ço, pe­gou o me­ni­no pelo bra­ço”, diz o cli­en­te. O se­gu­ran­ça ar­gu­men­ta que te­ria si­do agre­di­do, mas al­gu­mas tes­te­mu­nhas ques­ti­o­nam. “Ele nem te to­cou. Es­tá tu­do fil­ma­do”, diz a mu­lher

Kai­que in­sis­te que o me­ni­no co­me­ria com ele, na mes­ma me­sa em que es­ta­va. De­pois que o supervisor se di­ri­ge à cri­an­ça, os se­gu­ran­ças se afas­tam e, fi­nal­men­te, o me­ni­no pô­de sen­tar e co­mer.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.