Pe­di­dos de pri­são de­vem au­men­tar

Correio da Bahia - - Mais -

Além de Celso e Gil­mar Men­des, se po­si­ci­o­na­ram con­tra as con­du­ções co­er­ci­ti­vas os mi­nis­tros Di­as Tof­fo­li, Ri­car­do Lewan­dows­ki, Ro­sa We­ber e Mar­co Au­ré­lio Mel­lo.

Em sen­ti­do con­trá­rio, Cár­men e os mi­nis­tros Luís Ro­ber­to Bar­ro­so, Ed­son Fa­chin, Luiz Fux e Ale­xan­dre de Mo­ra­es con­si­de­ra­ram le­gal a con­du­ção co­er­ci­ti­va de in­ves­ti­ga­dos pa­ra in­ter­ro­ga­tó­ri­os, ain­da que te­nha ha­vi­do di­ver­gên­cia en­tre eles so­bre a abran­gên­cia da me­di­da.

An­te­on­tem, Bar­ro­so cri­ti­cou a “sú­bi­ta in­dig­na­ção con­tra a con­du­ção co­er­ci­ti­va” e res­sal­tou que o dis­po­si­ti­vo do Có­di­go de Pro­ces­so Pe­nal que pre­vê a me­di­da es­tá em vi­gor no País des­de 3 de ou­tu­bro de 1941. O mi­nis­tro ain­da lem­brou que, em ma­ni­fes­ta­ções en­ca­mi­nha­das ao STF, a Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca, a Pro­cu­ra­do­ria-Ge­ral da Re­pú­bli­ca (PGR) e o Con­gres­so Na­ci­o­nal de­fen­de­ram a me­di­da.

“Eu ar­ris­co um pal­pi­te (so­bre a sú­bi­ta in­dig­na­ção). É que o di­rei­to pe­nal vai che­gan­do, aos pou­cos, com atra­so, mas não tar­de de­mais, ao an­dar de ci­ma, aos que sem­pre se ima­gi­na­ram imu­nes e im­pu­nes”, co­men­tou o mi­nis­tro Bar­ro­so.

“E ago­ra que juí­zes co­ra­jo­sos rom­pem pac­to oli­gár­qui­co e co­me­çam a de­li­ne­ar um di­rei­to pe­nal me­nos se­le­ti­vo e al­can­çar cri­mi­no­sos do co­la­ri­nho bran­co, há um sur­to de ga­ran­tis­mo. É o mal tra­ves­ti­do de bem”, pros­se­guiu o mi­nis­tro. Di­an­te da de­ci­são do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) de proi­bir as con­du­ções co­er­ci­ti­vas de réus e de in­ves­ti­ga­dos, in­te­gran­tes da La­va Ja­to já di­zem que de­vem au­men­tar os pe­di­dos de pri­são tem­po­rá­ria (com pra­zo de cin­co di­as). Se­gun­do es­ses in­ves­ti­ga­do­res, a con­du­ção co­er­ci­ti­va era uti­li­za­da jus­ta­men­te em subs­ti­tui­ção à pri­são tem­po­rá­ria.

Nas pa­la­vras de um in­te­gran­te da La­va Ja­to, a de­ci­são do Su­pre­mo re­pre­sen­ta um “re­vés”. Mas, ao mes­mo tem­po, não se de­ve dar uma im­por­tân­cia exa­ge­ra­da, pois ha­ve­rá um ins­tru­men­to mais for­te pa­ra ser uti­li­za­do em ca­so de ne­ces­si­da­de.

“Se o ob­je­ti­vo de al­guns era afe­tar a La­va Ja­to, is­so não ocor­re­rá, de fa­to. Mas, cer­ta­men­te, ge­ra um cli­ma ne­ga­ti­vo”, res­sal­tou.

Ou­tro in­te­gran­te da for­ça-ta­re­fa re­for­ça o mes­mo ra­ci­o­cí­nio, ar­gu­men­tan­do que a con­du­ção co­er­ci­ti­va ga­ran­te ao acu­sa­do a chan­ce de não ser pre­so.

Um ca­so recente é re­lem­bra­do por in­ves­ti­ga­do­res pa­ra re­for­çar a te­se: a pri­são tem­po­rá­ria de Jo­sé Yu­nes, João Bap­tis­ta Li­ma Fi­lho e Wag­ner Ros­si. Ele é ex-as­ses­sor es­pe­ci­al do pre­si­den­te Mi­chel Te­mer. Li­ma Fi­lho é ami­go de Te­mer e ex-co­ro­nel da Po­lí­cia Mi­li­tar de São Pau­lo. Wag­ner Ros­si é ex-mi­nis­tro da Agri­cul­tu­ra.

No ca­so do ex-pre­si­den­te Luiz Iná­cio Lu­la da Sil­va, que de­sen­ca­de­ou as dis­cus­sões so­bre o as­sun­to, a con­du­ção acon­te­ceu pe­la ma­nhã e à tar­de ele já es­ta­va li­be­ra­do. O juiz Sér­gio Mo­ro, res­pon­sá­vel pe­los ca­sos da La­va Ja­to em pri­mei­ra ins­tân­cia, jus­ti­fi­cou que a me­di­da evi­ta­va “con­fu­são”, e era ne­ces­sá­ria pa­ra evi­tar que ele com­bi­nas­se ver­são com ou­tros in­ves­ti­ga­dos. Pa­ra a de­fe­sa do pe­tis­ta, po­rém, a me­di­da vi­sa­va ape­nas lhe im­por cons­tran­gi­men­to.

O mi­nis­tro Mar­co Au­ré­lio Mel­lo dis­se “não ser possível” que o êxi­to da Ope­ra­ção La­va Ja­to de­pen­da das con­du­ções co­er­ci­ti­vas. “Em Di­rei­to, se eu pos­so che­gar a um re­sul­ta­do, eu che­go. Se eu não pos­so, eu te­nho que re­cu­ar. Ago­ra, é cla­ro que não re­per­cu­te. Não é possível que o êxi­to da La­va Ja­to de­pen­des­se da con­du­ção co­er­ci­ti­va”, dis­se o mi­nis­tro, que vo­tou pa­ra proi­bir o ins­tru­men­to, com­pon­do um dos seis vo­tos que for­mou a mai­o­ria na Cor­te.

“Na mi­nha vi­são pre­va­le­ceu a Cons­ti­tui­ção, sem­pre im­por­tan­te pa­ra es­se tri­bu­nal, pre­ser­van­do a Lei das leis. Ago­ra, evi­den­te­men­te, se tra­tar-se de uma si­tu­a­ção ju­rí­di­ca de pri­são tem­po­rá­ria ou pre­ven­ti­va, que se di­ga qual é a ba­se”, dis­se.

A mai­o­ria dos mi­nis­tros do Su­pre­mo re­pro­vam as con­du­ções

Em 2016, o ex-pre­si­den­te Lu­la foi con­du­zi­do co­er­ci­ti­va­men­te

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.