De­ba­te e po­lí­ti­cas pú­bli­cas são saí­das

Correio da Bahia - - Mais -

A vi­o­lên­cia da so­ci­e­da­de afe­ta di­re­ta­men­te a es­co­la e os alu­nos. De acor­do com a pro­fes­so­ra de Pe­da­go­gia da FTC, que tam­bém le­ci­o­na na re­de pú­bli­ca, Ad­ma­ri Ca­ja­do, o fenô­me­no não é ex­clu­si­vo pa­ra a vi­o­lên­cia. “Tu­do o que acon­te­ce na so­ci­e­da­de, na ver­da­de, afe­ta a es­co­la”, dis­se.

“O pro­fes­sor, às ve­zes, é o pri­mei­ro que per­ce­be quan­do exis­te um con­tex­to de vi­o­lên­cia mui­to sé­ria na fa­mí­lia, de de­ses­tru­tu­ra­ção fa­mi­li­ar, de fal­ta de apoio des­se nú­cleo pri­má­rio. Os pro­fes­so­res fi­cam no meio des­se ce­ná­rio. Nós pro­cu­ra­mos sem­pre con­ver­sar com os ado­les­cen­tes e cri­an­ças so­bre is­so. A fa­la tem po­der de ex­te­ri­o­ri­zar e resolver con­fli­tos”, de­fen­deu ela.

A pro­fes­so­ra afir­mou, po­rém, que a con­ver­sa deve “ex­tra­po­lar os mu­ros da es­co­la” pa­ra al­can­çar po­lí­ti­cas pú­bli­cas das se­cre­ta­ri­as municipais e es­ta­du­ais e da pró­pria Po­lí­cia Mi­li­tar.

A co­or­de­na­do­ra do Sindicato dos Tra­ba­lha­do­res em Educação do Estado da Bahia (APLB), Marilene Be­tros, afir­mou que co­bra mai­or se­gu­ran­ça nas es­co­las e par­ti­ci­pa­ção “efe­ti­va” dos ór­gãos es­ta­du­ais e municipais. “A gen­te en­ten­de que é pre­ci­so cri­ar me­ca­nis­mos pa­ra de­ba­ter se­gu­ran­ça nas es­co­las”. Ela des­ta­cou ain­da a pre­sen­ça de por­tei­ros e po­li­ci­ais mais bem trei­na­dos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.