Vi­o­lên­cia e seus im­pac­tos na apren­di­za­gem

Correio da Bahia - - Mais - *COM SU­PER­VI­SÃO DO CHE­FE DE RE­POR­TA­GEM JOR­GE GAUTHIER *DOU­TOR EM EDUACAÇÃO PELA UFBA E PRO­FES­SOR LEIA AR­TI­GO DE LE­O­NAR­DO RAN­GEL EM CORREIO24HORAS.COM.BR

O me­ni­no te­ria si­do ame­a­ça­do. “Dis­se que ‘es­tou­ra­ria os mi­o­los’. Não é a primeira vez que os po­li­ci­ais che­gam na co­mu­ni­da­de com tru­cu­lên­cia. O me­ni­no es­tá bas­tan­te aba­la­do”, dis­se uma das ti­as que cri­am o ga­ro­to.

Se­gun­do ela, o me­ni­no não sa­be por que foi ba­le­a­do. “No hos­pi­tal, quan­do ele viu a pri­ma, cho­rou mui­to e con­tou que não sa­be por­que foi ba­le­a­do”, dis­se a mu­lher. A fa­mí­lia pre­ten­de pro­cu­rar a Cor­re­ge­do­ria da PM. A SSP-BA dis­se que quei­xas de­vem ser for­ma­li­za­das lá.

Um dos tiros che­gou a atin­gir a ja­ne­la de um so­bra­do on­de mo­ra uma mu­lher ido­sa. Ela não foi atingida.

No fi­nal da ma­nhã de on­tem, fa­mi­li­a­res e ami­gos do es­tu­dan­te fi­ze­ram uma ma­ni­fes­ta­ção em fren­te ao co­lé­gio. Com fai­xas e car­ta­zes, eles pe­di­ram por jus­ti­ça e co­bra­ram se­ri­e­da­de nas in­ves­ti­ga­ções. Ou­tro pro­tet­so ocor­reu por vol­ta das 18h30.

Es­tu­dan­tes que fa­zi­am pro­va no mo­men­to dos dis­pa­ros re­la­ta­ram que não hou­ve tro­ca de tiros e que três po­li­ci­ais en­tra­ram na es­co­la. Se­gun­do a Se­cre­ta­ria da Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca da Bahia (SSP-BA), fun­ci­o­ná­ri­os das du­as es­co­las não sou­be­ram di­zer se o cri­me acon­te­ceu den­tro ou fo­ra das uni­da­des. Ape­sar dis­so, a re­por­ta­gem do COR­REIO ob­ser­vou ras­tros de san­gue par­tin­do do por­tão do Co­lé­gio Es­ta­du­al, que fi­ca ao la­do da Es­co­la Mu­ni­ci­pal.

Umas das qua­dras fi­ca no ter­re­no en­tre as du­as es­co­las e os dis­pa­ros ocor­re­ram nu­ma se­gun­da qua­dra, que fi­ca ao fun­do, pró­xi­mo aos pa­vi­lhões do Co­lé­gio Es­ta­du­al.

Se­gun­do a Se­cre­ta­ria Mu­ni­ci­pal de Educação (Smed), o ca­so ocor­reu “na qua­dra de es­por­tes lo­ca­li­za­da na área co­mum da uni­da­de e do Co­lé­gio Es­ta­du­al de mes­mo no­me”. Já a Se­cre­ta­ria da Educação da Bahia (SEC) afir­mou que a qua­dra em que o alu­no foi atin­gi­do é de uso ex­clu­si­vo da Es­co­la Mu­ni­ci­pal e, por­tan­to, não te­ria li­ga­ções com o Co­lé­gio Es­ta­du­al vizinho.

“O ca­so es­tá sen­do apu­ra­do pela 6ª De­le­ga­cia (Bro­tas), com mo­ti­va­ção pre­li­mi­nar de re­la­ção com trá­fi­co de dro­gas”, dis­se a SSP-BA. A pas­ta acres­cen­tou que ape­nas a in­ves­ti­ga­ção, que es­tá em cur­so, po­de­rá de­ter­mi­nar se o dis­pa­ro que atin­giu o ado­les­cen­te veio de den­tro ou de fo­ra da es­co­la.

On­tem, as du­as es­co­las fun­ci­o­na­ram nor­mal­men­te. A es­co­la mu­ni­ci­pal, on­de a ví­ti­ma es­tu­da, con­ta com 686 alu­nos e aten­de a pré-es­co­la, En­si­no Fun­da­men­tal I e Educação de Jo­vens e Adul­tos (EJA). Já a es­co­la es­ta­du­al con­ta 1.102 alu­nos dos En­si­no Fun­da­men­tal II, En­si­no Mé­dio e Pro­fis­si­o­na­li­zan­te. Nos úl­ti­mos tem­pos, tem si­do co­mum to­mar­mos co­nhe­ci­men­to de uma sé­rie de no­tí­ci­as en­vol­ven­do epi­só­di­os de vi­o­lên­cia no ambiente es­co­lar que aca­bam com­pro­me­ten­do o ren­di­men­to dos alu­nos e pro­vo­can­do uma sen­sa­ção de in­se­gu­ran­ça no es­pa­ço sa­gra­do do apren­der.

Te­mos re­la­tos de di­ver­sos ti­pos de vi­o­lên­cia que ocor­rem no in­te­ri­or da es­co­la co­mo bullying, agres­sões fí­si­cas e ver­bais, fur­tos e rou­bos, con­fli­tos en­tre pro­fes­so­res e alu­nos que ge­ram cons­tran­gi­men­tos e mal-es­tar nos ato­res en­vol­vi­dos no pro­ces­so de en­si­no-apren­di­za­gem. Ade­mais, tes­te­mu­nha­mos, fre­quen­te­men­te, no­tí­ci­as de ar­ras­tões, de­sa­ven­ças en­tre fac­ções ri­vais, ti­ro­tei­os, mor­tes e ba­las per­di­das pro­vo­ca­das pe­lo fenô­me­no da vi­o­lên­cia ur­ba­na que atin­ge a so­ci­e­da­de bra­si­lei­ra atra­ves­san­do os mu­ros da es­co­la, cau­san­do uma sen­sa­ção de pâ­ni­co e me­do na co­mu­ni­da­de es­co­lar de di­ver­sos sis­te­mas de en­si­no do país.

Nes­se úl­ti­mo ca­so, a es­co­la se tor­na re­pro­du­to­ra da vi­o­lên­cia so­ci­al na me­di­da em que pro­ble­mas do mun­do ex­ter­no in­ter­fe­rem no de­sen­vol­vi­men­to e efe­ti­vi­da­de do tra­ba­lho pe­da­gó­gi­co re­a­li­za­do es­pe­ci­al­men­te no sis­te­ma pú­bli­co de en­si­no: au­men­ta a in­ci­dên­cia de re­gis­tros de in­ci­vi­li­da­de, in­dis­ci­pli­na e des­res­pei­to à au­to­ri­da­de pe­da­gó­gi­ca, a eva­são es­co­lar dis­pa­ra, pro­fis­si­o­nais da es­co­la en­tram em li­cen­ça mé­di­ca em fun­ção de trans­tor­nos psi­co­ló­gi­cos va­ri­a­dos ge­ra­dos por ex­po­si­ção a si­tu­a­ções de es­tres­se e me­do, os pais ma­ni­fes­tam pre­o­cu­pa­ção com a se­gu­ran­ça de seus fi­lhos no ambiente es­co­lar, etc. Além dis­so, te­mos mais um agra­van­te: o po­der pú­bli­co não cos­tu­ma dar uma aten­ção es­pe­ci­al as con­di­ções bá­si­cas de fun­ci­o­na­men­to de uma uni­da­de es­co­lar, ou se­ja, a in­fra­es­tru­tu­ra e se­gu­ran­ça in­ter­nas são pre­cá­ri­as com au­sên­cia de re­cur­sos hu­ma­nos e ma­te­ri­ais ne­ces­sá­ri­os pa­ra um apren­di­za­do mais efi­ci­en­te e efi­caz.

Quan­do men­ci­o­na­mos que a es­co­la re­fle­te a so­ci­e­da­de na qual es­tá in­se­ri­da, tal afir­ma­ção não é in­cor­re­ta. A re­a­li­da­de bra­si­lei­ra nos apre­sen­ta uma sé­rie de con­tras­tes e pro­ble­mas en­tre os quais se des­ta­cam: es­pan­to­sas de­si­gual­da­des so­ci­ais e de ren­da, bai­xo ní­vel de es­co­la­ri­da­de (mais da me­ta­de da po­pu­la­ção aci­ma de 25 anos pos­sui ape­nas en­si­no fun­da­men­tal com­ple­to) e con­si­de­rá­vel con­tin­gen­te de de­sem­pre­ga­dos. Tais pro­ble­mas pro­du­zem efei­tos so­ci­ais co­mo, por exem­plo, au­men­to da vi­o­lên­cia ur­ba­na no país que re­per­cu­te tam­bém nos es­pa­ços es­co­la­res.

Es­tu­do di­vul­ga­do mês pas­sa­do pe­lo Uni­cef mos­tra que 32 milhões de cri­an­ças e ado­les­cen­tes com me­nos de 18 anos vi­vem em con­di­ções de po­bre­za no Bra­sil, ou se­ja, além de mo­ne­ta­ri­a­men­te po­bres (fa­mí­lia com ren­da in­fe­ri­or a R$ 346 por pes­soa por mês na zo­na ur­ba­na e R$ 269 na zo­na ru­ral), es­tão pri­va­dos de um ou mais di­rei­tos bá­si­cos co­mo educação, in­for­ma­ção (aces­so à in­ter­net e tam­bém à TV), água, sa­ne­a­men­to bá­si­co, mo­ra­dia e pro­te­ção con­tra o tra­ba­lho in­fan­til.

Se o po­der pú­bli­co não am­pli­ar o al­can­ce de po­lí­ti­cas so­ci­o­e­du­ca­ci­o­nais mais in­clu­si­vas e pro­mo­ver ações pa­ra tor­nar a educação es­co­lar mais efi­ci­en­te, atraente e se­gu­ra pa­ra alu­nos, pro­fis­si­o­nais da educação, pais e co­mu­ni­da­de, o Bra­sil con­ti­nu­a­rá as­sis­tin­do ce­nas ver­go­nho­sas de vi­o­lên­cia nos es­pa­ços es­co­la­res e es­ta­rá fa­da­do a ser o eter­no “país do fu­tu­ro” e “nos­sa es­co­la uma ca­la­mi­da­de”, co­mo afir­ma­ra o sau­do­so Darcy Ri­bei­ro.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.