Pai da ví­ti­ma afirma que fo­ra­gi­do não agiu so­zi­nho

Correio da Bahia - - Mais -

e que ele foi no shop­ping aju­dar o fi­lho”, de­ta­lhou.

Ima­gens di­vul­ga­das no dia 18 de agos­to mos­tram o sus­pei­to no Sal­va­dor Shop­ping, com ca­mi­sa so­ci­al azul. No mo­men­to, ele es­ta­va com a ví­ti­ma e fez com­pras no pró­prio shop­ping com o car­tão de Mi­chel.

O em­pre­sá­rio acres­cen­tou em seu de­poi­men­to que, no ca­mi­nho pa­ra a de­le­ga­cia, no­tou que es­ta­va de ber­mu­da e que, por­tan­to, te­ria que tro­car de rou­pa. “En­tão, ele fa­lou que re­tor­nou ao shop­ping, mas as ima­gens só mos­tram eles sain­do com a ví­ti­ma, o re­tor­no não acon­te­ce. Is­so leva a crer que eles es­ti­ve­ram na ce­na do cri­me e, por is­so, se­rão in­di­ci­a­dos”.

Ita­zil e Mau­rí­cio dis­se­ram, a prin­cí­pio, que se­quer ha­vi­am ti­do con­ta­to com Mi­chel den­tro do car­ro da ví­ti­ma, mas ti­ve­ram que ad­mi­tir após se re­co­nhe­ce­rem nas ima­gens mos­tra­das a eles por po­li­ci­ais. “Fa­la­ram: ‘Es­que­ce­mos es­ses de­ta­lhes’”, com­ple­tou a fon­te.

A re­por­ta­gem te­ve aces­so ain­da à in­for­ma­ção de que a po­lí­cia che­gou a três mu­lhe­res, na lo­ca­li­da­de de Bar­ra de Po­ju­ca, Re­gião Me­tro­po­li­ta­na de Sal­va­dor (RMS), que te­ri­am da­do abri­go ao au­tor con­fes­so. Elas fo­ram ou­vi­das e li­be­ra­das. Em de­poi­men­to, dis­se­ram que o fo­ra­gi­do afir­mou ter ‘ma­ta­do um ho­mem em Sal­va­dor’, e saiu da casa de­las di­zen­do que ia em­bo­ra do estado.

Du­ran­te as in­ves­ti­ga­ções, a Po­lí­cia Ci­vil che­gou a di­vul­gar fotos do mo­to­ris­ta Lu­ci­a­no Pi­nho da Silva, 35, apon­ta­do à épo­ca co­mo co­au­tor do cri­me. Mas o ra­paz se apre­sen­tou na De­le­ga­cia de Re­pres­são a Fur­tos e Rou­bos de Veí­cu­los (DRFRV) no dia 22 de agos­to e, após pas­sar seis di­as pre­so, foi li­be­ra­do após se­gun­do in­ter­ro­ga­tó­rio.

Lu­ci­a­no pro­vou, por meio de de­cla­ra­ção da em­pre­sa em que tra­ba­lha, que es­ta­va em ser­vi­ço no dia do cri­me. Con­for­me o ad­vo­ga­do do ra­paz, Jo­el Men­des, o GPS do car­ro do cli­en­te tam­bém mos­trou que ele não pas­sou pela ‘tri­lha do cri­me’.

À épo­ca, a po­lí­cia afir­mou que “não ha­via a ne­ces­si­da­de da ma­nu­ten­ção da pri­são de Lu­ci­a­no (que era tem­po­rá­ria), por­que a pri­são cum­priu a fi­na­li­da­de na in­ves­ti­ga­ção”.

Ga­bri­el con­fes­sou o cri­me ao ad­vo­ga­do Hud­son Dan­tas e a fa­mi­li­a­res, mas não in­for­mou a mo­ti­va­ção. O ad­vo­ga­do, que não re­pre­sen­ta mais Ga­bri­el, afir­mou, tam­bém, que pai e fi­lho tra­ba­lha­vam com com­pra e ven­da de car­ros na Ave­ni­da Bo­nocô. Dan­tas de­fen­de Mau­rí­cio e Ita­zil, mas dis­se que não ia co­men­tar o as­sun­to. Pai do servidor Mi­chel Ba­tis­ta San­ta­na de Sá, o su­plen­te Ar­nan­do Les­sa dis­se ao COR­REIO que sem­pre te­ve a cer­te­za de que Ga­bri­el es­ta­va ten­tan­do pro­te­ger uma pes­soa pró­xi­ma.

“Eu sem­pre acre­di­tei que o pa­dras­to e o mo­to­ris­ta do as­sas­si­no do meu fi­lho es­ti­ve­ram na ce­na do cri­me. E, ain­da, na tra­ma de rou­bo do car­ro (de Mi­chel). Não sei até que pon­to es­ti­ve­ram pre­sen­tes e o pa­pel de ca­da um na exe­cu­ção, mas sei que uma pes­soa só não te­ria con­se­gui­do fi­na­li­zar a bar­bá­rie”, afir­mou Ar­nan­do.

Les­sa re­le­vou que ele mes­mo le­vou ao co­nhe­ci­men­to da po­lí­cia a sus­pei­ta do en­vol­vi­men­to de Mau­rí­cio Lu­cas de Tei­ve e Ar­go­lo e Ita­zilMo­rei­ra dos Santos. “Eu re­ce­bi vá­ri­as de­nún­ci­as anô­ni­mas fa­lan­do do his­tó­ri­co cri­mi­nal do pai ado­ti­vo de Ga­bri­el, cor­ri atrás e le­vei ao co­nhe­ci­men­to do de­le­ga­do”.

Ar­nan­do con­fir­mou ao COR­REIO a in­for­ma­ção de que ima­gens mos­tram a ví­ti- ma acom­pa­nha­da dos três Ga­bri­el, Mau­rí­cio e Ita­zil na tar­de do cri­me e, ain­da, so­bre o con­teú­do con­tra­di­tó­rio dos de­poi­men­tos tan­to do em­pre­sá­rio qu­an­to do mo­to­ris­ta.

O COR­REIO apu­rou que Ga­bri­el mo­ra­va no bair­ro de Na­ran­di­ba, e o pa­dras­to, na Pa­ra­le­la. Ar­nan­do Les­sa co­men­tou com a re­por­ta­gem que co­nhe­ceu o pai bi­o­ló­gi­co do as­sas­si­no do seu fi­lho, a quem se re­fe­riu co­mo “um co­mer­ci­an­te, tra­ba­lha­dor ho­nes­to, que não par­ti­ci­pou da for­ma­ção do ra­paz”.

Em tom de in­dig­na­ção, Les­sa dis­se que aguar­da que até ama­nhã - sexta - se­ja de­cre­ta­da a pri­são de Mau­rí­cio e Ita­zil. “Acom­pa­nho as in­ves­ti­ga­ções des­de o pri­mei­ro dia. Se­ma­na que vem com­ple­ta um mês do as­sas­si­na­to do meu fi­lho e eu te­nho mui­ta con­fi­an­ça que a po­lí­cia vai elu­ci­dar o ca­so lo­go”, con­cluiu.

O De­par­ta­men­to de Cri­mes Con­tra o Pa­trimô­nio (DCCP), por meio da De­le­ga­cia de Re­pres­são a Fur­tos e Rou­bos de Veí­cu­los (DRFRV), in­ves­ti­ga o cri­me.

Ar­nan­do, que cri­ou Mi­chel, le­vou à po­lí­cia de­nún­ci­as con­tra pai de Ga­bri­el

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.