Oes­te é a re­gião mais afe­ta­da

Correio da Bahia - - Mais -

Se­gun­do a ONG Ob­ser­va­tó­rio do Cli­ma, a Bahia per­deu qua­se 4 milhões de hec­ta­res de áre­as de flo­res­tas en­tre

1985 e 2017, ano em que fo­ram re­gis­tra­dos 26,7 milhões de hec­ta­res com flo­res­tas na­ti­vas. As per­das se dão por in­cên­di­os e des­ma­ta­men­to flo­res­tal pa­ra ex­plo­ra­ção de ma­dei­ra e cri­a­ção de pas­ta­gens.

Em 2017, fo­ram re­gis­tra­das ocor­rên­ci­as de in­cên­di­os flo­res­tais em to­do o estado da Bahia, sen­do os mai­o­res nú­me­ros de ocor­rên­ci­as em Pi­lão Ar­ca­do, For­mo­sa do Rio Pre­to, Cor­ren­ti­na, São De­si­dé­rio, San­ta Ri­ta de Cás­sia, Bar­ra, Bar­rei­ras, Ja­bo­ran­di, Co­cos, Ri­a­chão das Neves, Luís Eduardo Ma­ga­lhães, Rio do Pi­res, Pi­a­tã e Rio de Con­tas.

Pes­qui­sa­dor da ONG, o es­pe­ci­a­lis­ta em Ge­o­tec­no­lo­gi­as Washing­ton Franca in­for­ma que os mu­ni­cí­pi­os que têm mais fo­cos de ca­lor (in­cên­di­os ou qu­ei­ma­das) du­ran­te os úl­ti­mos dez anos são os do Oes­te da Bahia: For­mo­sa do Rio Pre­to, São De­si­dé­rio, San­ta Ri­ta de Cás­sia, Bar­ra, Co­cos, Cor­ren­ti­na e Co­te­gi­pe.

“For­mo­sa do Rio Pre­to é o que apre­sen­ta mai­or nú­me­ro de fo­cos de ca­lor du­ran­te os 10 anos de ob­ser­va­ções, es­se fa­to po­de es­tar re­la­ci­o­na­do ao fa­to des­se mu­ni­cí­pio pos­suir mui­tas áre­as ain­da ve­ge­ta­das, ten­do as­sim, ma­te­ri­al com­bus­tí­vel dis­po­ní­vel pa­ra os re­cor­ren­tes in­cên­di­os”, dis­se.

Em Pi­a­tã, na Cha­pa­da Di­a­man­ti­na, ocor­re si­tu­a­ção se­me­lhan­te. A ve­ge­ta­ção que há na área da Ser­ra do Trom­ba tem si­do con­su­mi­da pe­lo fo­go, que se es­pa­lhou com fa­ci­li­da­de com a for­ça dos ven­tos, com as tem­pe­ra­tu­ras re­la­ti­va­men­te al­tas pa­ra es­sa épo­ca do ano – o má­xi­mo foi de 26°C on­tem.

Por lá, es­tá sen­do es­pe­ra­da a che­ga­da do he­li­cóp­te­ro do Gru­pa­men­to Aé­reo (Gra­er), uni­da­de da Po­lí­cia Mi­li­tar da Bahia, au­to­ri­za­do des­de se­gun­da-feira pe­lo go­ver­na­dor Rui Cos­ta pa­ra ser usa­do no com­ba­te ao in­cên­dio.

Sem a ae­ro­na­ve, o tra­ba­lho de bri­ga­dis­tas e mem­bros do Cor­po de Bom­bei­ros tem si­do qua­se do­bra­do por­que os lo­cais on­de as cha­mas es­tão são qua­se im­pos­sí­veis de se­rem al­can­ça­dos por via ter­res­tre. Até o mo­men­to, só uma ae­ro­na­ve mo­to­pla­na­dor do Gra­er (usa­da pa­ra mo­ni­to­ra­men­to) so­bre­vo­ou o lo­cal.

A ae­ro­na­ve é pa­ra atu­ar no trans­por­te dos com­ba­ten­tes (vo­lun­tá­ri­os e do Cor­po de Bom­bei­ros), equi­pa­men­tos, fer­ra­men­tas e lo­gís­ti­ca ne­ces­sá­ria, e re­a­li­za com­ba­te di­re­to atra­vés da uti­li­za­ção do bam­bi-buc­ket, uma es­pé­cie de bolsa pa­ra lan­ça­men­to de água no com­ba­te aé­reo a in­cên­di­os.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.