Pre­fei­tu­ra afir­ma que não po­de in­ter­vir na área

Correio da Bahia - - Mais -

funcionários, uma co­zi­nhei­ra, um gar­çom e um aju­dan­te”, afir­ma Li­di­a­ne.

A em­pre­sá­ria diz que não sa­be o que fa­zer. “Es­tou sem ru­mo. Pre­ci­so con­ser­tar lo­go o cais por­que vem um gru­po de in­gle­ses e o ho­tel já es­tá lo­ta­do pa­ra novembro. Meu re­ceio é co­me­çar a obra e o mar vir no­va­men­te e der­ru­bar tu­do”, afir­mou ela.

Dos no­ve imó­veis que foram der­ru­ba­dos ou en­go­li­dos pe­lo mar, oi­to são es­ta­be­le­ci­men­tos co­mer­ci­ais (ba­res, res­tau­ran­tes e pou­sa­das) e uma ca­sa. “A re­gião da beira-mar era for­ma­da por co­mér­ci­os que ho­je não pas­sam de es­com­bros”, afir­ma Lu­a­na Per­ro­ne, 27, mo­ra­do­ra de um dos con­do­mí­ni­os da re­gião.

A mai­o­ria dos pro­pri­e­tá­ri­os não mo­ra no Bra­sil. São es­tran­gei­ros que che­ga­ram a Ca­cha Pre­gos co­mo tu­ris­tas e que de­pois de­ci­di­ram in­ves­tir no lo­cal. “Eles cos­tu­mam vir aqui só em épo­ca de ve­ra­neio. A do­na de um bar mo­ra na Itá­lia, o do­no de uma pou­sa­da mo­ra na Suí­ça, a pro­pri­e­tá­ria de um res­tau­ran­te es­tá na Es­pa­nha e o do­no de uma ca­sa é um pa­ra­mé­di­co suí­ço. Eles es­tão afli­tos as­sim co­mo nós”, diz Lu­a­na.

O mar con­ti­nua avan­çan­do, se­gun­do os mo­ra­do­res, e já che­gou a uma par­te mais afas­ta­da da or­la, on­de fi­cam con­do­mí­ni­os re­si­den­ci­ais. Em al­gu­mas ca­sas, os mu­ros já foram der­ru­ba­dos.

En­quan­to aguar­dam um po­si­ci­o­na­men­to das au­to­ri­da­des, mo­ra­do­res es­tão fa­zen­do, por con­ta pró­pria, bar­rei­ras pa­ra evi­tar o avan­ço do mar. “Pe­di­mos do­a­ções de pe­dras pa­ra con­ter o avan­ço aos ter­re­nos. Já re­ce­be­mos 12 ca­çam­bas”, dis­se Ana Flá­via Fagundes, mo­ra­do­ra da re­gião.

Se­gun­do ela, a pe­di­do de um co­mer­ci­an­te, uma em­pre­sa de Sal­va­dor fez um es­tu­do na re­gião e apon­tou três al­ter­na­ti­vas pa­ra con­ter o pro­ble­ma. A pri­mei­ra é a téc­ni­ca de en­ron­ca­men­to de pe­dra que são es­tru­tu­ras cons­ti­tuí­das de pe­dras de mão ar­ru­ma­da, ma­ta­cões ou por pe­dras jo­ga­das, que po­dem ser uti­li­za­das na cons­tru­ção de con­ten­ções. A se­gun­da op­ção é um cais de pe­dra, que con­sis­te num ti­po de con­ten­ção de con­cre­ta­gem nu­ma pro­fun­di­da­de mai­or. A ter­cei­ra al­ter­na­ti­va, a mais eco­ló­gi­ca, é a dre­na­gem da areia do mar, atra­vés de um na­vio, pa­ra ser de­po­si­ta­da na fai­xa de areia que foi in­va­di­da pe­lo mar. A Pre­fei­tu­ra de Ve­ra Cruz in­for­mou, atra­vés de no­ta, que es­tá ci­en­te da si­tu­a­ção de al­guns mo­ra­do­res da lo­ca­li­da­de de Ca­cha Pre­gos, “que fi­ze­ram su­as cons­tru­ções avan­ça­das na areia da praia, e que la­men­ta o ocor­ri­do”.

Ape­sar de ser uma área de res­pon­sa­bi­li­da­de da União, re­gu­la­da e fis­ca­li­za­da pe­la Su­pe­rin­ten­dên­cia do Pa­trimô­nio da União da Bahia, o mu­ni­cí­pio en­vi­ou téc­ni­cos ao lo­cal e no­ti­fi­cou os ór­gãos com­pe­ten­tes.

A área tam­bém foi ins­pe­ci­o­na­da pe­lo prefeito Mar­cus Vi­ni­cius. Infelizmente, se­gun­do ele, a le­gis­la­ção não per­mi­te ao mu­ni­cí­pio exe­cu­tar qualquer in­ter­ven­ção em área de Ma­ri­nha e, por is­so, a pre­fei­tu­ra diz aguar­dar a ori­en­ta­ção e au­to­ri­za­ção da SPU pa­ra ve­ri­fi­car em que po­de­rá au­xi­li­ar na si­tu­a­ção.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.