Ro­nal­do Ja­co­bi­na Mu­si­cal so­bre o ex-pre­si­den­te Jus­ce­li­no Ku­bits­chek che­ga a Sal­va­dor no dia 28, no Te­a­tro Is­ba

Correio da Bahia - - Vida - PÁG. 28

me per­do­ei e per­do­ei o Alê. É uma his­tó­ria re­al, não é uma his­tó­ria do ti­po vi­ve­ram fe­li­zes pa­ra sem­pre.

Quan­do Chorão mor­reu, vo­cê re­ce­beu críticas de al­guns fãs e da mí­dia sen­sa­ci­o­na­lis­ta, di­zen­do que vo­cê o ha­via aban­do­na­do, nu­ma ati­tu­de com um quê de ma­chis­mo. Co­mo vo­cê li­dou com a si­tu­a­ção?

Sim, tem ma­chis­mo nes­se ti­po de acu­sa­ção, co­mo se a mu­lher não fos­se ca­paz de pro­te­ger o ído­lo ro­quei­ro do fã. Hou­ve uma ir­res­pon­sa­bi­li­da­de por par­te da mí­dia que pro­pa­gou is­so de for­ma sen­sa­ci­o­na­lis­ta. Exis­tem pes­so­as sé­ri­as e veí­cu­los sé­ri­os, mas vi­ve­mos atu­al­men­te o apo­geu do la­do B da mí­dia, in­cluin­do as re­des so­ci­ais - e, ob­vi­a­men­te, tem as pes­so­as que gos­tam e con­so­mem is­so. Fui atacada num mo­men­to em que eu es­ta­va abai­xo de ze­ro, sem for­ças. Lo­go eu que fi­ca­va nos bas­ti­do­res. Ho­je já me em­po­de­rei. A par­tir de ago­ra, não im­por­ta a opi­nião de nin­guém, eu sei quem eu sou e o que vi­vi com Alê.

Vo­cê diz no li­vro que Chorão ti­nha in­se­gu­ran­ça, com­ple­xo de in­fe­ri­o­ri­da­de e is­so mo­ti­va­va gran­des bri­gas de ciú­me entre o ca­sal. De on­de vi­nha es­sa in­se­gu­ran­ça emo­ci­o­nal?

Vo­cê po­de ter uma fa­mí­lia de cin­co irmãos, edu­cá-los da mes­ma for­ma e, mes­mo as­sim, vai ha­ver pes­so­as com ca­rac­te­rís­ti­cas bem di­fe­ren­tes. Ele, por ser um fi­lho do meio, ido­la­trar o pai e ter um ir­mão mais ve­lho com uma per­so­na­li­da­de for­te e boa pin­ta, bus­ca­va o lu­gar dele. Não que­ro cul­par nin­guém, mas es­sa in­se­gu­ran­ça vi­nha des­se me­ni­no que nun­ca cres­ceu e que es­ta­va den­tro dele. Es­sa in­se­gu­ran­ça apa­re­cia em mui­tos mo­men­tos, as pes­so­as não sa­bi­am co­mo era o re­la­ci­o­na­men­to dele com os me­ni­nos da ban­da. Vi­nha da pró­pria for­ma co­mo ele se via. Alê não con­se­guia en­ten­der a mag­ni­tu­de dele, a importância dele, o ca­ra fo­da que ele era. Te­ve uma ho­ra em que o Charlie Brown era a ban­da mais influente da sua ge­ra­ção e Alê era ar­tis­ta de al­ma, cri­a­va mui­to, vo­cê o conheceu, sa­be do que es­tou fa­lan­do. Era um gê­nio. Na nos­sa ge­ra­ção, só Marcelo D2 po­de ser com­pa­ra­do a ele.

Nos úl­ti­mos anos de vi­da, Chorão fi­cou mais ins­tá­vel, in­cluin­do bri­gas na ban­da e o mai­or con­su­mo de co­caí­na. Vo­cê con­ta que o aju­dou a en­fren­tar a droga, que o le­vou pa­ra con­sul­ta mé­di­ca, pa­ra uma te­ra­pia. O que pi­o­rou a si­tu­a­ção? Os problemas de re­la­ci­o­na­men­to com os me­ni­nos da ban­da e a mor­te do pai con­tri­buí­ram pa­ra is­so, creio.

Seis me­ses de­pois da mor­te de Chorão, Cham­pig­non (bai­xis­ta e gran­de par­cei­ro na ban­da) se sui­ci­dou. O que vo­cê acha que acon­te­ceu?

Es­ta­vá­mos dis­tan­tes na épo­ca. Vou fa­lar uma coi­sa pa­ra vo­cê que eu não co­lo­quei no li­vro: exis­tia amor e ódio na re­la­ção de Alê e Cham­pig­non, uma di­nâ­mi­ca de in­ve­ja bran­ca entre os dois. Já na épo­ca da adi­ção quí­mi­ca, Alê fa­la­va de mo­do bra­bo: “Es­se ca­ra quer seu eu. No meu lu­gar ele não du­ra seis me­ses, tem que ter cu­lhões”. Meu, e exa­ta­men­te seis me­ses de­pois o mo­le­que se ma­tou. Não pos­so es­pe­cu­lar, por­que es­ta­vá­mos dis­tan­tes, foi al­go que me pe­gou de sur­pre­sa quan­do eu ain­da es­ta­va to­tal­men­te imer­sa na per­da do Alê.

Cos­tu­mo di­zer pa­ra co­le­gas e ami­gos que, ape­sar da fa­ma de bad boy, Chorão era ca­ri­nho­so e pro­te­tor com os ami­gos...

Que bom, vo­cê conheceu ele, sim. Era exa­ta­men­te is­so. Por in­se­gu­ran­ça e pa­ra se pro­te­ger, às ve­zes, acho, Alê con­tri­buía pa­ra es­sa fa­ma, mas ele era um ca­ra es­pe­ci­al de­mais.

Ou­ça no si­te www.cor­rei­o24ho­ras.com.br Top 10 de Gra­zi­e­la Gon­çal­ves com as can­ções fa­vo­ri­tas que Chorão compôs pa­ra ela

Pre­ço R$ 49,90 (272 pá­gi­nas)

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.