Im­pul­so ao apren­di­za­do per­so­na­li­za­do

Correio da Bahia - - Mais -

Na área de educação, fer­ra­men­tas do­ta­das de in­te­li­gên­cia ar­ti­fi­ci­al nas es­co­las im­pul­si­o­nam uma experiência de apren­di­za­do mais per­so­na­li­za­do e fo­ca­do nas necessidades de cada es­tu­dan­te, res­pei­tan­do su­as ca­rac­te­rís­ti­cas in­di­vi­du­ais.

Para Mi­ri­an Rodrigues, He­ad de Tec­no­lo­gia da Pe­ar­son Bra­sil, a IA atua co­mo “tu­tor pes­so­al” de apren­di­za­do, já que as má­qui­nas in­te­li­gen­tes têm ca­pa­ci­da­de de ana­li­sar as necessidades dos es­tu­dan­tes a par­tir da ob­ser­va­ção dos er­ros e acer­tos de­les, e su­ge­rir ca­mi­nhos que me­lho­rem o de­sem­pe­nho.

“O ca­mi­nho da educação se tor­na mais in­te­res­san­te para o alu­no, além de atin­gir um ní­vel ele­va­do de eficácia”, acres­cen­ta.

Uma mu­dan­ça no mo­do co­mo o ensino é pra­ti­ca­do hoje, no en­tan­to, não sig­ni­fi­ca a ex­tin­ção da pro­fis­são de pro­fes­sor, de­fen­de Mi­ri­an. “Acho que o pro­fes­sor se tor­na ain­da mais im­por­tan­te nes­sa jor­na­da de trans­for­ma­ção, mas com um papel de ori­en­ta­dor e me­di­a­dor das ex­pe­ri­ên­ci­as prá­ti­cas que ma­xi­mi­zam o apren­di­za­do”, opi­na.

Ain­da de acor­do com

He­ad de Tec­no­lo­gia da Pe­ar­son, es­se pro­fes­sor de um fu­tu­ro cada vez mais pró­xi­mo te­rá de de­sen­vol­ver novas ha­bi­li­da­des para vi­a­bi­li­zar o de­sen­vol­vi­men­to das cha­ma­das “soft-skills” (ha­bi­li­da­des in­ter­pes­so­ais), co­mo o pen­sa­men­to crí­ti­co, so­lu­ção de pro­ble­mas e comunicação, entre ou­tras.

“Pen­so em um fu­tu­ro on­de o pro­fes­sor se­rá o líder que irá en­ga­jar seus alu­nos na so­lu­ção de pro­ble­mas re­ais, na me­lho­ria con­tí­nua das relações hu­ma­nas e no equilíbrio so­ci­al, on­de cer­ta­men­te a tec­no­lo­gia apli­ca­da de ma­nei­ra as­ser­ti­va tra­rá a abun­dân­cia e o cres­ci­men­to ex­po­nen­ci­al dos re­sul­ta­dos al­me­ja­dos por to­dos”, afir­ma Mi­ri­an Rodrigues.

O Bra­sil dá os pri­mei­ros pas­sos na união entre in­te­li­gên­cia ar­ti­fi­ci­al e educação. Mas o te­ma es­tá em as­cen­são no país, em­bo­ra a ade­são às novas tec­no­lo­gi­as den­tro das es­co­las ain­da se­ja bai­xa, res­sal­ta Mi­ri­an Rodrigues.

Ela ci­ta um exem­plo de pla­ta­for­ma da Pe­ar­son, de apren­di­za­do per­so­na­li­za­do do­ta­do de IA, vol­ta­da para cur­sos de idi­o­mas. A fer­ra­men­ta fun­ci­o­na co­mo as­sis­ten­te pes­so­al: ob­ser­va os er­ros e acer­tos dos alu­nos nos exer­cí­ci­os e su­ge­re quais ati­vi­da­des de­vem ser mais exploradas e quais as­sun­tos o alu­no de­mons­trou do­mí­nio.

No ex­te­ri­or, as ex­pe­ri­ên­ci­as com IA e educação es­tão mais avan­ça­das, com o Ca­na­dá, se­gun­do Mi­ri­an, en­ca­be­çan­do a lista dos paí­ses que se des­ta­cam no setor.

“Tam­bém te­nho exem­plos de paí­ses em de­sen­vol­vi­men­to co­mo a Ín­dia, on­de um novo sis­te­ma de ensino 100% di­gi­tal chamado de MyPe­dia cap­tu­ra e ana­li­sa os re­sul­ta­dos dos alu­nos, mo­ni­to­ra e de­mons­tra re­la­tó­ri­os do ín­di­ce de eficácia do apren­di­za­do in­di­vi­du­al e faz re­co­men­da­ções.

Wiz.me Pla­ta­for­ma de ensino adap­ta­ti­vo que con­cen­tra ati­vi­da­des para os di­fe­ren­tes ti­pos de per­fis que bus­cam apren­der in­glês. En­via men­sa­gens pe­rió­di­cas para que os alu­nos lem­brem de es­tu­dar tam­bém fo­ra da sa­la de au­la, me­lho­ran­do o de­sem­pe­nho.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.