Co­mi­da na­tu­ral me­lho­ra vida do di­a­bé­ti­co

Correio da Bahia - - Mais - *COM SU­PER­VI­SÃO DO CHEFE DE RE­POR­TA­GEM JOR­GE GAUTHIER

leva à de­fi­ci­ên­cia completa na pro­du­ção de in­su­li­na”.

De acor­do com o Mi­nis­té­rio da Saú­de, em­bo­ra os ca­sos es­te­jam aumentando, cor­res­pon­dem a ape­nas 5% a 10% de to­dos as ocor­rên­ci­as de di­a­be­tes no país. Já a di­a­be­tes ti­po 2, que atin­ge cer­ca de 95% da po­pu­la­ção di­a­bé­ti­ca do país, “en­vol­ve com­po­nen­tes ge­né­ti­cos e am­bi­en­tais, a exem­plo do his­tó­ri­co fa­mi­li­ar da do­en­ça, avan­çar da ida­de, obe­si­da­de, se­den­ta­ris­mo, di­ag­nós­ti­co pré­vio de pré-di­a­be­tes ou di­a­be­tes mel­li­tus ges­ta­ci­o­nal (DMG), além da pre­sen­ça de com­po­nen­tes me­ta­bó­li­cos, co­mo hi­per­ten­são ar­te­ri­al e co­les­te­rol al­to (dis­li­pi­de­mia)”.

Por fim, o di­a­be­tes ges­ta­ci­o­nal se apre­sen­ta co­mo uma in­to­le­rân­cia a car­boi­dra­tos de gra­vi­da­de va­riá­vel, que se ini­ci­ou du­ran­te a ges­ta­ção em mulher que não pre­en­chia os cri­té­ri­os de di­ag­nós­ti­cos de di­a­be­tes mel­li­tus. A do­en­ça traz ris­cos tan­to para a mãe qu­an­to para o fe­to e o recém-nas­ci­do, sen­do ge­ral­men­te di­ag­nos­ti­ca­da no se­gun­do ou ter­cei­ro tri­mes­tre de ges­ta­ção.

Os mé­di­cos e es­pe­ci­a­lis­tas não cha­mam tan­to a aten­ção para os cui­da­dos com os pés à toa. Tu­do is­so tem uma explicação, que se re­fle­te nos nú­me­ros de am­pu­ta­ções de membros in­fe­ri­o­res de pa­ci­en­tes di­a­bé­ti­cos.

Se­gun­do a Se­sab, entre 2010 e 2017 foram fei­tas 2.552 ci­rur­gi­as de am­pu­ta­ção de membros in­fe­ri­o­res, sen­do 1.076 pro­ce­di­men­tos de de­sar­ti­cu­la­ção de pé. Ode­li­sa ex­pli­ca que “o chamado pé di­a­bé­ti­co é uma si­tu­a­ção clí­ni­ca que de­cor­re da pre­sen­ça de in­fec­ção, úl­ce­ra ou des­trui­ção de te­ci­dos. Es­sa é a mai­or cau­sa de am­pu­ta­ção dos membros in­fe­ri­o­res.

A mé­di­ca tam­bém res­sal­tou que o pé di­a­bé­ti­co “leva a al­te­ra­ções or­to­pé­di­cas, de os­sos, e os pa­ci­en­tes têm um pi­sar di­fe­ren­te, aumentando o risco de ca­lo­si­da­des, que po­dem se trans­for­mar em fe­ri­das”. No en­tan­to, Ode­li­sa as­se­gu­rou que exis­te pre­ven­ção ao pé di­a­bé­ti­co, desde que o pa­ci­en­te se­ja ori­en­ta­do a fa­zer uma hi­gi­e­ne diá­ria do pé, tra­ta­men­to da pe­le. Para quem tem di­a­be­tes, a ali­men­ta­ção é fa­tor cru­ci­al no tra­ta­men­to. A orientação dos es­pe­ci­a­lis­tas é aumentar o con­su­mo de ali­men­tos na­tu­rais e re­du­zir ao máximo a in­ges­tão de pro­du­tos in­dus­tri­a­li­za­dos. Fru­tas, ver­du­ras, le­gu­mes e grãos são os mais re­co­men­da­dos.

Se­gun­do a pro­fes­so­ra de Nu­tri­ção da Fa­cul­da­de de Tec­no­lo­gia e Ci­ên­cia (FTC) Thaís Vi­a­na, o fa­re­lo de aveia é um dos ali­men­tos com me­lhor resultado na re­du­ção da gli­ce­mia e um dos mais fle­xí­veis, po­den­do ser usa­do com di­fe­ren­tes ti­pos de ali­men­tos. “Um dos er­ros mais co­muns de quem tem o di­a­be­tes é subs­ti­tuir o pão pe­lo bis­coi­to de água e sal, achan­do que is­so ajuda. Os efei­tos dos dois são muito pa­re­ci­dos, en­tão, não adi­an­ta trocar um pe­lo ou­tro. É pre­ci­so abrir mão dos pro­du­tos in­dus­tri­a­li­za­dos e con­su­mir in na­tu­ra, além de pre­fe­rir pro­du­tos in­te­grais”, dis­se.

Sa­la­das tam­bém de­vem es­tar entre as pri­o­ri­da­des de quem tem di­a­be­tes. Os ali­men­tos crus são mais re­co­men­da­dos que os co­zi­dos por­que con­têm mais fi­bras. Se­gun­do a en­do­cri­no­lo­gis­ta Ali­na Fei­to­sa, ou­tro mi­to es­tá re­la­ci­o­na­do às fru­tas, que, ao con­trá­rio do que mui­tos pen­sam, não é um pro­ble­ma. “Os pa­ci­en­tes che­gam no con­sul­tó­rio achan­do que não po­dem comer fru­tas ou be­ter­ra­ba, por exem­plo, por­que são do­ces, mas es­ses ali­men­tos têm fi­bras que aju­dam a ab­sor­ver a fru­to­se. É im­por­tan­te pro­cu­rar um es­pe­ci­a­lis­ta para evi­tar es­ses mi­tos”, afir­mou.

Os di­a­bé­ti­cos de­vem se­guir a mes­ma orientação de quem não tem a do­en­ça. Res­pei­tar o ca­fé da ma­nhã, o al­mo­ço e a jan­ta, além de fa­zer lan­ches nos in­ter­va­los, e comer a cada 3 horas.

4 Raí­zes co­mo ba­ta­ta-do­ce, ai­pim e inha­me;

On­de tem ajuda? Hos­pi­tal Ge­ral Er­nes­to Si­mões Fi­lho, Hos­pi­tal do Su­búr­bio, Hos­pi­tal Ge­ral Roberto San­tos, Hos­pi­tal Ana Nery, Hos­pi­tal Ge­ral do Es­ta­do e Elá­dio Las­ser­re.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.