Pre­fei­tu­ra sus­pen­de anuê­nio e li­cen­ça-prê­mio pa­ra co­mis­si­o­na­dos

Pre­fei­to de Lon­dri­na aca­ba, via de­cre­to, com anuê­nio e quinquê­nio pa­ra ser­vi­do­res não con­cur­sa­dos; ve­re­a­dor ques­ti­o­na me­di­da e Exe­cu­ti­vo en­via pro­je­to de lei pa­ra ex­tin­guir be­nes­ses tam­bém a co­mis­si­o­na­dos da Câ­ma­ra

Folha de Londrina - - Primeira Página - Lo­ri­a­ne Co­me­li Re­por­ta­gem Lo­cal

De­cre­to as­si­na­do por Mar­ce­lo Be­li­na­ti in­ter­rom­pe pa­ga­men­tos a ser­vi­do­res não con­cur­sa­dos, be­ne­fí­ci­os con­si­de­ra­dos ile­gais e in­cons­ti­tu­ci­o­nais pe­lo TC e pe­lo MP. Exe­cu­ti­vo não sou­be in­for­mar nú­me­ro de pes­so­as atin­gi­das pe­la me­di­da e im­pac­to fi­nan­cei­ro. Con­tro­la­dor-ge­ral do mu­ni­cí­pio diz que sus­pen­são é “uma me­di­da de cau­te­la”, já que o TC abriu pro­ce­di­men­to de to­ma­da de con­tas con­tra ges­to­res an­te­ri­o­res que mantiveram os pa­ga­men­tos. De­cre­to não incide so­bre os co­mis­si­o­na­dos da Câ­ma­ra, que tem a mai­o­ria dos ser­vi­do­res em car­gos de con­fi­an­ça e gas­to bem mai­or

Em de­cre­to pu­bli­ca­do no úl­ti­mo dia 10, o pre­fei­to de Lon­dri­na, Mar­ce­lo Be­li­na­ti (PP), de­ter­mi­nou a sus­pen­são do pa­ga­men­to do adi­ci­o­nal por tem­po de ser­vi­ço (anuê­nio) e da li­cen­ça-prê­mio (quinquê­nio) aos ser­vi­do­res co­mis­si­o­na­dos, be­ne­fí­ci­os con­si­de­ra­dos ile­gais e in­cons­ti­tu­ci­o­nais pe­lo Tri­bu­nal de Con­tas (TC) do Pa­ra­ná e pe­lo Mi­nis­té­rio Pú­bli­co (MP). A me­di­da, re­tro­a­ti­va a 1º de ja­nei­ro, va­le ape­nas pa­ra os co­mis­si­o­na­dos da pre­fei­tu­ra, mas, no go­ver­no, nin­guém sou­be in­for­mar qu­an­tas pes­so­as se­ri­am atin­gi­das pe­la me­di­da e qual o im­pac­to fi­nan­cei­ro. O de­cre­to não incide so­bre os co­mis­si­o­na­dos da Câ­ma­ra Mu­ni­ci­pal, on­de es­tá a mai­o­ria dos ser­vi­do­res em car­go de con­fi­an­ça e o gas­to é bem mai­or.

O con­tro­la­dor-ge­ral do mu­ni­cí­pio, João Carlos Bar­bo­sa Perez, dis­se que tra­ta­se de “uma me­di­da de pre­cau­ção e de cau­te­la do pre­fei­to”. “O Tri­bu­nal de Con­tas abriu pro­ce­di­men­to de to­ma­da de con­tas con­tra to­dos os ou­tros ges­to­res; é um en­ten­di­men­to con­so­li­da­do de que o pa­ga­men­to é ir­re­gu­lar.” Em 2011, ao jul­gar con­sul­ta do mu­ni­cí­pio de Aba­tiá, o TC pro­fe­riu o acór­dão 1608, con­si­de­ran­do a con­ces­são des­ses be­ne­fí­ci­os ile­gal. O en­ten­di­men­to é de que são be­ne­fí­ci­os ex­clu­si­vos pa­ra in­cen­ti­var o ser­vi- dor pú­bli­co de car­rei­ra e, por­tan­to, in­com­pa­tí­veis com o ca­rá­ter tran­si­tó­rio do car­go co­mis­si­o­na­do.

Des­de en­tão, se­gun­do Perez, a CGM aler­ta os ges­to­res so­bre o po­si­ci­o­na­men­to do TC e solicita pro­vi­dên­ci­as pa­ra sa­nar a ile­ga­li­da­de. “No iní­cio de ca­da no­va gestão, fa­ze­mos es­te aler­ta.” En­tre­tan­to, os ges­to­res an­te­ri­o­res – tan­to na pre­fei­tu­ra qu­an­to na Câ­ma­ra – não de­ram uma so­lu­ção. To­dos res­pon­dem a pro­ces­sos es­pe­ci­ais de to­ma­da de con­tas, co­mo no­ti­ci­ou a FO­LHA em ja­nei­ro: os ex-pre­fei­tos Alexandre Ki­re­eff (2013-2016); Ger­son Araújo (se­tem­bro a de­zem­bro/2012); Joaquim Jo­sé Ri­bei­ro (agos­to e se­tem­bro/2012); e Bar­bo­sa Ne­to (maio/2009 e ju­lho/2012) e os ex-pre­si­den­tes da Câ­ma­ra Fá­bio Tes­ta, o Pro­fes­sor Fa­bi­nho (2015 e 2016); Rony dos San­tos Al­ves (se­tem­bro de 2012 a 2014); e de no­vo Ger­son Araújo (2011 e 2012).

Aliás, a in­ves­ti­ga­ção no TC co­me­çou em se­tem­bro do ano pas­sa­do, após re­por­ta­gem da FO­LHA so­bre re­co­men­da­ção ad­mi­nis­tra­ti­va da Pro­mo­to­ria de De­fe­sa do Pa­trimô­nio Pú­bli­co, ex­pe­di­da em agos­to, ao en­tão pre­fei­to Alexandre Ki­re­eff e aos ve­re­a­do­res, pa­ra que re­vo­gas­sem os ar­ti­gos do Es­ta­tu­to do Ser­vi­dor que per­mi­tem o pa­ga­men­to de anuê­nio e quinquê­nio a co­mis­si­o­na­dos. Em ou­tu­bro, o ex-pre­fei­to en­vi­ou pro­je­to à Câ­ma­ra, mas, nas úl­ti­mas ses­sões, aca­bou ar­qui­va­do com ape­nas dois vo­tos con­trá­ri­os.

Na Câ­ma­ra, os adi­ci­o­nais fa­zem en­gor­dar os sa­lá­ri­os dos co­mis­si­o­na­dos com mais tem­po de ca­sa. A ca­da ano, re­ce­bem um por cento de au­men­to no sa­lá­rio – há vá­ri­os co­mis­si­o­na­dos com mais de 10 anos de con­tra­to, o cha­ma­do anuê­nio; e a ca­da cin­co anos, têm di­rei­to à li­cen­ça-prê­mio, que con­sis­te em afas­ta­men­to re­mu­ne­ra­do do tra­ba­lho por três me­ses. Em 18 de fe­ve­rei­ro de 2015, a Con­tro­la­do­ria da Câ­ma­ra apon­tou, em au­di­to­ria, que en­tre 2010 e 2014, os be­ne­fí­ci­os de li­cen­ça-prê­mio e anuê­nio cus­ta­ram ape­nas à Câ­ma­ra pou­co mais de R$ 1 mi­lhão.

Na ses­são le­gis­la­ti­va de on­tem, o ve­re­a­dor Rony Al­ves (PTB) ques­ti­o­nou a le­ga­li­da­de da sus­pen­são dos pa­ga­men­tos por de­cre­to, já que os be­ne­fí­ci­os es­tão pre­vis­tos em lei – o Es­ta­tu­to do Ser­vi­dor.

Qu­es­ti­o­na­do so­bre a ra­zão da me­di­da, Be­li­na­ti pre­fe­riu não po­le­mi­zar. “Exis­te o en­ten­di­men­to de dois ór­gãos de con­tro­le, que são o Tri­bu­nal de Con­tas e o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co. Es­ta­mos ape­nas res­pei­tan­do es­ta ori­en­ta­ção”, dis­se. “Va­mos en­ca­mi­nhar o pro­je­to de lei pa­ra re­gu­la­ri­zar es­ta si­tu­a­ção.”

O pro­je­to, se­gun­do o con­tro­la­dor, foi pro­to­co­la­do na Câ­ma­ra na tar­de de on­tem e tem o mes­mo te­or da ma­té­ria enviada pe­la ad­mi­nis­tra­ção an­te­ri­or e re­jei­ta­da pe­los ve­re­a­do­res, ou se­ja, pre­vê a re­vo­ga­ção dos ar­ti­gos que per­mi­tem o pa­ga­men­to de anuê­nio e quinquê­nio a co­mis­si­o­na­dos.

Fá­bio Al­co­ver/1-1-2017

“Exis­te o en­ten­di­men­to de dois ór­gãos de con­tro­le, que são o Tri­bu­nal de Con­tas e o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co. Es­ta­mos ape­nas res­pei­tan­do es­ta ori­en­ta­ção”, afir­mou Mar­ce­lo Be­li­na­ti

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.