EN­SI­NO MÉ­DIO

Me­di­da pre­vê fle­xi­bi­li­za­ção das dis­ci­pli­nas e au­men­to da ofer­ta de au­las em tem­po in­te­gral

Folha de Londrina - - Primeira Página - Na­tá­lia Can­ci­an e Gus­ta­vo Uribe Fo­lha­press

Ao san­ci­o­nar re­for­ma, Te­mer diz que a pro­pos­ta, cri­ti­ca­da por es­tu­dan­tes e pro­fes­so­res, ge­rou “po­lê­mi­ca sau­dá­vel”. No­vo mo­de­lo de­ve ser im­ple­men­ta­do até 2019, após de­fi­ni­ção da Ba­se Na­ci­o­nal Co­mum Cur­ri­cu­lar

Brasília – O pre­si­den­te Mi­chel Te­mer san­ci­o­nou nes­ta quin­ta-fei­ra (16) a re­for­ma do en­si­no mé­dio. Al­vo de po­lê­mi­ca en­tre edu­ca­do­res e es­tu­dan­tes, a pro­pos­ta da re­for­ma pre­vê fle­xi­bi­li­za­ção das dis­ci­pli­nas e au­men­to da ofer­ta de en­si­no em tem­po in­te­gral. Em even­to no Pa­lá­cio do Pla­nal­to, o pe­e­me­de­bis­ta afir­mou que a mu­dan­ça trata-se de um ges­to de “co­ra­gem” e de “ou­sa­dia”, já que, se­gun­do ele, o te­ma tra­mi­ta­va ha­via 20 anos no Con­gres­so, sem que fos­se im­ple­men­ta­do na prá­ti­ca.

Pa­ra ele, o de­ba­te so­bre a pro­pos­ta, que en­fren­tou re­sis­tên­ci­as en­tre es­tu­dan­tes e pro­fes­so­res, ge­rou uma “po­lê­mi­ca sau­dá­vel”, já que a “crí­ti­ca ge­ra aper­fei­ço­a­men­to”. “Nós va­mos pros­se­guir com es­sa ou­sa­dia res­pon­sá­vel e pla­ne­ja­da, al­go que pos­sa ser com­pre­en­di­do pe­lo Con­gres­so Na­ci­o­nal e pe­la so­ci­e­da­de ci­vil”, dis­se.

O mi­nis­tro da Edu­ca­ção, Men­don­ça Fi­lho, de­cla­rou que a re­for­ma do en­si­no mé­dio é “um pas­so ex­tre­ma­men­te re­le­van­te e a mais es­tru­tu­ra­da mu­dan­ça nas edu­ca­ções pú­bli­ca e pri­va­da”. Se­gun­do ele, a pre­vi­são é que o no­vo mo­de­lo de en­si­no mé­dio se­ja im­ple­men­ta­do até 2019 - ini­ci­al­men­te, o go­ver­no fa­la­va em ter as pri­mei­ras tur­mas já em 2018.

A mu­dan­ça ocor­re de­vi­do à ne­ces­si­da­de de ter­mi­nar as dis­cus­sões, ain­da nes­te ano, so­bre a Ba­se Na­ci­o­nal Co­mum Cur­ri­cu­lar (BNCC), do­cu­men­to que de­fi­ni­rá os con­teú­dos obri­ga­tó­ri­os pa­ra se­rem en­si­na­dos a to­dos os alu­nos do País. “Co­mo a ba­se na­ci­o­nal cur­ri­cu­lar só es­ta­rá con­cluí­da até 2017, não po­de­ría­mos exi­gir dos sis­te­mas es­ta­du­ais de edu­ca­ção a im­ple­men­ta­ção ple­na a par­tir de 2018. Só em 2019 te­re­mos a pre­pa­ra­ção ne­ces­sá­ria pa­ra que as pro­pos­tas se­jam im­ple­men­ta­das com mais pro­fun­di­da­de”, afir­mou. NO­VO EN­SI­NO MÉ­DIO A al­te­ra­ção no mo­de­lo de or­ga­ni­za­ção das dis­ci­pli­nas é um dos prin­ci­pais pon­tos da re­for­ma do en­si­no mé­dio. Pe­lo mo­de­lo atu­al, o es­tu­dan­te cur­sa 13 dis­ci­pli­nas obri­ga­tó­ri­as nos três anos des­ta eta­pa de en­si­no. Já o no­vo mo­de­lo es­ta­be­le­ce que até 1,8 mil ho­ras da car­ga ho­rá­ria to­tal - o equi­va­len­te a 60% das 3 mil ho­ras que de­vem ser al­can­ça­das em cin­co anos - se­jam des­ti­na­das ao en­si­no de dis­ci­pli­nas obri­ga­tó­ri­as a to­dos os alu­nos, de­fi­ni­das na ba­se co­mum cur­ri­cu­lar. O res­tan­te fi­ca­rá re­ser­va­do ao apro­fun­da­men­to em áre­as es­pe­cí­fi­cas.

Nes­ses ca­sos, o alu­no po­de­rá op­tar por uma en­tre cin­co áre­as: lin­gua­gens, ma­te­má­ti­ca, ci­ên­ci­as da na­tu­re­za, ci­ên­ci­as hu­ma­nas e for­ma­ção téc­ni­ca e pro­fis­si­o­nal. A ofer­ta des­sas op­ções, bem co­mo a dis­tri­bui­ção dos con­teú­dos obri­ga­tó­ri­os e de es­co­lha do alu­no, no en­tan­to, de­pen­de­rá da re­de de en­si­no e das es­co­las.

En­tre as dis­ci­pli­nas, por­tu­guês e ma­te­má­ti­ca per­ma­ne­cem co­mo obri­ga­tó­ri­os em to­dos os anos, além de uma lín­gua es­tran­gei­ra, co­mo in­glês. Filosofia, so­ci­o­lo­gia, ar­tes e edu­ca­ção fí­si­ca, an­tes obri­ga­tó­ri­os e re­ti­ra­dos na pro­pos­ta ini­ci­al apre­sen­ta­da pe­lo go­ver­no, vol­tam a cons­tar nes­sa eta­pa, mas com al­te­ra­ções, con­for­me tex­to da lei apro­va­do pe­lo Con­gres­so. O do­cu­men­to não ci­ta filosofia e so­ci­o­lo­gia co­mo dis­ci­pli­nas es­pe­cí­fi­cas, mas sim co­mo “es­tu­dos e prá­ti­cas” que de­vem fa­zer par­te da ba­se na­ci­o­nal co­mum cur­ri­cu­lar. Is­so sig­ni­fi­ca que es­ses es­tu­dos não ocor­re­rão ne­ces­sa­ri­a­men­te em dis­ci­pli­nas se­pa­ra­das ou em to­dos os três anos - ca­be­rá à ba­se e às re­des de en­si­no de­fi­nir o mo­de­lo. “É im­por­tan­te que se le­ve em con­si­de­ra­ção o que es­tá es­cri­to na lei. Ela in­cor­po­rou o es­tu­do de filosofia e so­ci­o­lo­gia, o que ne­ces­sa­ri­a­men­te não po­de ser con­fun­di­do com a dis­ci­pli­na de filosofia e so­ci­o­lo­gia que ho­je es­tá pre­sen­te na gra­de cur­ri­cu­lar do en­si­no mé­dio bra­si­lei­ro. Vo­cê po­de es­tu­dar is­so em au­la de his­tó­ria, por exem­plo”, dis­se o mi­nis­tro.

Em uma ten­ta­ti­va de re­ba­ter crí­ti­cas so­bre a mu­dan­ça, Men­don­ça dis­se ain­da que “quem qui­ser es­tu­dar es­sas dis­ci­pli­nas não se­rá im­pe­di­do”, já que as re­des po­de­rão ofer­tar os con­teú­dos tam­bém em áre­as de apro­fun­da­men­to, co­mo ci­ên­ci­as hu­ma­nas.

Antônio Cruz/Agên­cia Bra­sil

Pre­vi­são do go­ver­no é que o no­vo mo­de­lo de en­si­no mé­dio se­ja im­ple­men­ta­do até 2019

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.