Um no­vo co­me­ço: era da sus­ten­ta­bi­li­da­de

Folha de Londrina - - Opinião - Pau­lo Bassani PAU­LO BASSANI é so­ció­lo­go e pro­fes­sor da Uni­ver­si­da­de Es­ta­du­al de Lon­dri­na

A sus­ten­ta­bi­li­da­de en­vol­ve um prin­cí­pio que agre­gue as melhores in­ten­ções e as melhores ações e ex­pe­ri­ên­ci­as cons­truí­das ao lon­go do tem­po. A elas se so­mam os po­ten­ci­ais que no co­ti­di­a­no emer­gem co­mo des­co­ber­ta do ama­nhã. Das ci­ên­ci­as e as tec­no­lo­gi­as, das ex­pe­ri­ên­ci­as ao no­vo que bro­ta, a sus­ten­ta­bi­li­da­de é o so­nho que nas­ce com ca­rac­te­rís­ti­cas mais pró­xi­mas do me­lhor que con­di­ção hu­ma­na pos­sa ex­pres­sar em ver­so e pro­sa, em te­o­ria e prá­ti­ca, em co­ti­di­a­no e fu­tu­ro, no ho­je e no ama­nhã.

Es­ta sus­ten­ta­bi­li­da­de se re­ve­la co­mo no­vo, no âm­bi­to de as­pec­tos que pos­sam tra­du­zir um sal­to qua­li­ta­ti­vo do fa­zer an­te­ri­or. Es­te fa­zer an­te­ri­or, mar­ca­do e re­ple­to de in­di­vi­du­a­lis­mo, de iso­la­men­to, de frag­men­ta­ção, de ali­e­na­ção, de com­pe­ti­ção. Por um fa­zer re­ple­to de co­le­ti­vo, de uni­da­de, de co­o­pe­ra­ção, de so­li­da­ri­e­da­de, de bus­ca con­jun­ta. Bus­ca es­ta que pri­o­ri­ze a par­ti­ci­pa­ção e o en­vol­vi­men­to de to­dos nu­ma com­pre­en­são do tem­po, es­pa­ço e ne­ces­si­da­des pa­ra en­fren­tar os de­sa­fi­os e en­tra­ves do pre­sen­te ten­do em vis­ta um fu­tu­ro ne­ces­sá­rio e pos­sí­vel.

A sus­ten­ta­bi­li­da­de de­ve ser en­ten­di­da co­mo um ide­al de vi­da que com­pa­ti­bi­li­ze eco­no­mia e eco­lo­gia nu­ma mes­ma equa­ção. Com po­lí­ti­cas pú­bli­cas sé­ri­as, trans­pa­ren­tes e bem for­mu­la­das, que te­nha con­ti­nui­da­de e, so­bre­tu­do, acei­ta­ção, res­pal­do e le­gi­ti­mi­da­de jun­to às po­pu­la­ções. Bus­car a sus­ten­ta­bi­li­da­de im­pli­ca em vi­ven­ci­ar es­te mo­men­to de in­qui­e­ta­ção aber­to às no­vas for­mu­la­ções e bus­ca de re­sol­ver al­guns dos gran­des de­sa­fi­os glo­bais e, so­bre­tu­do, lo­cal. Es­sas mu­dan­ças num con­tex­to de sus­ten­ta­bi­li­da­de vi­sam o pro­pó­si­to de me­lho­ria das con­di­ções da qua­li­da­de de vi­da, do bem vi­ver. So­men­te com um en­vol­vi­men­to par­ti­ci­pa­ti­vo re­sul­ta­rá na pro­mo­ção de um mo­de­lo am­bi­en­tal­men­te equi­li­bra­do e so­ci­al e eco­no­mi­ca­men­te equi­ta­ti­vo. Que aten­da os li­mi­tes am­bi­en­tais e con­tem­ple as inú­me­ras fa­ces, co­mo sua di­men­são econô­mi­ca, so­ci­al, po­lí­ti­ca e cul­tu­ral.

Pri­o­ri­zar a sus­ten­ta­bi­li­da­de é an­te­ver que po­de­mos e qu­e­re­mos mu­dar, pois en­ten­de­mos que qu­e­re­mos re­a­li­zar as mu­dan­ças pa­ra trans­for­mar a tri­lha, nos pró­xi­mos tem­pos, se­gu­ra, equi­li­bra­da, com uma ra­zão sen­sí­vel e cui­da­do­sa pa­ra ga­ran­tir a con­ti­nui­da­de de nos­sa es­pé­cie nas pró­xi­mas dé­ca­das. Não fa­la­mos de um ca­mi­nho fá­cil, pois há mui­tos que pen­sam con­trá­ri­os a is­so, mas se­rá um ca­mi­nho de re­cu­sas, de es­cas­sez, de re­a­pro­vei­ta­men­to, de bus­cas al­ter­na­ti­vas de ali­men­tos, ener­gia, água, ar e ter­ra. Dis­to nos re­fe­ri­mos a um mo­de­lo eco ci­da­dão que, no per­cur­so, pro­vo­que mu­dan­ças de va­lo­res, ati­tu­des e com­por­ta­men­tos pa­ra ge­rar no­vas for­mas de so­ci­a­bi­li­da­de e ci­da­da­nia. Ser sus­ten­tá­vel im­pli­ca em se­guir um ma­pa que in­cor­po­re a ci­ên­cia e a tec­no­lo­gia res­pon­sá­vel e com qua­li­da­de pa­ra apon­tar a fe­li­ci­da­de, e nis­so há um diá­lo­go fran­co, aber­to com o fu­tu­ro. Do fos­so que nos en­con­tra­mos, não há mui­tas pos­si­bi­li­da­des, es­ta é uma das que se apre­sen­tam. Que procure in­te­grar to­da a teia da vi­da, de for­ma, equi­li­bra­da, de­cen­te e pru­den­te. Que re­co­nhe­ça que so­mos hu­mos, ter­ra fér­til, que cor­res­pon­de ao sen­ti­do mais pro­fun­do de nos­sa con­di­ção hu­ma­na. Uma ter­ra fér­til que faz bro­tar ár­vo­res, flo­res e o can­to dos pás­sa­ros que co­lo­rem a vi­da com to­da sua exu­be­rân­cia.

E,fi­nal­men­te, que não per­mi­ta ja­mais es­que­cer que ter­ra e hu­ma­ni­da­de pos­su­em a mes­ma ori­gem e o mes­mo des­ti­no. Em sín­te­se, que só te­mos o di­rei­to de fa­zer coi­sas be­las, e, pa­ra tan­to, in­cor­po­rar as melhores ex­pe­ri­ên­ci­as e tendências, dis­per­sas e iso­la­das, na no­va for­ma de cons­truir o pro­ces­so ci­vi­li­za­tó­rio, que co­me­ce e se ins­ta­le pe­las ci­da­des e pe­los cam­pos, pe­lo ru­ral e pe­lo ur­ba­no.

A sus­ten­ta­bi­li­da­de de­ve ser en­ten­di­da co­mo um ide­al de vi­da que com­pa­ti­bi­li­ze eco­no­mia e eco­lo­gia nu­ma mes­ma equa­ção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.