Pre­si­den­te do TST de­fen­de re­for­ma tra­ba­lhis­ta

Em au­di­ên­cia pú­bli­ca, Ives Gan­dra afir­ma que ‘‘do jei­to que es­tá’’, de­sem­pre­go irá au­men­tar e o País po­de se­guir o ca­mi­nho da Ve­ne­zu­e­la

Folha de Londrina - - Economia & Negócios - Ranier Bragon Fo­lha­press Brasília -

O pre­si­den­te do Tri­bu­nal Su­pe­ri­or do Tra­ba­lho, Ives Gan­dra da Silva Mar­tins Fi­lho, de­fen­deu nes­ta quin­ta-fei­ra (16) a ne­ces­si­da­de de uma re­for­ma tra­ba­lhis­ta sob o ris­co de o atu­al mo­de­lo cau­sar uma de­ses­ta­bi­li­za­ção econô­mi­ca que le­ve o Bra­sil a uma si­tu­a­ção si­mi­lar à da Ve­ne­zu­e­la.

A de­cla­ra­ção foi fei­ta em au­di­ên­cia pú­bli­ca na co­mis­são que de­ba­te a pro­pos­ta do go­ver­no Mi­chel Te­mer pa­ra o te­ma, o que in­clui a pre­va­lên­cia das ne­go­ci­a­ções en­tre pa­trões e em­pre­ga­dos so­bre a le­gis­la­ção.

“Não po­de­mos che­gar aqui e di­zer que es­tá tu­do ruim, que não tem que ser fei­ta a re­for­ma e man­ter do jei­to que es­tá. Do jei­to que es­tá va­mos au­men­tar o de­sem­pre­go, en­tão te­mos que fa­zer al­gu­ma coi­sa. (...) Se nós não re­sol­ver­mos o pro­ble­ma tra­ba­lhis­ta, se não ti­ver al­gu­ma coi­sa pa­ra re­es­tru­tu­rar a nos­sa eco­no­mia, po­de­mos de­ses­tru­tu­rá-la a tal pon­to que daí es­ta­ría­mos ca­mi­nhan­do pa­ra uma Ve­ne­zu­e­la.”

Nes­se mo­men­to ele foi aplau­di­do por de­pu­ta­dos go­ver­nis­tas e vai­a­do por opo­si­ci­o­nis­tas pre­sen­tes à ses­são. O pre­si­den­te do TST de­fen­de uma me­nor in­ter­ven­ção do Es­ta­do, do Po­der Ju­di­ciá­rio em par­ti­cu­lar, nas re­la­ções tra­ba­lhis­tas. Se­gun­do ele, a Jus­ti­ça do Tra­ba­lho faz uma “pro­pa­gan­da en­ga­no­sa” ao tra­ba­lha­dor ao afir­mar que dá con­ta do atu­al vo­lu­me de pro­ces­sos - que se­gun­do ele le­vam de cin­co a dez anos pa­ra te­rem uma con­clu­são.

“Pa­ra um Bra­sil mai­or, um Es­ta­do me­nor”, de­fen­deu Ives Gan­dra Fi­lho, res­sal­tan­do que em vá­ri­os ca­sos juí­zes de ins­tân­ci­as in­fe­ri­o­res têm da­do de­ci­sões con­trá­ri­as à ju­ris­pru­dên­cia do TST. Sin­di­ca­tos O pre­si­den­te do TST re­ba­teu ain­da ar­gu­men­to de que os tra­ba­lha­do­res fi­ca­ri­am pre­ju­di­ca­dos já que sin­di­ca­tos se­ri­am a par­te mais frá­gil nas ne­go­ci­a­ções co­le­ti­vas. “Es­tou con­ven­ci­do de que em um país que ele­geu um sin­di­ca­lis­ta [Lu­la] co­mo pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca não po­de­mos di­zer que o mo­vi­men­to sin­di­cal é fra­co.”

Ives Gan­dra Fi­lho pon­de­rou, en­tre­tan­to, que nas ne­go­ci­a­ções de fle­xi­bi­li­za­ção da le­gis­la­ção tra­ba­lhis­ta é pre­ci­so sem­pre ha­ver uma van­ta­gem com­pen­sa­tó­ria pa­ra o tra­ba­lha­dor. Ci­tou co­mo exem­plo um re­a­jus­te sa­la­ri­al abai­xo da in­fla­ção que te­nha, co­mo con­tra­par­ti­da, a ga­ran­tia pe­los pa­trões da ma­nu­ten­ção do em­pre­go.

Par­ti­ci­pa­ram tam­bém da au­di­ên­cia pú­bli­ca o mi­nis­tro do Tra­ba­lho, Ro­nal­do Nogueira, que de­fen­deu o pa­co­te de Te­mer afir­man­do que ele irá re­for­çar os di­rei­tos dos tra­ba­lha­do­res, e o pro­cu­ra­dor-ge­ral do Tra­ba­lho, Ro­nal­do Curado Fleury, pa­ra quem a pro­pos­ta do go­ver­no não irá ge­rar mais em­pre­go, mas sim irá tro­car as atu­ais va­gas por ou­tras mais pre­ca­ri­za­das do pon­to de vis­ta tra­ba­lhis­ta.

Mar­ce­lo Camargo/Agên­cia Bra­sil

Mi­nis­tro de­fen­de me­nor par­ti­ci­pa­ção do Es­ta­do nas ques­tões tra­ba­lhis­tas: “Pa­ra um Bra­sil mai­or, um Es­ta­do me­nor”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.