CMTU re­for­ça si­na­li­za­ção nos bair­ros

Nes­ta se­ma­na, tra­ba­lho é re­a­li­za­do na zo­na les­te; além da pin­tu­ra, mo­ra­do­res rei­vin­di­cam se­má­fo­ros e quebra-mo­las

Folha de Londrina - - Cidades - Carolina Avan­si­ni Re­por­ta­gem Lo­cal

Na es­qui­na da Rua Gi­ras­sol com a Rua Flor de Je­sus, no Jar­dim In­ter­la­gos (zo­na les­te de Lon­dri­na), mo­ra­do­res e co­mer­ci­an­tes do en­tor­no já se acos­tu­ma­ram com os fre­quen­tes aci­den­tes en­vol­ven­do car­ros e mo­to­ci­cle­tas. Pa­ra ten­tar re­du­zir as ocor­rên­ci­as nes­ta es­qui­na e em ou­tros lo­cais do bair­ro, a Com­pa­nhia Mu­ni­ci­pal de Trân­si­to e Ur­ba­ni­za­ção (CMTU) ini­ci­ou es­ta se­ma­na a re­com­po­si­ção da si­na­li­za­ção viá­ria nos jardins In­ter­la­gos, San­ta Fé, Mo­rum­bi e Vi­la Fra­ter­ni­da­de, to­dos na re­gião les­te.

As ati­vi­da­des en­vol­vem a pin­tu­ra de 2,8 mil m² de as­fal­to, além da lim­pe­za, re­for­ma ou im­plan­ta­ção de no­vas pla­cas. O di­re­tor de Trân­si­to da CMTU, He­mer­son Pa­che­co, ex­pli­cou que fo­ram es­co­lhi­dos bair­ros afas­ta­dos do qua­dri­lá­te­ro cen­tral e que es­ta­vam há tem­pos sem re­ce­ber ma­nu­ten­ção. O ser­vi­ço se­rá es­ten­di­do a ou­tras re­giões da ci­da­de de acor­do com a dis­po­ni­bi­li­da­de de mão de obra e equi­pa­men­tos. “Fa­re­mos um re­ve­za­men­to en­tre bair­ros das qua­tro re­giões”, ga­ran­tiu.

Até sá­ba­do (dia 18), a ex­pec­ta­ti­va da CMTU é si­na­li­zar 335 pa­ra­das obri­ga­tó­ri­as em cru­za­men­tos, 42 quebra-mo­las, 12 le­gen­das de avi­sos, se­te mar­cas de ca­na­li­za­ção, qua­tro fai­xas de pe­des­tres, além de uma va­ga pa­ra o es­ta­ci­o­na­men­to de am­bu­lân­ci­as, uma va­ga de por­ta­dor de ne­ces­si­da­des es­pe­ci­ais e uma de ido­so.

Nas re­giões aten­di­das, os tra­ba­lha­do­res tam­bém vão im­plan­tar o cha­ma­do “kit es­co­la” no en­tor­no de es­co­las, Cen­tros de Edu­ca­ção In­fan­til e Uni­da­des Bá­si­cas de Saú­de (UBS). O kit in­clui pin­tu­ra de fai­xa ver­me­lha e bran­ca na saí­da dos es­ta­be­le­ci­men­tos, re­for­ço das le­gen­das de si­na­li­za­ção e im­plan­ta­ção ou re­for­ma de pla­cas avi­san­do que a ve­lo­ci­da­de má­xi­ma per­mi­ti­da é de 30 quilô­me­tros por ho­ra. “Tam­bém es­ta­mos apro­vei­tan­do o con­ta­to com os mo­ra­do­res pa­ra ou­vir ou­tras de­man­das”, dis­se.

PE­RI­GO­SO

A co­mer­ci­an­te Ju­li­a­ne Ma­ria Gonçalves é do­na de um açou­gue na rua Gi­ras­sol e ga­ran­te que os aci­den­tes são cons­tan­tes di­an­te do au­men­to de flu­xo de veí­cu­los na re­gião. “O pes­so­al não res­pei­ta a si­na­li­za­ção, acre­di­to que só pin­tar não vai re­sol­ver, pre­ci­sa­mos de quebra-mo­las e um se­má­fo­ro”, pe­de ela, que cos­tu­ma as­sis­tir uma mé­dia de qua­tro aci­den­tes men­sais no lo­cal. “O co­mér­cio de­sen­vol­veu e o mo­vi­men­to au­men­tou. O lo­cal fi­cou pe­ri­go­so”, diz.

Ou­tra co­mer­ci­an­te, Lu­cí­lia Al­ves Vieira, acre­di­ta que a pin­tu­ra se­rá útil pa­ra avi­sar os mo­to­ris­tas mais dis­traí­dos que pas­sam por lá. “De­pois que inau­gu­rou o Shop­ping Bou­le­vard, au­men­tou o mo­vi­men­to de car­ros que pas­sam por aqui vin­dos de Ibi­po­rã. Eles não res­pei­tam o li­mi­te de ve­lo­ci­da­de, fi­cou pe­ri­go­so”, la­men­ta.

Lu­cí­lia tem ne­tos que vão so­zi­nhos pa­ra a es­co­la e fi­ca pre­o­cu­pa­da com atro­pe­la­men­tos. “A gen­te sem­pre pe­de pa­ra to­mar cui­da­do, mas o me­lhor é ter si­na­li­za­ção”, acre­di­ta.

Na Ave­ni­da Ja­mil Scaff, o en­tor­no de uma cre­che que ain­da não re­ce­beu si­na­li­za­ção é mo­ti­vo de pre­o­cu­pa­ção pa­ra quem mo­ra ou tra­ba­lha na vi­zi­nhan­ça. “As cri­an­ças atra­ves­sam so­zi­nhas e mui­ta gen­te pas­sa no meio do can­tei­ro, não che­gam até a fai­xa”, con­ta o bal­co­nis­ta Mar­cos Már­cio da Silva Fi­lho. Ele re­cla­ma tam­bém que os car­ros não res­pei­tam o li­mi­te de ve­lo­ci­da­de. “Se­ria bom ins­ta­la­rem quebra-mo­las”, pe­de. Ou­tro pro­ble­ma da re­gião são os ala­ga­men­tos nos di­as de chu­va. “Além de fi­car pe­ri­go­so, os con­ser­tos fei­tos no as­fal­to es­tra­gam a ca­da chu­va. Se­ria bom re­ca­pe­a­rem tu­do.”

Ou­tra mo­ra­do­ra da re­gião, a pro­fes­so­ra Val­da­ne Jor­ge, de­nun­cia que mo­to­ris­tas dis­pu­tam ra­chas na Ave­ni­da Má­rio Perez e que a fal­ta de se­má­fo­ros e quebra-mo­las es­tá até im­pe­din­do os mo­ra­do­res de fa­zer ca­mi­nha­das na via. “Eu mes­ma pa­rei de ca­mi­nhar por­que qua­se fui atropelada”, re­la­ta.

Pa­che­co, da CMTU, in­for­mou que as re­cla­ma­ções dos mo­ra­do­res es­tão sen­do con­si­de­ra­das, mas que não há pre­vi­são de im­plan­tar equi­pa­men­tos co­mo se­má­fo­ros e quebra-mo­las por­que es­sas ações de­man­dam ou­tros ór­gãos pú­bli­cos, co­mo se­cre­ta­ria de Obras e Ip­pul. “Es­ta­mos re­pas­san­do as de­man­das pa­ra os res­pon­sá­veis”, dis­se.

Eles não res­pei­tam o li­mi­te de ve­lo­ci­da­de, fi­cou pe­ri­go­so”

Se­gun­do di­re­tor da com­pa­nhia, fo­ram es­co­lhi­dos bair­ros afas­ta­dos do qua­dri­lá­te­ro cen­tral e que es­ta­vam há tem­pos sem re­ce­ber ma­nu­ten­ção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.