Rua es­bu­ra­ca­da éal­vo­de re­cla­ma­ção

Mo­ra­dor afir­ma que fo­ram fei­tas me­lho­ri­as em ou­tras vi­as do bair­ro, mas que a Ave­ni­da da Per­se­ve­ran­ça fi­cou de fo­ra

Folha de Londrina - - Cidades - Pau­lo Monteiro Gru­po FO­LHA

Vá­ri­as ru­as do Con­jun­to Ruy Vir­mond Car­nas­ci­a­li, na zo­na nor­te de Lon­dri­na, fo­ram re­ca­pe­a­das há cer­ca de qua­tro me­ses, mas a Ave­ni­da da Per­se­ve­ran­ça fi­cou de fo­ra, de­sa­gra­dan­do mui­tos mo­ra­do­res. A re­cla­ma­ção é do apo­sen­ta­do Pau­lo Fer­nan­do Men­des que diz que a via es­tá es­bu­ra­ca­da, sem cal­ça­da, to­ma­da por po­ças de água e ma­to. “Faz cin­co anos que es­ta­mos aguar­dan­do pe­la re­for­ma da nos­sa rua e, quan­do de­ci­di­ram vir pa­ra o bair­ro, dei­xa­ram lo­go a nos­sa pa­ra trás”, la­men­ta o mo­ra­dor.

Se­gun­do ele, ou­tro pro­ble­ma é o ma­to al­to às mar­gens da via. A ve­ge­ta­ção cres­ceu tan­to que ul­tra­pas­sa al­gu­mas ár­vo­res. “O ban­di­do po­de co­me­ter o cri­me e se es­con­der nes­se ma­to. A es­cu­ri­dão é mui­to gran­de e tam­bém há mui­tos bi­chos nes­se lu­gar. Prin­ci­pal­men­te co­bras”, afir­ma o apo­sen­ta­do, acres­cen­tan­do que há o ris­co de os ga­lhos atin­gi­rem os ca­bos de ener­gia.

“Em 2009, fi­ze­mos a so­li­ci­ta­ção pa­ra que cor­tas­sem as ár­vo­res des­ta rua, an­tes que elas des­tru­am os fi­os e as ca­sas. O pro­ble­ma é que até ho­je não nos aten­de­ram. Li­ga­mos pa­ra a Se­ma (Se­cre­ta­ria Mu­ni­ci­pal do Am­bi­en­te). Os agen­tes até vi­e­ram, dis­se­ram que a nos­sa rua es­tá na pro­gra­ma­ção, mas que ain­da não po­de­ri­am exe­cu­tar o tra­ba­lho”, com­ple­ta Men­des.

OR­DEM DE SER­VI­ÇO

So­bre a ca­pi­na e a ro­ça­gem, a as­ses­so­ria de co­mu­ni­ca­ção da Com­pa­nhia Mu­ni­ci­pal de Trân­si­to e Ur­ba­ni­za­ção de Lon­dri­na (CMTU) ex­pli­cou que foi aber­ta a or­dem de ser­vi­ço pa­ra aten­di­men­to da ave­ni­da da Per­se­ve­ran­ça. Se­gun­do a pro­gra­ma­ção, as equi­pes res­pon­sá­veis pe­la ca­pi­na e ro­ça­gem do ter­re­no de­vem ini­ci­ar o tra­ba­lho até o fi­nal de fe­ve­rei­ro.

Já o se­tor de pro­je­tos da Se­cre­ta­ria mu­ni­ci­pal de Obras in­for­mou que ain­da não há uma res­pos­ta so­bre a obra de re­ca­pe ou pa­vi­men­ta­ção da via. A pas­ta es­ta­ria de­fi­nin­do a exe­cu­ção do ser­vi­ço de acor­do com as pri­o­ri­da­des do atu­al go­ver­no. A pro­gra­ma­ção es­tá pres­tes a ser di­vul­ga­da. A re­co­men­da­ção é que o so­li­ci­tan­te re­tor­ne ao ga­bi­ne­te da se­cre­ta­ria e for­ma­li­ze o pe­di­do.

Ale­xan­dra Si­quei­ra, res­pon­sá­vel pe­la ge­rên­cia de Áre­as Ver­des da Se­ma, in­for­ma que o úl­ti­mo pe­di­do (re­fen­te ao en­de­re­ço de Men­des) foi aber­to em 2016, e não em 2009 co­mo Men­des ha­via des­ta­ca­do. Ela con­fir­mou que uma equi­pe es­te­ve no lo­cal em de­zem­bro de 2016 e cons­ta­tou que a ár­vo­re, da es­pé­cie “flam­boyant”, es­tá sau­dá­vel e não ofe­re­cia ris­cos de que­da. As­sim, acres­cen­tou Ale­xan­dra, não se trata de uma pri­o­ri­da­de.

PAu­lo Monteiro

Ave­ni­da es­tá lo­ca­li­za­da no Con­jun­to Ruy Vir­mond Car­nas­ci­a­li

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.