Ja­not de­nun­cia Te­mer ao Su­pre­mo pe­la se­gun­da vez

Pre­si­den­te des­ta vez é acu­sa­do de obs­tru­ção de Jus­ti­ça e de li­de­rar or­ga­ni­za­ção cri­mi­no­sa que re­ce­beu ao me­nos R$ 587 mi­lhões de pro­pi­na. Jo­es­ley Ba­tis­ta, Ri­car­do Saud, Cu­nha, Hen­ri­que Al­ves, Ged­del, Ro­cha Lou­res, Eli­seu Pa­di­lha e Mo­rei­ra Fran­co tam­bém fo

Folha de Londrina - - Primeira Página - Rey­nal­do Tu­rol­lo Jr. Le­tí­cia Ca­sa­do Fo­lha­press Bra­sí­lia

- O pro­cu­ra­dor-ge­ral da Re­pú­bli­ca, Ro­dri­go Ja­not, de­nun­ci­ou ao STF (Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral) o pre­si­den­te Mi­chel Te­mer sob acu­sa­ção de obs­tru­ção da Jus­ti­ça e par­ti­ci­pa­ção em or­ga­ni­za­ção cri­mi­no­sa. A de­nún­cia foi apre­sen­ta­da na tar­de des­sa quin­ta-fei­ra (14). Os de­la­to­res Jo­es­ley Ba­tis­ta, um dos do­nos da JBS, e o exe­cu­ti­vo Ri­car­do Saud tam­bém fo­ram de­nun­ci­a­dos. O pro­cu­ra­dor-ge­ral pe­de ao STF que o ca­so de­les se­ja des­mem­bra­do e jul­ga­do em pri­mei­ra ins­tân­cia pe­lo juiz fe­de­ral Sér­gio Mo­ro, já que os acu­sa­dos não têm fo­ro.

Pre­sos tem­po­ra­ri­a­men­te em Bra­sí­lia, Jo­es­ley e Saud per­de­ram a imu­ni­da­de pe­nal, acor­da­da com a PGR (Pro­cu­ra­do­ria-Ge­ral da Re­pú­bli­ca) em maio, quan­do as­si­nou a de­la­ção, por­que Ja­not en­ten­deu que ago­ra sur­gi­ram in­dí­ci­os de que eles omi­ti­ram in­for­ma­ções re­le­van­tes – o que era ve­ta­do em uma cláu­su­la do acor­do.

Fo­ram acu­sa­dos ain­da os ex-de­pu­ta­dos do PMDB Edu­ar­do Cu­nha (RJ), Hen­ri­que Al­ves (RN), Ged­del Vi­ei­ra Li­ma (BA), Ro­dri­go Lou­res (PR) e os mi­nis­tros Eli­seu Pa­di­lha (Ca­sa Ci­vil) e Mo­rei­ra Fran­co (Se­cre­ta­ria-Ge­ral). Se­gun­do a de­nún­cia, eles co­me­te­ram cri­mes em tro­ca de pro­pi­na vin­da de vá­ri­os ór­gãos pú­bli­cos co­mo Pe­tro­bras, Fur­nas, Cai­xa Econô­mi­ca Fe­de­ral, Mi­nis­té­rio da In­te­gra­ção Na­ci­o­nal e Câmara dos De­pu­ta­dos. Te­mer é apon­ta­do co­mo o lí­der da or­ga­ni­za­ção cri­mi­no­sa des­de maio de 2016.

De acor­do com a de­nún­cia, o es­que­ma per­mi­tiu que os de­nun­ci­a­dos re­ce­bes­sem ao me­nos R$ 587 mi­lhões de pro­pi­na. “Pa­ra Ja­not, em maio de 2016, com a re­for­mu­la­ção do nú­cleo po­lí­ti­co da or­ga­ni­za­ção cri­mi­no­sa, os in­te­gran­tes do ‘PMDB da Câmara’, es­pe­ci­al­men­te Mi­chel Te­mer, pas­sa­ram a ocu­par pa­pel de des­ta­que que an­tes ha­via si­do dos in­te­gran­tes do PT em ra­zão da con­cen­tra­ção de po­de­res na Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca”, in­for­mou a PGR.

A acu­sa­ção con­tra Te­mer de obs­tru­ção da Jus­ti­ça re­fe­re-se ao su­pos­to aval da­do pe­lo pre­si­den­te

Os de­la­to­res Jo­es­ley Ba­tis­ta e o exe­cu­ti­vo Ri­car­do Saud per­de­ram a imu­ni­da­de pe­nal e tam­bém fo­ram de­nun­ci­a­dos vi­ra­rão réus. Du­ran­te even­tu­al jul­ga­men­to, o pre­si­den­te é afas­ta­do por 180 di­as.

pa­ra que a JBS com­pras­se o si­lên­cio do ex-de­pu­ta­do Edu­ar­do Cu­nha (PMDBRJ) e do ope­ra­dor fi­nan­cei­ro Lú­cio Fu­na­ro, am­bos pre­sos.

Jo­es­ley Ba­tis­ta, da JBS, gra­vou uma con­ver­sa com Te­mer na noi­te de 7 de mar­ço na ga­ra­gem do Pa­lá­cio do Ja­bu­ru. No en­ten­di­men­to de Ja­not, o pre­si­den­te con­cor­dou quan­do Jo­es­ley dis­se que es­ta­va pa­gan­do a Cu­nha e Fu­na­ro pa­ra que eles não con­tas­sem o que sa­bem so­bre es­que­mas ilí­ci­tos.

A acu­sa­ção de en­vol­vi­men­to em or­ga­ni­za­ção cri­mi­no­sa re­sul­ta de uma in­ves­ti­ga­ção so­bre o su­pos­to “qua­dri­lhão do PMDB da Câmara”. Re­la­tó­rio da Po­lí­cia Fe­de­ral con­cluí­do na se­gun­da-fei­ra (11) já ha­via in­di­ca­do que Te­mer ti­nha po­der de co­man­do nes­se gru­po e uti­li­za­va ter­cei­ros pa­ra exe­cu­tar ta­re­fas sob seu con­tro­le.

Pa­ra que a de­nún­cia con­tra o pre­si­den­te pos­sa vi­rar uma ação pe­nal, é pre­ci­so a au­to­ri­za­ção de dois ter­ços dos de­pu­ta­dos da Câmara. Se hou­ver au­to­ri­za­ção, o Su­pre­mo po­de­rá ana­li­sá-la pa­ra jul­gar o seu re­ce­bi­men­to e abrir a ação. Só en­tão Te­mer e os de­mais acu­sa­dos

HISTÓRICO

A de­nún­cia faz um res­ga­te de no­me­a­ções e car­gos des­de que Lu­la ven­ceu a elei­ção em 2002 e pre­ci­sa­va ga­nhar apoio no Con­gres­so. So­bre o “PMDB da Câmara”, “as ne­go­ci­a­ções de apoio pas­sa­ram a or­bi­tar, por vol­ta de 2006, pri­mor­di­al­men­te em tor­no de dois in­te­res­ses: a pror­ro­ga­ção da Con­tri­bui­ção Pro­vi­só­ria so­bre Mo­vi­men­ta­ção Fi­nan­cei­ra (CPMF); e a ne­ces­si­da­de de am­pli­a­ção da ba­se do go­ver­no em ra­zão do pro­ces­so do ‘men­sa­lão’, que ha­via en­fra­que­ci­do o po­der po­lí­ti­co da cú­pu­la do Po­der Exe­cu­ti­vo in­te­gra­da por mem­bros do PT”, se­gun­do a PGR.

“Es­ses te­mas fo­ram ne­go­ci­a­dos por Mi­chel Te­mer e Hen­ri­que Al­ves, na qua­li­da­de de pre­si­den­te e lí­der do PMDB, que con­cor­da­ram com in­gres­so do ‘PMDB da Câmara’ na ba­se do go­ver­no em tro­ca de car­gos cha­ves, tais co­mo a pre­si­dên­cia de Fur­nas, a vi­ce-pre­si­dên­cia de Fun­dos de Go­ver­no e Lo­te­ri­as na Cai­xa Econô­mi­ca, o Mi­nis­té­rio da In­te­gra­ção Na­ci­o­nal, a Di­re­to­ria In­ter­na­ci­o­nal da Pe­tro­bras, en­tre ou­tros. No dia 30 de no­vem­bro de 2006, o Con­se­lho Na­ci­o­nal do PMDB apro­vou a in­te­gra­ção da le­gen­da, em blo­co, à ba­se ali­a­da do go­ver­no Lu­la”, in­for­mou a Pro­cu­ra­do­ria.

Se­gun­do a PGR, “to­dos es­ta­vam in­te­res­sa­dos nos car­gos pú­bli­cos que lhes ga­ran­tis­sem a me­lhor ren­ta­bi­li­da­de em ter­mos de ar­re­ca­da­ção de pro­pi­na”.

Pe­la de­nún­cia, o pa­pel de ne­go­ci­ar os car­gos jun­to aos de­mais mem­bros do nú­cleo po­lí­ti­co da or­ga­ni­za­ção cri­mi­no­sa, no ca­so do “PMDB da Câmara”, era de­sem­pe­nha­do por Te­mer de for­ma mais es­tá­vel, por ter si­do ele o ar­ti­cu­la­dor pa­ra a uni­fi­ca­ção do par­ti­do em tor­no do go­ver­no Lu­la.

De­pois de de­fi­ni­dos os es­pa­ços que se­ri­am ocu­pa­dos pe­lo gru­po, Te­mer e Hen­ri­que Al­ves –que foi lí­der do PMDB de 2007 e 2013– eram os prin­ci­pais res­pon­sá­veis pe­la dis­tri­bui­ção in­ter­na dos car­gos, e por es­sa ra­zão re­ce­bi­am par­ce­la da pro­pi­na ar­re­ca­da­da por Mo­rei­ra Fran­co, Ged­del, Pa­di­lha e, es­pe­ci­al­men­te, Cu­nha.

Pa­di­lha, Ged­del, Al­ves, Mo­rei­ra Fran­co e Lou­res têm re­la­ção pró­xi­ma e an­ti­ga com Te­mer, se­gun­do a PGR, “daí por­que nun­ca pre­ci­sa­ram se va­ler de in­ter­me­diá­ri­os nas con­ver­sas di­re­tas com aque­le”.

“Eram eles que fa­zi­am a in­ter­fa­ce jun­to aos nú­cle­os ad­mi­nis­tra­ti­vo e econô­mi­co da or­ga­ni­za­ção cri­mi­no­sa a res­pei­to dos as­sun­tos ilí­ci­tos de

In­te­gran­tes do ‘PMDB da Câmara’ pas­sa­ram a ocu­par pa­pel que an­tes ha­via si­do dos in­te­gran­tes do PT”

in­te­res­se di­re­to de Mi­chel Te­mer, que, por sua vez, ti­nha o pa­pel de ne­go­ci­ar jun­to aos de­mais in­te­gran­tes do nú­cleo po­lí­ti­co da or­ga­ni­za­ção cri­mi­no­sa os car­gos a se­rem in­di­ca­dos pe­lo seu gru­po e era o úni­co do gru­po que ti­nha al­gu­ma es­pé­cie de as­cen­são so­bre to­dos”, se­gun­do no­ta da PGR.

“O pro­cu­ra­dor-ge­ral in­for­ma que, além de pra­ti­car in­fra­ções pe­nais no Bra­sil, a or­ga­ni­za­ção cri­mi­no­sa ad­qui­riu ca­rá­ter trans­na­ci­o­nal, o que po­de ser de­mons­tra­do, prin­ci­pal­men­te, por dois de seus me­ca­nis­mos de la­va­gem de di­nhei­ro: trans­fe­rên­ci­as ban­cá­ri­as in­ter­na­ci­o­nais, na mai­o­ria das ve­zes com o mas­ca­ra­men­to em três ou mais ní­veis pa­ra dis­tan­ci­ar a ori­gem dos va­lo­res; e a aqui­si­ção de ins­ti­tui­ção fi­nan­cei­ra com se­de no ex­te­ri­or, com o ob­je­ti­vo de con­tro­lar as prá­ti­cas de com­pli­an­ce e, as­sim, di­fi­cul­tar o tra­ba­lho das au­to­ri­da­des.”

Be­to Ba­ra­ta/PR

Mi­chel Te­mer é apon­ta­do por Ro­dri­go Ja­not co­mo o lí­der da or­ga­ni­za­ção cri­mi­no­sa des­de maio de 2016

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.