IMUNIZAÇÃO

Cam­pa­nha vai até o dia 22 e tem co­mo ob­je­ti­vo a atu­a­li­za­ção das car­tei­ri­nhas. Dia D se­rá no pró­xi­mo sá­ba­do

Folha de Londrina - - Primeira Página - Lais Tai­ne Re­por­ta­gem Lo­cal

UBS do Pa­ra­ná par­ti­ci­pam da Cam­pa­nha Na­ci­o­nal de Mul­ti­va­ci­na­ção. País tem a pi­or co­ber­tu­ra va­ci­nal em dez anos

Co­me­çou na se­gun­da­fei­ra (11) a Cam­pa­nha Na­ci­o­nal de Mul­ti­va­ci­na­ção em to­das as UBS (Uni­da­des Bá­si­cas de Saú­de) do Estado. Até o dia 22 de se­tem­bro to­das as cri­an­ças e ado­les­cen­tes de 0 até 14 anos, 11 me­ses e 29 di­as po­de­rão atu­a­li­zar as car­tei­ras de va­ci­na­ção. No pró­xi­mo sá­ba­do (16), se­rá re­a­li­za­do o Dia D da cam­pa­nha pa­ra fa­ci­li­tar o aces­so da po­pu­la­ção.

Se­gun­do o Mi­nis­té­rio da Saú­de, o Pa­ra­ná re­ce­beu 1,7 mi­lhão de do­ses, des­se to­tal, 908,2 mil são do­ses ex­tras des­ti­na­das pa­ra a cam­pa­nha. Ao to­do, es­tão dis­po­ní­veis 16 ti­pos de va­ci­nas de ro­ti­na com o ob­je­ti­vo de me­lho­rar as co­ber­tu­ras va­ci­nais. “Não há uma imunização es­pe­cí­fi­ca, o in­tui­to é olhar a car­tei­ra de va­ci­na­ção e apli­car as que es­tão em atra­so pa­ra a atu­a­li­za­ção”, ex­pli­ca Sô­nia Fer­nan­des, co­or­de­na­do­ra de imunização da Se­cre­ta­ria Mu­ni­ci­pal de Saú­de.

Em­bo­ra não se­ja o fo­co, a co­or­de­na­do­ra afir­ma que a po­pu­la­ção adul­ta tam­bém po­de par­ti­ci­par. No en­tan­to, pe­de aten­ção ao pra­zo da cam­pa­nha pa­ra fa­ci­li­tar o aces­so. No pró­xi­mo sá­ba­do (16) se­rá re­a­li­za­do o Dia D, com uni­da­des ur­ba­nas aten­den­do das 8h às 17h e ru­rais das 8h às 12h. “É im­por­tan­te que a pes­soa vá o quan­to an­tes, pois dia 20 ini­cia a cam­pa­nha con­tra a Den­gue e te­re­mos dois processos jun­tos”, aler­ta Fer­nan­des.

Sa­ben­do da im­por­tân­cia do re­cur­so, Lu­ci­a­na Mo­ra­es No­guei­ra, 39, le­vou a so­bri­nha de 4 anos até a Uni­da­de da Vi­la Nova pa­ra co­lo­car a imunização em dia. “Não tem co­mo dei­xar de va­ci­nar, é pre­ven­ção. A car­tei­ri­nha de­la está sem­pre atu­a­li­za­da, nós fi­ca­mos aten­tos pa­ra se­guir cer­ti­nho”, afir­ma.

Mes­mo os cui­da­do­sos são ori­en­ta­dos a ava­li­ar a car­tei­ri­nha, pois hou­ve atu­a­li­za­ção do ca­len­dá­rio e al­gu­mas pes­so­as po­dem ter di­rei­to a va­ci­nas que an­tes não eram li­be­ra­das. “O Mi­nis­té­rio da Saú­de atu­a­li­zou o ca­len­dá­rio de va­ci­na­ção e al­gu­mas ti­ve­ram o li­mi­te mo­di­fi­ca­do, co­mo o da He­pa­ti­te A, que até o ano pas­sa­do era li­be­ra­da pa­ra me­no­res de 2 anos e ago­ra au­men­tou pa­ra até 4 anos”, avi­sa Fer­nan­des.

O Mi­nis­té­rio da Saú­de afir­ma que a cam­pa­nha con­vo­ca mais de 47 mi­lhões de cri­an­ças pa­ra atu­a­li­zar a car­tei­ri­nha. Mais da me­ta­de des­se pú­bli­co (53%) de­ve­ria es­tar com o ca­len­dá­rio em dia. Mui­tas pes­so­as ain­da dei­xam a pre­ven­ção de lado e cor­rem o ris­co de con­trair uma do­en­ça gra­ve que po­de­ria ter si­do evi­ta­da.

Além das cam­pa­nhas pro­mo­vi­das pe­lo Go­ver­no, é im­por­tan­te es­tar em cons­tan­te aler­ta quan­to à imunização. “As pes­so­as acre­di­tam que a do­en­ça foi er­ra­di­ca­da e quan­do acon­te­ce um sur­to, vol­tam a bus­car as va­ci­nas”, in­for­ma Evan­dro de Li­ma, en­fer­mei­ro res­pon­sá­vel por uma clí­ni­ca de va­ci­na­ção par­ti­cu­lar em Lon­dri­na.

O co­mo­dis­mo e o me­do dos efei­tos co­la­te­rais após a apli­ca­ção tam­bém são em­pe­ci­lhos pa­ra que a po­pu­la­ção bus­que as al­ter­na­ti­vas, pú­bli­cas ou pri­va­das, fo­ra das cam­pa­nhas. “A va­ci­na­ção,

de­pois da água po­tá­vel, é con­si­de­ra­da a for­ma mais efi­caz de pre­ven­ção de do­en­ças, não tem porquê as pes­so­as te­rem me­do ain­da”, de­fen­de Li­ma. O en­fer­mei­ro des­ta­ca tam­bém o cus­to-be­ne­fí­cio da va­ci­na­ção, pois o va­lor que se gas­ta com uma va­ci­na em clí­ni­ca par­ti­cu­lar po­de ser mui­to mais bai­xo que o cus­to dos me­di­ca­men­tos pa­ra tra­tar a do­en­ça, que po­de até le­var a óbi­to. Na es­fe­ra pú­bli­ca, a imunização é gra­tui­ta e mes­mo as­sim mui­tas pes­so­as dei­xam de com­pa­re­cer. “A va­ci­na po­de até cau­sar uma fe­bre ou mal-es­tar, mas ter a do­en­ça é mui­to pi­or do que os efei­tos que pos­sam vir a ter”, aler­ta Sô­nia Fer­nan­des.

CAR­TEI­RI­NHA

As pes­so­as que per­de­ram a car­tei­ri­nha po­de­rão ir até a UBS pa­ra re­ti­rar a se­gun­da via. Lon­dri­na pos­sui o re­gis­tro in­for­ma­ti­za­do, con­se­guin­do co­mu­ni­car quais imu­ni­za­ções fo­ram fei­tas pa­ra ca­da ca­das­tro. Quem não for de Lon­dri­na ou não fez to­das as imu­ni­za­ções na ci­da­de, po­de ir em qu­al­quer UBS pa­ra ten­tar a bus­ca do re­gis­tro em ou­tras re­giões.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.