Ci­da­de In­te­li­gen­te – tec­no­lo­gia a ser­vi­ço da po­pu­la­ção

Folha de Londrina - - Opinião - Ary Su­dan

Uma nova on­da vem mo­vi­men­tan­do as ci­da­des que se pre­o­cu­pam com o seu de­sen­vol­vi­men­to e com a qua­li­da­de de vi­da de sua po­pu­la­ção: as cha­ma­das “Ci­da­des In­te­li­gen­tes”. Na prá­ti­ca, são mu­ni­cí­pi­os que co­lo­cam a tec­no­lo­gia a ser­vi­ço da po­pu­la­ção, fa­ci­li­tan­do a vi­da de to­dos, cri­an­do con­di­ções pa­ra que o de­sen­vol­vi­men­to econô­mi­co ocor­ra com mais fa­ci­li­da­de e seus re­sul­ta­dos se­jam per­ce­bi­dos no avan­ço so­ci­al, no res­pei­to ao meio am­bi­en­te e, prin­ci­pal­men­te, na qua­li­da­de de vi­da dos ha­bi­tan­tes.

Os as­pec­tos mais vi­sí­veis das ci­da­des in­te­li­gen­tes são: mai­or mo­bi­li­da­de, mai­or se­gu­ran­ça, mai­or aces­so à edu­ca­ção e cul­tu­ra de qua­li­da­de, e ain­da ser­vi­ços pú­bli­cos mais rá­pi­dos e de me­lhor qua­li­da­de. Ima­gi­ne uma ci­da­de on­de os pon­tos de ôni­bus in­for­mam os pas­sa­gei­ros a ho­ra exa­ta que o ôni­bus vai che­gar; on­de o pas­sa­gei­ro en­quan­to es­pe­ra po­de car­re­gar seu ce­lu­lar ou ter aces­so às úl­ti­mas in­for­ma­ções so­bre sua ci­da­de ou so­bre os mais di­ver­sos as­sun­tos, além de dis­por de Wi-Fi pa­ra usar a in­ter­net. Ima­gi­na ain­da uma ci­da­de on­de os se­má­fo­ros são in­te­li­gen­tes e ca­pa­zes de re­pro­gra­mar à me­di­da que o trá­fe­go al­te­ra de vo­lu­me e de di­re­ção; uma ci­da­de on­de a ilu­mi­na­ção mu­da de in­ten­si­da­de quan­do não tem gen­te cir­cu­lan­do, evi­tan­do gas­tos des­ne­ces­sá­ri­os de ener­gia; uma ci­da­de on­de as va­gas li­vres nos es­ta­ci­o­na­men­tos pú­bli­cos de rua po­dem ser vi­su­a­li­za­das an­tes mes­mo de che­gar ne­las; ou ain­da li­xei­ras que co­mu­ni­cam quan­do es­tão chei­as.

Tu­do is­so e mui­to mais po­de ser ob­ti­do nu­ma ci­da­de in­te­li­gen­te. O Fó­rum De­sen­vol­ve Lon­dri­na es­co­lheu es­se te­ma pa­ra seu es­tu­do em 2017. O ob­je­ti­vo é pre­pa­rar uma sé­rie de pro­pos­tas que se­rão le­va­das às au­to­ri­da­des e li­de­ran­ças lo­cais pa­ra que es­tu­dem a sua im­plan­ta­ção a cur­to e mé­dio pra­zos. O tra­ba­lho do Fó­rum vi­sa tam­bém des­per­tar a po­pu­la­ção pa­ra as van­ta­gens da ci­da­de ca­mi­nhar nes­sa di­re­ção.

A ci­da­de que re­ce­be o “se­lo” de “Ci­da­de In­te­li­gen­te”, abre uma sé­rie de pos­si­bi­li­da­des de in­ves­ti­men­tos por se tor­nar vi­sí­vel in­ter­na­ci­o­nal­men­te e ser, de fa­to, uma ci­da­de mais atra­ti­va pe­las fa­ci­li­da­des que ofe­re­ce e pe­la al­ta qua­li­da­de de vi­da ofe­re­ci­da pa­ra sua po­pu­la­ção.

Lon­dri­na reú­ne con­di­ções ex­ce­len­tes pa­ra ser uma ci­da­de in­te­li­gen­te, tem mui­tos pro­je­tos de de­sen­vol­vi­men­to tec­no­ló­gi­cos em an­da­men­to, con­ta com um nú­me­ro ex­pres­si­vo de uni­ver­si­da­des e pos­sui uma po­pu­la­ção mais pre­pa­ra­da pa­ra pro­je­tos ino­va­do­res que a mé­dia bra­si­lei­ra.

Es­se mo­vi­men­to não é mo­dis­mo, mas uma on­da que vem e pre­ci­sa ser apro­vei­ta­da pa­ra pro­mo­ver uma gran­de re­vo­lu­ção tec­no­ló­gi­ca na ci­da­de, pre­pa­ran­do-a pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to que vi­rá nos pró­xi­mos anos nu­ma ve­lo­ci­da­de que não ex­pe­ri­men­ta­mos até en­tão. Se per­der­mos es­sa on­da e da­qui a três ou qua­tro anos qui­ser­mos fa­zer al­go pa­re­ci­do, nós te­re­mos per­di­do o im­pul­so que a on­da traz com ela e fa­ci­li­ta a in­tro­du­ção de mu­dan­ças tão pro­fun­das na nos­sa for­ma de vi­da.

Al­gu­mas ci­da­des se an­te­ci­pa­ram a es­sa on­da e já des­fru­tam de be­ne­fí­ci­os que há pou­cos anos era vis­to co­mo im­pos­sí­veis, mas que ho­je gra­ças à tec­no­lo­gia po­dem che­gar a to­da a po­pu­la­ção. O co­nhe­ci­men­to e a tec­no­lo­gia es­tão dis­po­ní­veis, bas­ta que­rer usá­los pa­ra tor­nar o am­bi­en­te ur­ba­no mais ami­gá­vel e tor­nar a ci­da­de mais vi­sí­vel aos olhos dos in­ves­ti­do­res. A Ci­da­de In­te­li­gen­te vai mui­to além dos ser­vi­ços de qua­li­da­de que ofe­re­ce à po­pu­la­ção, ela ge­ra tam­bém uma eco­no­mia con­si­de­rá­vel com a re­du­ção de cus­tos ope­ra­ci­o­nais - em es­pe­ci­al com ilu­mi­na­ção, se­gu­ran­ça, co­le­ta de li­xo, da­nos am­bi­en­tais pro­vo­ca­dos por fenô­me­nos na­tu­rais, re­du­ção de gas­tos nos des­lo­ca­men­tos das pes­so­as em veí­cu­los pró­pri­os ou pe­lo trans­por­te co­le­ti­vo e mui­tas ou­tras eco­no­mi­as.

Lon­dri­na que sem­pre foi ino­va­do­ra e um bom exem­plo de em­pre­en­de­do­ris­mo não po­de per­der es­sa on­da. A po­pu­la­ção pre­ci­sa ade­rir a es­se mo­men­to, pre­ci­sa que­rer uma ci­da­de in­te­li­gen­te. ARY SU­DAN é pre­si­den­te do Fó­rum

De­sen­vol­ve Lon­dri­na

Lon­dri­na que sem­pre foi ino­va­do­ra e um bom exem­plo de em­pre­en­de­do­ris­mo não po­de per­der es­sa on­da”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.