Pro­je­to dá aval a mi­li­tar jul­gar cri­me con­tra ci­vil

Folha de Londrina - - Geral - Ta­li­ta Fer­nan­des Fo­lha­press

Bra­sí­lia -

A Co­mis­são de Re­la­ções Ex­te­ri­o­res e De­fe­sa Na­ci­o­nal do Se­na­do apro­vou nes­ta quin­ta-fei­ra (14) um pro­je­to que trans­fe­re à Jus­ti­ça Mi­li­tar a atri­bui­ção de jul­gar in­te­gran­tes das For­ças Ar­ma­das que co­me­te­rem cri­mes do­lo­sos con­tra ci­vis em ati­vi­da­des de ga­ran­tia de or­dem. O tex­to foi apro­va­do em re­gi­me de ur­gên­cia, com pri­o­ri­da­de de tra­mi­ta­ção, e ain­da pre­ci­sa ser ana­li­sa­do pe­lo ple­ná­rio do Se­na­do, o que de­ve ocor­rer na pró­xi­ma se­ma­na.

O go­ver­no tem tra­ba­lha­do pe­la apro­va­ção do pro­je­to, que con­ta com a ar­ti­cu­la­ção do mi­nis­tro da De­fe­sa, Raul Jung­mann, e das For­ças Ar­ma­das. Já or­ga­ni­za­ções da so­ci­e­da­de ci­vil de di­rei­tos hu­ma­nos e o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral são con­trá­ri­os à apro­va­ção do tex­to.

Na prá­ti­ca, se apro­va­da pe­la Ca­sa, a nova lei po­de­rá ser apli­ca­da na atu­a­ção do Exér­ci­to nos mor­ros do Rio de Ja­nei­ro, por exem­plo. O pro­je­to é de au­to­ria do de­pu­ta­do Es­pi­ri­dião Amin (PPSC) e foi cri­a­do pen­san­do na atu­a­ção das For­ças Ar­ma­das na se­gu­ran­ça das Olim­pía­das. Por es­se mo­ti­vo, o tex­to ti­nha ini­ci­al­men­te uma pre­vi­são de va­li­da­de até 2016.

Co­mo não foi apro­va­do até es­ta da­ta, o tex­to che­gou a ser emen­da­do pe­lo re­la­tor no Se­na­do, Pe­dro Cha­ves (PSC-MS), que re­ti­rou o pra­zo de va­li­da­de. Con­tu­do, a mo­di­fi­ca­ção foi re­ti­ra­da nes­ta quin­ta pe­lo re­la­tor, em acor­do com o Pa­lá­cio do Pla­nal­to. “O tri­bu­nal do jú­ri é mui­to len­to. Às ve­zes ocor­re um cri­me do­lo­so por par­te do mi­li­tar, em ação mi­li­tar, e acon­te­ce que is­so de­mo­ra até anos pa­ra ser jul­ga­do e ele é pre­ju­di­ca­do tre­men­da­men­te”, dis­se o re­la­tor.

Qu­es­ti­o­na­do so­bre as crí­ti­cas de que o pro­je­to ga­ran­ti­ria “pri­vi­lé­gio” aos mi­li­ta­res, por se­rem jul­ga­dos por seus pa­res, o se­na­dor ne­ga. “Não é cor­po­ra­ti­vis­mo por­que o pró­prio Mi­nis­té­rio Pú­bli­co é jul­ga­do pe­los tri­bu­nais su­pe­ri­o­res, não pe­la Jus­ti­ça co­mum. O mi­li­tar de­ve ter o mí­ni­mo de di­rei­tos, por­que a Jus­ti­ça co­mum não é es­pe­ci­a­li­za­da, não co­nhe­ce a vi­da dos mi­li­ta­res”, acres­cen­tou Cha­ves.

No pro­je­to, Amin afir­mou que a le­gis­la­ção que tra­ta da atu­a­ção mi­li­tar em ope­ra­ções de Ga­ran­tia da Lei e da Or­dem, não há “um con­sen­so acer­ca da na­tu­re­za des­sas ações” e, por is­so, “cor­re-se o ris­co de não ser-lhes as­se­gu­ra­da a pro­te­ção e a se­gu­ran­ça ju­rí­di­ca que o di­plo­ma le­gal bus­ca con­fe­rir”.

CRÍ­TI­CAS

Se­na­do­res de opo­si­ção co­mo Va­nes­sa Graz­zi­o­tin (PC do B-AM) e Lind­bergh Fa­ri­as (PT-RJ) cri­ti­ca­ram o pro­je­to e de­fen­de­ram que o Exér­ci­to fos­se cha­ma­do pa­ra uma au­di­ên­cia na co­mis­são. Os par­la­men­ta­res ale­gam que o uso de For­ças Ar­ma­das na área de se­gu­ran­ça pú­bli­ca é ina­de­qua­do e que o Exér­ci­to é “pre­pa­ra­do pa­ra a gu­er­ra”.

Pa­ra o MPF (Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral), o tex­to é in­cons­ti­tu­ci­o­nal por “con­tra­ri­ar ju­ris­pru­dên­cia do STF (Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral) e po­si­ções fir­ma­das pe­la Co­mis­são de Di­rei­tos Hu­ma­nos da Na­ções Uni­das, pe­la Cor­te In­te­ra­me­ri­ca­na de Di­rei­tos Hu­ma­nos e pe­lo Tri­bu­nal Eu­ro­peu de Di­rei­tos Hu­ma­nos –que de­fi­nem a atu­a­ção da Jus­ti­ça Mi­li­tar ape­nas pa­ra o jul­ga­men­to de ca­sos que en­vol­vam ofen­sa às ins­ti­tui­ções mi­li­ta­res”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.