Li­vro sem fim

Folha de Londrina - - Cidades -

Na úni­ca opor­tu­ni­da­de que ti­ve pa­ra en­tre­vis­tar Ari­a­no Su­as­su­na, em vi­si­ta a Lon­dri­na, per­gun­tei-lhe qual era o li­vro mais im­por­tan­te pa­ra en­ten­der o Bra­sil. Sem pes­ta­ne­jar, o mes­tre res­pon­deu: “Os Ser­tões”.

Os prin­ci­pais acon­te­ci­men­tos nar­ra­dos por Eu­cli­des da Cu­nha em sua obra-pri­ma se de­ram há exa­tos 120 anos, em 1897. En­vi­a­do ao ser­tão bai­a­no pa­ra fa­zer a co­ber­tu­ra da Gu­er­ra de Ca­nu­dos, Eu­cli­des era um ar­do­ro­so de­fen­sor da jo­vem Re­pú­bli­ca bra­si­lei­ra. Co­mo tal, che­gou a Ca­nu­dos pron­to pa­ra fa­zer uma con­de­na­ção to­tal dos “fa­ná­ti­cos mo­nar­quis­tas”.

Aqui­lo que o es­cri­tor pre­sen­ci­ou, no en­tan­to, foi o mas­sa­cre de uma mul­ti­dão de mi­se­rá­veis. Eu­cli­des dei­xou de lado su­as con­vic­ções ide­o­ló­gi­cas pa­ra nar­rar o que viu com os pró­pri­os olhos. Di­an­te da du­rís­si­ma re­a­li­da­de, ele agiu co­mo es­cri­tor e ho­mem. A is­so se cha­ma es­cre­ver “com o co­ra­ção nas mãos”.

É im­pos­sí­vel re­su­mir nu­ma pe­que­na crô­ni­ca a for­ça e a ge­ni­a­li­da­de de uma obra co­mo “Os Ser­tões”. Li­mi­to-me aqui a fa­lar so­bre três pas­sa­gens que ja­mais sai­rão de mi­nha me­mó­ria.

1. A des­cri­ção de um es­tra­nho sol­da­do em po­si­ção de des­can­so:

“Per­cor­ren­do cer­ta vez, nos fins de se­tem­bro, as cer­ca­ni­as de Ca­nu­dos, fu­gin­do à mo­no­to­nia de um ca­nho­neio frou­xo de ti­ros es­pa­ça­dos e so­tur­nos, en­con­tra­mos, no des­cer de uma en­cos­ta, an­fi­te­a­tro ir­re­gu­lar, on­de as co­li­nas se dis­pu­nham cir­cu­lan­do um va­le úni­co. Pe­que­nos ar­bus­tos, ico­zei­ros vi­ren­tes vi­çan­do em tu­fos in­ter­me­a­dos de pal­ma­tó­ri­as de flo­res ru­ti­lan­tes, da­vam ao lu­gar a apa­rên­cia exa­ta de al­gum ve­lho jar­dim em aban­do­no. Ao lado uma ár­vo­re úni­ca, uma qui­xa­bei­ra al­ta, so­bran­ce­an­do a ve­ge­ta­ção fran­zi­na.

O sol po­en­te de­sa­ta­va, lon­ga, a sua som­bra pe­lo chão e pro­te­gi­do por ela — bra­ços lar­ga­men­te aber­tos, fa­ce vol­vi­da pa­ra os céus — um sol­da­do des­can­sa­va.

Des­can­sa­va... ha­via três me­ses.”

Shut­ters­tock

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.