Afas­ta­men­to de par­la­men­tar deve ter aval do Con­gres­so, diz STF

Em vo­ta­ção aper­ta­da (6 a 5), de­fi­ni­da pe­la pre­si­den­te Cár­men Lú­cia, Su­pre­mo de­li­be­rou que de­pu­ta­dos e se­na­do­res não po­dem ser afas­ta­dos por meio de me­di­das cau­te­la­res da Cor­te sem apre­ci­a­ção da res­pec­ti­va casa le­gis­la­ti­va. De­ci­são de­ve­rá ser apli­ca­da no c

Folha de Londrina - - Primeira Página - Das agên­ci­as

Bra­sí­lia - A mai­o­ria dos mi­nis­tros do STF (Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral) decidiu ho­je (11) que de­pu­ta­dos e se­na­do­res não po­dem ser afas­ta­dos do man­da­to por meio de me­di­das cau­te­la­res da Cor­te sem aval do Con­gres­so. A con­clu­são foi de­fi­ni­da com voto de­ci­si­vo da pre­si­den­te do STF, Cár­men Lú­cia. O jul­ga­men­to foi fi­na­li­za­do em 6 vo­tos a 5.

A de­ci­são de­ve­rá ser apli­ca­da no ca­so do se­na­dor Aé­cio Ne­ves (PSDB-MG), que re­cor­reu da me­di­da ado­ta­da pe­la Pri­mei­ra Tur­ma, na úl­ti­ma se­ma­na de setembro. Por 3 vo­tos a2, o co­le­gi­a­do de­ter­mi­nou o afas­ta­men­to de­le do man­da­to e seu re­co­lhi­men­to no­tur­no em casa. No en­tan­to, a de­ci­são não é au­to­má­ti­ca, e ain­da não foi de­fi­ni­do co­mo se­rá de­ci­di­da na Cor­te.

Apos cer­ca de 10 ho­ras de jul­ga­men­to, os mi­nis­tros Ed­son Fa­chin, Luís Ro­ber­to Bar­ro­so, Ro­sa We­ber, Luiz Fux e Celso de Mel­lo vo­ta­ram pe­la pos­si­bi­li­da­de de afas­ta­men­to sem au­to­ri­za­ção da Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos ou do Se­na­do. Alexandre de Mo­ra­es, Di­as Toffoli, Ri­car­do Lewan­dows­ki, Gil­mar Mendes, Mar­co Au­ré­lio e a pre­si­den­te, Cár­men Lú­cia, vo­ta­ram pe­la ne­ces­si­da­de de aval do Le­gis­la­ti­vo.

A Cor­te jul­gou ontem uma ação di­re­ta de in­cons­ti­tu­ci­o­na­li­da­de pro­to­co­la­da pelo PP e pelo PSC, que en­ten­dem que to­das as me­di­das cau­te­la­res di­ver­sas da prisão pre­vis­tas no Có­di­go de Pro­ces­so Pe­nal (CPP) precisam ser re­fe­ren­da­das em 24 ho­ras pe­la Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos ou pelo Se­na­do quan­do fo­rem di­re­ci­o­na­das a par­la­men­ta­res. En­tre as pre­vi­sões está o afas­ta­men­to tem­po­rá­ria da fun­ção pública. A ação foi pro­to­co­la­da no ano pas­sa­do, após a de­ci­são da Cor­te que afas­tou o ex-deputado Eduardo Cu­nha (PMDB-RJ) do man­da­to.

IM­PRO­CE­DÊN­CIA

Relator de uma Ação Di­re­ta de In­cons­ti­tu­ci­o­na­li­da­de mo­vi­da no ano pas­sa­do pe­los par­ti­dos PP, PSC e So­li­da­ri­e­da­de, o mi­nis­tro Ed­son Fa­chin vo­tou pe­la im­pro­ce­dên­cia da ação que pe­de que o Ju­di­ciá­rio sub­me­ta ao cri­vo do Le­gis­la­ti­vo me­di­das cau­te­la­res de­cre­ta­das con­tra par­la­men­ta­res - co­mo afas­ta­men­to do man­da­to e re­co­lhi­men­to no­tur­no.

Pa­ra as três le­gen­das, uma vez de­ter­mi­na­das con­tra par­la­men­ta­res me­di­das cau­te­la­res alternativas à prisão preventiva, o tri­bu­nal deve re­me­ter os au­tos em até 24 ho­ras pa­ra a res­pec­ti­va Casa Le­gis­la­ti­va ava­li­zá-las ou sus­pen­dê-las.

A de­ci­são do STF nes­se jul­ga­men­to te­rá im­pac­to di­re­to so­bre o se­na­dor Aé­cio Ne­ves (PSDB-MG), afas­ta­do do man­da­to pe­la mai­o­ria da Pri­mei­ra Tur­ma da cor­te no final de setembro. O ca­so ge­rou des­gas­te en­tre o Se­na­do e o Su­pre­mo.

Con­for­me o ar­gu­men­to dos par­ti­dos, que se ba­sei­am em ao menos três me­ca­nis­mos da Cons­ti­tui­ção, qual­quer me­di­da que atra­pa­lhe o exer­cí­cio do man­da­to de um par­la­men­tar re­quer aná­li­se da res­pec­ti­va Casa Le­gis­la­ti­va.

Ao re­ba­ter o ar­gu­men­to de que a Cons­ti­tui­ção pre­vê que a prisão em fla­gran­te de um par­la­men­tar se­ja ana­li­sa­da pelo Le­gis­la­ti­vo den­tro de 24 ho­ras, Fa­chin afir­mou que es­sa re­gra li­mi­ta-se à prisão em fla­gran­te e não al­can­ça me­di­das cau­te­la­res alternativas, cu­jos ob­je­ti­vos são a ma­nu­ten­ção da or­dem pública, a pre­ser­va­ção da in­ves­ti­ga­ção e da ins­tru­ção pe­nal e a in­ter­rup­ção da prá­ti­ca de crime.

Es­se dis­po­si­ti­vo, se­gun­do Fa­chin, “nem de lon­ge con­fe­re ao Po­der Le­gis­la­ti­vo o po­der de re­vi­sar juí­zos téc­ni­co-ju­rí­di­cos ema­na­dos do Po­der Ju­di­ciá­rio”.

“Ao Po­der Le­gis­la­ti­vo, a Cons­ti­tui­ção ou­tor­gou, pe­la re­gra de seu art. 53, § 2º, ape­nas o po­der de re­la­xar a prisão em fla­gran­te, for­te num juí­zo po­lí­ti­co. Es­ten­der es­sa com­pe­tên­cia pa­ra per­mi­tir a re­vi­são, por par­te do Po­der Le­gis­la­ti­vo, das de­ci­sões ju­ris­di­ci­o­nais so­bre me­di­das cau­te­la­res pe­nais sig­ni­fi­ca am­pli­ar re­fe­ri­da imunidade pa­ra além dos li­mi­tes da nor­ma­ti­vi­da­de que lhe é pró­pria, em ofen­sa ao pos­tu­la­do re­pu­bli­ca­no e à pró­pria in­de­pen­dên­cia do Po­der Ju­di­ciá­rio”, afir­mou Fa­chin em seu voto.

Se­gun­do mi­nis­tro a vo­tar, Alexandre de Mo­ra­es di­ver­giu do relator. Ele vo­tou pe­la im­pos­si­bi­li­da­de de o Su­pre­mo apli­car me­di­das cau­te­la­res que in­ter­fi­ram no exer­cí­cio do man­da­to e no di­rei­to de ir e vir dos par­la­men­ta­res. Ca­so a cor­te de­ci­da por tais me­di­das, pelo en­ten­di­men­to de Mo­ra­es, é ne­ces­sá­rio sub­me­tê-las ao Le­gis­la­ti­vo. Mo­ra­es dis­se que as imu­ni­da­des par­la­men­ta­res não são uma “ja­bu­ti­ca­ba bra­si­lei­ra”, mas uma nor­ma com 400 anos de tra­di­ção em paí­ses de­mo­crá­ti­cos.

Nem de lon­ge con­fe­re ao Po­der Le­gis­la­ti­vo o po­der de re­vi­sar juí­zos téc­ni­co-ju­rí­di­cos ema­na­dos do Po­der Ju­di­ciá­rio”

Nel­son Jr./SCO/STF

A Cor­te jul­gou ontem uma ADI que de­fen­de que me­di­das que atra­pa­lhem o exer­cí­cio do man­da­to de um par­la­men­tar re­que­rem aná­li­se da res­pec­ti­va Casa Le­gis­la­ti­va

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.