Mais de 85% dos pa­ra­na­en­ses mo­ram em 1,9% do ter­ri­tó­rio

Áre­as con­si­de­ra­das ur­ba­nas no Bra­sil concentram 190,7 milhões de pes­so­as

Folha de Londrina - - Primeira Página - Vítor Ogawa Re­por­ta­gem Lo­cal

Mais de 85% da po­pu­la­ção mo­ra em uma área equi­va­len­te a 1,9% do Pa­ra­ná. A concentração ur­ba­na, no en­tan­to, não é ex­clu­si­vi­da­de do Estado. Em to­do o País, a taxa de den­si­da­de de­mo­grá­fi­ca ur­ba­na é de 2.969 ha­bi­tan­tes por km². A taxa pa­ra­na­en­se é uma das me­no­res do País. São 2.355 hab/km². Is­so sig­ni­fi­ca que o Estado, di­fe­ren­te­men­te de ou­tras uni­da­des fe­de­ra­ti­vas, não con­ta com gran­des aglo­me­ra­dos ur­ba­nos. As ex­ce­ções são mu­ni­cí­pi­os da Re­gião Me­tro­po­li­ta­na de Cu­ri­ti­ba. A ca­pi­tal pa­ra­na­en­se, por exem­plo, pos­sui 4.027 hab/ km². Em Lon­dri­na, a taxa é de 2.793 hab/km².

As áre­as con­si­de­ra­das ur­ba­nas no Bra­sil re­pre­sen­tam menos de 1% do ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal (0,63%) e concentram 190,7 milhões de pes­so­as - 84,3% da po­pu­la­ção bra­si­lei­ra. Os da­dos são do mais de­ta­lha­do tra­ba­lho de iden­ti­fi­ca­ção de áre­as ur­ba­nas já fei­to no País. Exe­cu­ta­do por profissionais da Em­bra­pa Ges­tão Ter­ri­to­ri­al (SP), o estudo “Iden­ti­fi­ca­ção, ma­pe­a­men­to e quan­ti­fi­ca­ção das áre­as ur­ba­nas do Bra­sil” le­vou três anos pa­ra ser concluído e exi­giu ob­ser­va­ção mi­nu­ci­o­sa de cen­te­nas de ima­gens de sa­té­li­te.

O ana­lis­ta de ge­o­pro­ces­sa­men­to da Em­bra­pa (Em­pre­sa Bra­si­lei­ra de Pes­qui­sa Agro­pe­cuá­ria) Ges­tão Ter­ri­to­ri­al, An­dré Farias, ex­pli­ca que a pes­qui­sa sur­giu da ne­ces­si­da­de de de­li­mi­ta­ção melhor das áre­as ur­ba­nas dos mu­ni­cí­pi­os. Se­gun­do ele, o ór­gão res­pon­sá­vel por es­se tra­ba­lho é o IBGE (Ins­ti­tu­to Bra­si­lei­ro de Ge­o­gra­fia e Es­ta­tís­ti­ca), que pa­ra re­a­li­zar o cen­so de­mo­grá­fi­co di­vi­de o País em se­to­res cen­si­tá­ri­os ru­ral e ur­ba­no.

“No en­tan­to, a de­fi­ni­ção que o IBGE uti­li­za do que é ur­ba­no ou ru­ral pre­ci­sa res­pei­tar a di­vi­são ofi­ci­al do pe­rí­me­tro ur­ba­no. E tu­do o que está fo­ra des­se pe­rí­me­tro ur­ba­no é con­si­de­ra­do ru­ral. Aí en­tram ques­tões de lo­cais em que in­ci­dem o IPTU (Im­pos­to Pre­di­al e Ter­ri­to­ri­al Ur­ba­no) e o ITR (Im­pos­to so­bre a Propriedade Ter­ri­to­ri­al Ru­ral). Ob­ser­va­mos que exis­ti­am diferenças en­tre os li­mi­tes cen­si­tá­ri­os ur­ba­no e ru­ral ao ana­li­sar­mos as ima­gens de sa­té­li­te”, apontou.

Os pes­qui­sa­do­res da Em­bra­pa, por­tan­to, que­ri­am sa­ber da for­ma mais exa­ta pos­sí­vel o que é ur­ba­no e o que é ru­ral. “Is­so foi te­ma de debate en­tre os pes­qui­sa­do­res e che­ga­mos à con­clu­são que o ur­ba­no é pos­sí­vel re­co­nhe­cer na imagem por sa­té­li­te uma concentração de re­si­dên­ci­as, ar­ru­a­men­tos, lo­te­a­men­tos ou concentração de in­dús­tri­as ur­ba­nas. A gente ado­tou o pon­to de vis­ta es­tri­ta­men­te fí­si­co”, ex­pli­cou.

Se­gun­do Farias, ho­je exis­tem mui­tas pro­pri­e­da­des com ca­rac­te­rís­ti­cas ur­ba­nas em áre­as ru­rais e is­so é re­le­van­te pa­ra o pla­ne­ja­men­to de po­lí­ti­cas pú­bli­cas de in­fra­es­tru­tu­ra e ser­vi­ços ur­ba­nos. “A dis­tor­ção que ha­via an­tes po­dia atra­pa­lhar es­se pla­ne­ja­men­to de po­li­ti­cas pú­bli­cas di­re­ci­o­na­das às ci­da­des. Com es­se no­vo estudo te­mos a re­a­li­da­de con­cre­ta que com­põe a si­tu­a­ção dos mu­ni­cí­pi­os”, de­cre­tou.

A pes­qui­sa apon­ta o per­cen­tu­al de área ur­ba­na em re­la­ção à área total do mu­ni­cí­pio. Em Lon­dri­na, o per­cen­tu­al é de 10,7%, o que o co­lo­ca em 17º lu­gar nes­se que­si­to no Estado. Em Cu­ri­ti­ba, a área total está qu­a­se to­da to­ma­da pe­la po­pu­la­ção ur­ba­na e es­se per­cen­tu­al atin­giu 94,7%. Na Re­gião Me­tro­po­li­ta­na de Lon­dri­na, Ibi­po­rã apa­re­ce com 6,79%, Cam­bé está com 6,71% e Ro­lân­dia está com 6,12%. Em Ma­rin­gá, o ín­di­ce é de 25,57%.

“Não fizemos aná­li­se de cada Estado, mas pe­la pes­qui­sa é pos­sí­vel cons­ta­tar que em Cu­ri­ti­ba não há mais pos­si­bi­li­da­de de ex­pan­são da ci­da­de e se hou­ver cres­ci­men­to de­mo­grá­fi­co tem que ser ab­sor­vi­do pelo pro­ces­so de ver­ti­ca­li­za­ção de pré­di­os re­si­den­ci­ais e co­mer­ci­ais. Em ou­tros mu­ni­cí­pi­os há vá­ri­as pos­si­bi­li­da­des de ex­pan­são da área ur­ba­na em áre­as ru­rais, mas es­se estudo pre­ci­sa ser apro­fun­da­do”, apontou Farias.

O di­re­tor de pes­qui­sa do Ipar­des (Ins­ti­tu­to Pa­ra­na­en­se de De­sen­vol­vi­men­to Econô­mi­co e So­ci­al), Da­ni­el No­ji­ma, apon­ta que a exis­tên­cia de es­pa­ço pa­ra uma pos­sí­vel ex­pan­são ur­ba­na não sig­ni­fi­ca ne­ces­sa­ri­a­men­te que ela vá acon­te­cer. “Is­so é a demografia que vai dizer. Tal­vez Ma­rin­gá se­ja uma ex­ce­ção da­qui pa­ra fren­te, pois ela ten­de a fi­car menos dis­tan­te da po­pu­la­ção de Lon­dri­na. Já o mu­ni­cí­pio de Lon­dri­na ten­de a ter uma es­ta­bi­li­da­de mai­or, ape­sar de pos­suir ain­da mui­to es­pa­ço pa­ra ex­pan­são. O cres­ci­men­to da área ur­ba­na tam­bém está vin­cu­la­do à ca­pa­ci­da­de de cres­ci­men­to econô­mi­co dos mu­ni­cí­pi­os, o que po­de fo­men­tar cres­ci­men­to de­mo­grá­fi­co, mas não é o que a gente vem per­ce­ben­do nos mu­ni­cí­pi­os mé­di­os. A não ser que acon­te­çam epi­só­di­os de for­te cres­ci­men­to, co­mo em São José dos Pi­nhais (Re­gião Me­tro­po­li­ta­na de Cu­ri­ti­ba), por con­ta da for­te in­dus­tri­a­li­za­ção.

Se até a dé­ca­da de 1970 o ei­xo de de­sen­vol­vi­men­to fi­ca­va na par­te nor­te do Estado, é pos­sí­vel ver que es­se pro­ces­so está con­cen­tra­do na úl­ti­ma dé­ca­da na Re­gião Me­tro­po­li­ta­na de Cu­ri­ti­ba e, nos úl­ti­mos anos, a mai­or taxa de cres­ci­men­to po­pu­la­ci­o­nal ur­ba­no se es­pa­lhou e tem se de­sen­vol­vi­do no Oes­te, Su­do­es­te e par­te do Sul do Estado, além de cres­cer em es­ca­la menor na Re­gião Nor­te do Pa­ra­ná. No­ji­ma ex­pli­ca que a ten­dên­cia de cres­ci­men­to apon­ta pa­ra re­giões com pro­ces­sos ur­ba­nos um pou­co mais con­sis­ten­tes. “No Estado acon­te­cem mi­gra­ções in­ter­nas. Em re­giões co­mo o Nor­te Pi­o­nei­ro, a re­gião cen­tral, por exem­plo, há uma ten­dên­cia de en­ve­lhe­ci­men­to da po­pu­la­ção, en­quan­to a Re­gião Me­tro­po­li­ta­na de Cu­ri­ti­ba e ci­da­des co­mo Cas­ca­vel, To­le­do e Foz do Igua­çu ten­dem a atrair mais a po­pu­la­ção de ci­da­des pró­xi­mas”, des­ta­cou.

Se­gun­do ele, a pes­qui­sa da Em­bra­pa, di­fe­ren­te­men­te da pes­qui­sa do IBGE, en­xer­ga den­tro dos mu­ni­cí­pi­os. “Quan­do se pen­sa em sa­ne­a­men­to, dis­tri­bui­ção de ener­gia elé­tri­ca e até ques­tões de saúde é im­por­tan­te ver a den­si­da­de de­mo­grá­fi­ca. Al­guns ser­vi­ços exi­gem es­ca­la e seu pla­ne­ja­men­to po­de de­pen­der des­ses da­dos”, apontou.

Ser­gio Ra­nal­li/6-8-2015

Em Lon­dri­na, a taxa de den­si­da­de de­mo­grá­fi­ca ur­ba­na é de 2.793 hab/km²

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.