Pro­fes­so­res ain­da são ne­ces­sá­ri­os?

Folha de Londrina - - Opinião - Wan­da Ca­mar­go WAN­DA CA­MAR­GO é edu­ca­do­ra e as­ses­so­ra da pre­si­dên­cia do Com­ple­xo de En­si­no Su­pe­ri­or do Bra­sil (UniB­ra­sil) em Cu­ri­ti­ba

Pra­ti­ca­men­te to­das as áre­as de co­nhe­ci­men­to estão so­fren­do os efei­tos de uma ir­ri­tan­te sim­pli­fi­ca­ção, ain­da que se re­co­nhe­ça que há mui­tas coi­sas com­pli­ca­das que de­vem mes­mo ser sim­pli­fi­ca­das: está sen­do in­va­di­da a se­a­ra da es­pe­ci­a­li­za­ção, do sa­ber que de­man­da anos de estudo e ex­pe­ri­ên­cia. Mui­tos mé­di­cos, por exem­plo, en­fren­tam dis­cus­sões com pa­ci­en­tes, lei­gos, que já de­fi­ni­ram o pró­prio di­ag­nós­ti­co e tra­ta­men­to atra­vés do “dou­tor Google” e re­fu­tam a opi­nião do pro­fis­si­o­nal quan­do di­ver­ge da­qui­lo que ve­em co­mo ver­da­de, coi­sa mui­to di­fe­ren­te de pedir uma se­gun­da opi­nião médica.

Is­so é cada vez mais co­mum em to­das as pro­fis­sões, e ocor­re com frequên­cia alarmante na edu­ca­ção, alu­nos e mes­mo di­ri­gen­tes de es­co­la pa­re­cem acre­di­tar que ape­nas a tec­no­lo­gia edu­ca­ci­o­nal é su­fi­ci­en­te pa­ra a construção do co­nhe­ci­men­to, não per­ce­ben­do que os con­teú­dos dos softwa­res são pro­du­zi­dos por pro­fes­so­res, e tem al­can­ce ge­né­ri­co ne­ces­si­tan­do da com­ple­men­ta­ção, con­tex­tu­a­li­za­ção e me­di­a­ção do­cen­te.

O sé­cu­lo vin­te nos deu um es­ti­lo li­te­rá­rio dis­tó­pi­co em fic­ção ci­en­tí­fi­ca, li­vros pes­si­mis­tas com his­tó­ri­as que não dei­xam mui­ta es­pe­ran­ça pa­ra nos­sa po­bre es­pé­cie. Den­tre os me­lho­res, “1984” de Ge­or­ge Orwell e “Ad­mi­rá­vel Mun­do No­vo” de Al­dous Hux­ley. Em co­mum, nar­ram co­ti­di­a­nos de pes­so­as sub­me­ti­das a um Estado que se­quer en­ten­dem, tu­do se pas­sa co­mo se o po­der que as go­ver­na ti­ves­se exis­tên­cia se­pa­ra­da do restante da sociedade, e o co­nhe­ci­men­to vi­es­se sem­pre em “pa­co­tes”. Al­go se­me­lhan­te à ab­so­lu­ta/ab­sur­da con­fi­an­ça que par­te da hu­ma­ni­da­de pa­re­ce depositar nos orá­cu­los ele­trô­ni­cos, sem a menor cons­ci­ên­cia do fa­tor hu­ma­no na sua ori­gem, cer­ta­men­te o com­po­nen­te mais im­por­tan­te.

Che­ga-se ao pon­to de du­vi­dar da pro­fis­são de pro­fes­sor, co­mo se o ma­gis­té­rio de­ves­se se tor­nar me­ro recurso de trei­na­men­to e apli­ca­ção de me­to­do­lo­gi­as em­pa­co­ta­das pa­ra alu­nos que não te­ri­am ne­nhum in­te­res­se em apro­fun­dar in­for­ma­ções e co­nhe­ci­men­tos. Is­to, quan­do o mun­do de­man­da pes­so­as ca­pa­zes de pensar, ter vi­são de con­jun­to e to­mar de­ci­sões ra­pi­da­men­te fren­te a de­sa­fi­os ci­en­tí­fi­cos e tec­no­ló­gi­cos cons­tan­tes.

No Bra­sil, em par­ti­cu­lar, onde a re­mu­ne­ra­ção dos pro­fes­so­res está bem abaixo da média mundial, com es­co­las pú­bli­cas apre­sen­tan­do in­fra­es­tru­tu­ra e con­di­ções de tra­ba­lho bas­tan­te de­fi­ci­tá­ri­as, e a pos­si­bi­li­da­de da for­ma­ção con­ti­nu­a­da cada vez mais dis­tan­te, a ques­tão é bas­tan­te per­ti­nen­te.

A mais re­cen­te pes­qui­sa da Or­ga­ni­za­ção pa­ra a Co­o­pe­ra­ção Econô­mi­ca, fó­rum in­ter­na­ci­o­nal que promove po­lí­ti­cas pú­bli­cas em mui­tos paí­ses, analisa vá­ri­os fa­to­res de atra­so nos IDH (Ín­di­ce de De­sen­vol­vi­men­to Hu­ma­no) e des­ta­ca a ques­tão edu­ca­ci­o­nal, in­cluin­do a de­fi­ci­en­te for­ma­ção do­cen­te, cau­sa e con­sequên­cia da bai­xa re­mu­ne­ra­ção – média anu­al bra­si­lei­ra de tre­ze mil dó­la­res em con­tra­po­si­ção a trin­ta mil dó­la­res nos de­mais paí­ses – o tra­ba­lho com as mai­o­res tur­mas, que no Bra­sil al­can­ça no en­si­no mé­dio 26 es­tu­dan­tes por sa­la, bem mai­or que a média mundial.

O mes­mo estudo apon­ta que for­ma­mos um dos me­no­res nú­me­ros de pro­fes­so­res em ci­ên­ci­as, ma­te­má­ti­ca e en­ge­nha­ria, cer­ta­men­te em fun­ção da ne­ces­si­da­de de bons la­bo­ra­tó­ri­os, tan­to na apren­di­za­gem quan­to mais tar­de na do­cên­cia, bons li­vros e re­cur­sos tec­no­ló­gi­cos.

En­si­no e apren­di­za­gem não se re­su­mem à apli­ca­ção de me­ras téc­ni­cas, é bem mais que is­so, e o pro­vam paí­ses cu­jos sis­te­mas edu­ca­ci­o­nais são con­si­de­ra­dos de su­ces­so. A for­ma­ção de um bom pro­fes­sor é mo­ro­sa, en­vol­ve bons co­nhe­ci­men­tos de ha­bi­li­da­des cog­ni­ti­vas, co­mo to­ma­da de de­ci­são, ra­ci­o­cí­nio fle­xí­vel, de­sen­vol­vi­men­to da ca­pa­ci­da­de de re­so­lu­ção de pro­ble­mas, in­te­res­se ge­nuí­no pe­los es­tu­dan­tes, boa cultura ge­ral.

Mui­tos têm dú­vi­das ho­je se ain­da va­le a pe­na ser pro­fes­sor, pois a car­rei­ra do ma­gis­té­rio pa­re­ce des­ti­na­da ao sim­ples trei­na­men­to, já que está es­ta­be­le­ci­do que bo­as es­co­las são aque­las que in­ves­tem em com­pu­ta­do­res, softwa­res, me­to­do­lo­gi­as mais ati­vas que uti­li­zam mais o em­pe­nho do pró­prio es­tu­dan­te na construção de seu co­nhe­ci­men­to; no en­tan­to, a boa uti­li­za­ção des­tes re­cur­sos não pres­cin­de de um bom pro­fes­sor.

Che­ga-se ao pon­to de du­vi­dar da pro­fis­são de pro­fes­sor, co­mo se o ma­gis­té­rio de­ves­se se tor­nar me­ro recurso de trei­na­men­to”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.